Os vinhos de Bordeaux são os mais famosos e procurados do mundo, todo o restante vem trabalhando para imitar e competir com eles. Por muito tempo levaram fama e afastaram enófilos devido ao seu preço inflado. Mas atualmente, apesar de não ser considerado um vinho para o dia-dia, já é possível encontrar em nosso mercado uma boa variedade de rótulos com preços democráticos, e eles são ótimos. Isso se comprovou em uma recente degustação no Wine Store Carone com a presença, Christophe Lillet, “négociant” do grupo Salin, terceiro maior comerciante de vinhos de Bordeaux. Foto acima: George, Vanderlei Martins (centro) e Christophe Lillet (direita).

Entenda o básico de Bordeaux

Primeiro, vamos começar com o óbvio. ”Bordeaux” não é uma uva; É uma região da França. Os vinhos franceses são rotulados por sua região geográfica de vinhos e não por suas uvas. 

Em geral, os vinhos de Bordeaux são “blends”, significando que eles usam mais de uma uva na mistura. Os tintos de Bordeaux, que responde por quase 90% de todos os vinhos, utilizam a Merlot, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Malbec e Petit Verdot. Os brancos são predominantemente feitos de Sémillon (maior participação), Sauvignon Blanc e Muscadelle. 

Margem direita x Margem Esquerda

Dentro da região de Bordeaux, existem 57 denominações de vinhos. Todos eles são divididos por um rio chamado Gironde, que é onde outros dois rios se encontram antes de fluir para o Atlântico.  Devido a isso, as sub-regiões de Bordeaux são comumente referidas como na “Margem Esquerda” ou “Margem Direita”.

Na margem direita, o solo é mais de argila, desenvolvendo melhor a Merlot. Suas principais regiões – Saint – Emilion, Pomerol e Canon-Fronsac, tem também as suas particularidades. Especial atenção deve ser dada a Canon – Fronsac, no quesito qualidade-preço de seus vinhos. Pomerol, separada de St. Émilion por uma rua é a apelação de Bordeaux que produz os mais aveludados e sensuais vinhos. Enquanto que, na margem esquerda, predomina o solo calcário, constituído por “graves” (como é conhecido os solos de cascalhos e areia), o melhor habitat para a Cabernet Sauvignon, originando vinhos mais estruturados e com potencial de guarda. Suas pricipais regiões: Pauillac, St. Julian, Margaux, St. Estèphe e Graves.

Vinhos indicados: Château Haut-Colombier 2010, Côtes de Blaye (R$ 79), Chateau Moulin de Cassy 2011, Medoc (R$ 85), Chateau Bernadotte 2008, Medoc (R$ 118), Chateau L’Etoile de Clotte 2009, Saint-Emilion Grand Cru (R$ 158) e o Château Latour-Martillac blanc 2012, Pessac-Léognan (250). Onde encontrar: Carone Tel: 3137.28.44

Vinho de sobremesa

Se é fã de vinho de sobremesa, a região é Sauternes e Barsac, as melhores da França e mundo para estilo de vinho. Localizadas a cerca de 40 Km ao sul dE Bordeaux, e possuem um micro-clima que propicia o surgimento do fungo Botrytis Cinérea, fungo responsável pelo famoso vinho Sauternes. A principal uva dessas regiões é a Sémillon. 

Entenda algumas nomenclaturas no rótulo

Crémant - Termo em francês para designar vinho espumante de outras áreas da França que não seja de Champanhe. Esse vinho é transformado em espumante pelo método tradicional de realizar uma segunda fermentação na garrafa.

Cru - Crescimento, em francês – Do ponto de vista enológico, o termo é usado para descrever um vinhedo, e não o crescimento das videiras.

Cru Bourgeois - Nível de qualidade usado para châteaux de Bordeaux, superado apenas por Cru Classé.

Cru Classé - Vinhedo francês oficialmente classificado pela qualidade continuada com o passar do tempo. Em Bordeaux, as propriedades Cru Classé são estratificadas de premier cru a cinquième cru.

Bordeaux Simples e Bordeaux Superior - Além de serem classificados pelos “crus”, os vinhos de Bordeaux também são classificados com relação à sua qualidade e ao vinho em si. Um Bordeaux Superior é um vinho feito com castas melhores, que vêm de vinhedos que já receberam o título de Denominação de Origem e geralmente passou por barricas de carvalho. Um Bordeaux Simples, o próprio nome já diz, é simples – mas isso não significa que tenha pouca qualidade, pois um vinho pode ser simples mas muito bem feito.   

Vinhos degustados

Château Haut-Colombier 2010, Côtes de Blaye (R$ 79) – ST (88), Chateau Moulin de Cassy 2011, Medoc (R$ 85) – ST (88), Chateau Bernadotte 2008, Medoc (R$ 118) – ST (88), Chateau L’Etoile de Clotte 2009, Saint-Emilion Grand Cru (R$ 158) – ST (90) e o Château Latour-Martillac blanc 2012, Pessac-Léognan (250) – ST (92). Onde encontrar: Carone Tel: 3137.28.44