No dia 19 de novembro participei de um magnifico jantar harmonizado com os Vinhos do Porto Taylor´s, promovido pela importadora Qualimpor, no restaurante Aleixo, aqui na capital capixaba. Para apresentar os vinhos esteve em vitória, Duda Zagari, gerente responsável pelo mercado brasileiro e América Latina (Taylor´s).

A Taylor’s é uma das mais antigas casas de vinho do Porto. De certa forma sua história se confunde com a própria história do vinho do Porto. Desde sua fundação a empresa se manteve independente. Agora, no seu quarto século, cresceu e prosperou, se firmando como uma das casas históricas de vinho mais respeitadas de todo o mundo. Isto foi conseguido através da perseverança, espírito pioneiro e da continuidade de tradição em que sucessivas gerações da família se envolveram.

Duda Zagari

Os privilegiados

Já começamos a noite com grandes vinhos, os Tawnys “10, 20 e 40 nos”. Chamados de Tawny com indicação de idade eles amadurecem em cascos e são resultado de misturas de safras. Podem ser tintos ou brancos, porém os brancos são raros. Nessa categoria um Porto de 1980, por exemplo, pode ser engarrafado com um “Colheita 1980″, ou mesclado com vinhos mais novos e mais velhos formando um Tawny velho, conforme os vinhos e quantidade de cada que foi adicionado ao lote. Na taça o Taylor´s 10 anos mostrou aroma intenso, com notas de figo, passas, madeira e mel. Paladar meio doce, textura muito macia e longo. ST (90)

A indicação “Tawny 20 anos”, por exemplo, indica que a média de idade dos vinhos misturados. Assim este “20 anos” podem conter vinhos com mais de 20 anos e outros com menos de 20 anos, por exemplo. Um vinho mais velho se beneficia normalmente ao ser misturado com um mais novo, ficando mais fresco. Na taça o Taylor´s 20 anos mostrou aroma de mel, especiarias, casca de laranja entre outros. Paladar longo, fresco e cremoso. O mais equilibrado dos três. Show! ST (94)

Na taça o Taylor´s 40 anos mostrou uma cor ligeiramente mais claro que os demais, notas de evolução e textura aveludada. Chama atenção pela complexidade. ST (91)

Partimos para o para um Porto colheita. Os “Colheitas” tem estilos semelhantes do Tawnys com indicação de idade, porém são elaborados com uma única safra. O vinho provado foi o lançamento Taylor´s Colheita 1964 de edição limitada, envelhecido por 50 anos em cascos de madeira antes de ser engarrafado. A empresa promete lançar no próximo ano a safra 1965. Na taça se mostrou exuberante, visual âmbar, aroma complexo com notas de frutos secos, especiarias, de tabaco e de caixa de charuto. No paladar impressiona pelo conjunto equilibrado, aveludado, acidez viva, aporta vida ao vinho. ST (94)

Seguimos com o Taylor´s Vintage 2011, safra considerada histórica, para o estilo de maior prestigio entre os Vinhos do Porto. Somente os melhores vinhos, com maior corpo e cor, nas melhores safras, três a quatro anos por década apenas, são declarados Vintage. Falando em volume, o Vintage representa somente dois a cinco por cento da produção, noa anos em que são produzidos. Eles permanecem em toneis por aproximadamente dois anos até ser engarrafado. Traz sempre o ano da colheita no rótulo, não é filtrado, é longevo, evolui por décadas (alguns mais de um século). Um Vintage novo pode aguentar aberto por vários dias. Na taça mostrou potência de fruta, taninos e acidez, que premiarão a paciência dos que comprarem e guardarem essa garrafa.  ST (97)

Finalmente chegamos ao ponto alto da degustação, provar o Porto Tawny “Taylor’s Single Harvest 1863” produzido com uma única colheita datada do século XIX, pré-filoxera. O produto vem em uma belíssima garrafa de cristal em uma caixa de madeira nobre, somente 1.600 exemplares. Com a colheita datada de 1863, tem um preço de R$ 11,000.00 a unidade. Na taça mostrou um vinho soberbo, cheio de nuances e texturas. Memorável. ST (100)