Sempre falo que estar no lugar certo, na hora certa, faz toda diferença, rs. Por esses dias tive uma grande oportunidade de provar um dos melhores champagnes do mundo, Krug Clos du Mesnil brut Blanc de Blancs, cortesia do Marcão, proprietário da Cantina do Bacco. Um champagne diferente de todos que provei, com excepcional frescor, equilibrado, cremoso, cheio de vigor, com muita mineralidade e destacada nota de baunilha. Daqueles que enchem a boca sem perder a elegância.

O grand cru Le Mesnil-su-Oger é uma aldeia capaz de produzir vinho que podem ser únicos em todo seu esplendor mineral. Abrigado em seu coração está o vinhedo cercado Clos du Mesnil, um dos únicos nove clos oficialmente reconhecidos na Champagne, cuja orientação ao leste, suave declive e muros altos ajudam a garantir um grau extra de amadurecimento. Em apena 1,8 herctare, o vinhedo mais famoso de champagne tem o mesmo tamanho do vinhedo mais famoso do mundo – Romanée-Conti. Em ambos os casos, a combinação de excepcional qualidade e extrema raridade resulta em preços muito altos (R$ 7,500.00 na Cantina do Bacco); até pouco tempo atrás o Clos du Mensil foi o mais caro champagne posto no mercado, cerca de 1,000.00 dólares ou mais a garrafa.

O Clos existe desde 1968, mas a Krug adquiriu seu vinhedo somente em 1971, quando ela foi replantada. O primeiro Krug Clos du Mesnil foi em 1979, lançado em 1988 e classificado pelo especialista em champagne Tom Stevenson como um dos tres melhores champagnes dos útimos 30 anos.