A região vinícola do Jura, localizada no leste da França, a apenas 80 quilômetros ao oeste de Borgonha, é a região francesa com a menor área cultivada de vinhas, aproximadamente 4.000 acres. Apesar de não ser muito conhecida no mercado brasileiro, ela produz vinhos inimitáveis e de excelente qualidade.

Recentemente junto a um grupo de amigos tive a oportunidade de provar alguns vinhos evoluídos e de excelentes produtores desse país. Segue abaixo a descrição do amigo MF sobre os rótulos que concordo plenamente.

Para acompanhar, Lagostas e camarões.

Abrimos com um 1987 Jean Bourdy Côtes du Jura – 12%. Savagnin. 

A cor é linda e assustadora. Nariz jurássico tradicional com fruta ligeiramente passada temperada por discretas notas oxidativas e de mel. Boca seca, evoluída, com acidez equilibrada, segurando as pontas do conjunto após esses 28 aninhos. Tá bem bonito, mas ali no limiar do downside.

Seguimos com um 1955 Jean Bourdy Côtes du Jura – 12%. Não achei nenhuma referência à(s) uva(s) utilizada(s), mas tem muita cara de Chardonnay. 

Para tudo! São 60 anos e o vinho está simplesmente um desbunde, aparentando ser bem mais novo que o 1987! Estrutura impecável, mineral, fruta evoluída mas incrivelmente íntegra, acidez perfeita. Nada menos que sensacional! WOTN!

Ainda meio atordoados pelo Bourdy 1955, pulamos para um 1983 Jacques Tissot Vin Jaune d’Arbois – 14%. Savagnin. 

Esses bichos são violentos, né? Como sempre, nozes misturadas com cola tenaz, oxidativo intenso sem ser excessivo, acidez vibrante. Na flor (sem trocadilho) da idade. Uma belezura.

Finalizando a etapa Jura da noite, 2009 Ganevat Cuvée Prestige – 13%. Savagnin.

Lindão, as always. Intenso, muito equilibrado mesmo na juventude. Tem um baby fat pra queimar mas já entrega muito prazer. E entregar prazer depois de tudo o que foi aberto não é pra qualquer mortal. Ganevat rocks!