A região de Pomerol é conhecida pela produção de vinhos aveludados e elegantes em pequenas propriedades rurais. Não existe uma classificação de Pomerol, mesmo tendo um filho ilustre como Chateau Petrus um mito para nós enófilos, mais logicamente merecendo uma classificação maior possível.
O clima da região e de grandes variações de temperatura durante o dia e com chuvas mais constantes na primavera, sendo que no verão e inverno mais seco. O grande diferencial desta região é o seu subsolo, que se constitui de uma verdadeira “panela de ferro”, conhecida na região como “crasse de fer” ou “machefer”, com pedregulhos a leste e argila no centro e ao norte. As principais uvas de Pomerol são a Merlot,Cabernet Franc e a Cabernet Sauvignon.

Descrição do vinho:

Coloração turva e escura, com aromas de baunilha e ameixa, na boca seu grande forte, muito macio apesar de ser um 2005, com retrogosto maravilhoso de ameixa, taninos presentes e acidez muito boa, harmonizou com uma polenta com ragu de linguiça de pernil. Não ouve evolução em taça talvez por ser prematuro. Denota ser um vinho feito com muito capricho. Mais a discussão que passo a todos é, por estar tão pronto e macio será que vai ter um futuro longo? Ficamos na duvida sendo que os taninos estavam macios mais adormeciam e penicavam a gengiva. Gostaria da opinião dos amigos enófilos de plantão !
Pais: França
Região: Pomerol
Uvas:  70% Merlot e 30% cabernet franc de videiras em média 35 anos.
Safra: 2005
Vinícola: Clos L’ Eglise
Graduação: 13,5%
ST(91+)
MF(90+)