Matéria publicada originalmente na coluna Vivendo a Vida | C2 + Prazer & Cia | Jornal A Gazeta

Consumido de forma moderada o vinho é uma bebida fascinante que nos proporciona uma vida mais longa e saudável. Além disso, nos encanta pelos seus aromas e sabores, pela enorme variedade de estilos, por contar histórias, por reunir amigos e fazer novos em volta da mesa, por nos proporcionar viagens e muitas outras coisas boas. Acredito que todos podem apreciar um bom vinho independente do seu nível de conhecimento ou capacidade financeira. Mas também compreendo a dificuldade das pessoas diante da complexidade do tema e da variedade de rótulos disponíveis no mercado.

Por isso a coluna de hoje vai dar varias dicas para você estrear no mundo do vinho de forma pratica e com muito prazer, transformando em um hobby maravilhoso. Selecionei também seis rótulos de diferentes faixas de preço, fáceis de beber, e que valem o investimento.  

1 – Primeiro de tudo é preciso escolher uma loja, importadora ou supermercado que ofereça um bom serviço, que trate bem seus vinhos, que tenha bons profissionais e pratique preços competitivos.   

2 – Na hora da compra se arrisque. Procure conhecer vinhos de países, regiões, uvas, diferentes estilos – espumantes, brancos, rosés, tintos e de sobremesa, de varia faixas de preço – R$ 20, R$ 30, R$ 50 ou R$ 100. Só assim poderá entender as diferenças e escolher o seu preferido. Pratique!

3 – Preço alto não é garantia de qualidade. Estudos e degustações comprovam constantemente que quando não sabemos o que estamos provando, às segas, muitas vezes vinhos com preços baixos se destacam diante dos mais caros e reconhecidos. Procure por países que são reconhecidos por produzirem vinhos com boa relação qualidade x preço. Por exemplo, Brasil, Chile, Argentina e Uruguai, no Novo Mundo; Espanha e Portugal no Velho mundo.

4 – Nem todos os vinhos envelhecem bem. Compre com no máximo 2 a 3 anos de safra. Com o passar do tempo, adquirindo experiência, saberá distinguir qual vinho terá capacidade de evoluir, envelhecer com qualidade ao longo do tempo. Mais não se preocupe com isso agora. Prove as safras novas, são mais frescos, frutados e fáceis de beber.   

5 – Uma boa forma de aprendizado é anotar e armazenar suas impressões das degustações, de forma simples, sem muita preocupação. Depois confronte com a descrição que a vinícola fez sobre o vinho na ficha técnica. Atualmente existe uma infinidade de aplicativos podem ajudar você nessa tarefa.

6 – Armazenamento adequado é fundamental. Cuidado com áreas da casa onde a temperatura é alta, especialmente na cozinha. O ideal é investir em uma adega climatizada, aonde a temperatura é controlada. Se você não condições no momento, procure um quarto escuro, fresco onde a temperatura se mantem constante durante todo o tempo. A temperatura acima de 16 graus acelera o envelhecimento do vinho.

7 – Reúna amigos e monte uma confraria. Compartilhe conhecimento, troque opiniões. A iniciativa é divertida, diminui o custo médio, além de proporcionar momentos de alegria e confraternização.

8 – Associe-se a um clube de vinhos. Em geral eles oferecem vários serviços e vantagens para o iniciante. A primeira e mais importante vantagem, é uma compra segura, afinal, normalmente um sommelier (profissional com experiência com vinho) avalia e aprova a amostra. Conheça mais vantagens e qual se associar > http://www.vivendoavida.net/?p=25531.

9 – Na hora da degustação algumas dicas são valiosas. A temperatura da bebida, deixar respirar e o tipo de tação são muito importantes. Sirva os tintos a 18C, brancos a 12C e espumantes a 8C. Transfira o liquido principalmente os tintos, para uma jarra e deixe respirar durante 1 hora. E por fim utilize uma taça transparente, de vidro fino, formada de haste e bojo ovalado. A taça ISO é a ideal por ser coringa, servindo para todos os tipos de vinhos.

10 – E por fim leve o assunto a sério. Afinal, ninguém sabe tudo sobre vinhos. São muitas informações, e elas estão em constantes mudanças. Vinho foi feito para relaxar e não para rivalizar.  Divirta-se!