Continuando pelo Vale do Colchágua, mais precisamente na cidade de Palmilla  a visita agora é na Maquis (El Bosque Sur 130 piso 14 - Santiago, Chile Telefone: + 56-2-3794500 Fax: + 56-2-3794581 – www.maquis.cl), um belíssima vinícola cercada pelo rio Tinguiririca e o Chimbarongo.

A história da propriedade sob o comando da família Hurtado Vicuña começou por volta de 1927, quando o jovem engenheiro Ignacio Hurtado decidiu construir uma adega de vinhos na fazenda. No entanto, o negócio era focado na venda de suas uvas, e somente anos depois, os proprietários tomaram a decisão de replantar os 135 hectares de vinhedos com bons clones de variedades tintas para produzir seus próprios vinhos, focados na qualidade, personalidade e o mais natural possível. 

O terroir é beneficiado pelo rio e o estuário, que estão em um nível entre quatro e oito metros abaixo da vinha e, portanto, não infiltram gerando umidade. Além disso, este diferencial agiria como uma drenagem natural da vinha para as partes mais baixas do terreno, especialmente porque alguns solos de profundidade são, principalmente, de cascalhos e pedras. Além do fato de que o curso de água são tão próximas às plantações, o que ajudaria também a manter as temperaturas máximas no local um pouco melhor do que o normal no vale durante a maturidade das uvas.

Desde 2005, a Viña Maquis passa por um processo de modernização ambiciosa, com a construção de uma nova adega com a mais alta tecnologia e da criação de uma equipe liderada pelo gerente geral Ricardo Rivadeneira Hurtado, Emily Faulconer como chefe de enologia e assessores franceses como Xavier Chone, que também presta consultoria a Chateau Yquem, Leoville Las Cases, Opus One entre outras. Sob a influência de Xavier as vinhas estão estrategicamente plantadas e cultivadas com irrigação mínima. A Carmenere é plantada nos pontos mais quentes e Cabernet Franc, grande expressão da vinícola, nas áreas mais frias. Vinhas com agricultura sustentável, a caminho da certificação orgânica.

Especialista Vinificação Jacques Boissenot, que presta consultoria para quatro dos cinco Premier Grand Cru Classé de Bordeaux – Chateaux Margaux, Lafite, Latour, e Mounton Rothschild , está no comando da equipe de enologia. Difícil de dar errado, não é? rs

 Em geral posso dizer que gostei muito dos vinhos, frescos, com menor teor alcoólico e com uma acidez equilibrada e natural, sem correções.


Hong Sup Kim (revista Adega), o enólogo Ricardo Rivadeneira e Silvestre Tavares.


Começamos com a linha de entrada da vinícola chamada de Calcu. No idioma indígena, Calcu significa “Mágico”. A linha se encontra hoje na www.buywine.com.br.

Calcu Sauvignon Blanc 2014 – R$ 40

  • Elaborado com uvas plantadas aos pés da Cordilheira, se mostrou refrescante com notas de verde maçã, peras, abacaxi e frutas cítricas. ST (87)

Calcu Cabernet Sauvignon Grand Reserva 2012 – R$ 40

  • Aroma intenso lembrando menta, frutas vermelhas e negras maduras, além de especiarias. Paladar de médio corpo, taninos presentes e acidez correta. Não encanta, mas tem personalidade. St (88)

Calcu Futa Cabernet Sauvignoin 2009 – R$ 100

  • Futa significa “magnífico” na língua indígena. Vinho top da linha Calcu, mostrou aroma bem integrado de frutas maduras, especiarias, baunilha e um leve vegetal. Paladar é estruturado, com taninos doces e presentes. Final longo e agradável. ST (90)


Partimos para linha premium da vinícola, que está sem importador no Brasil. Uma pena, são ótimos.

Maquis Rosé 2014 – U$$ 6

  • Um rosé elaborado 100% de malbec, com rápido contato com a casca, mostrando uma linda cor. O paladar é delicado, com ótima acidez, fruta limpa e levemente doce, mas nada que desagrade o paladar. ST (87)

Maquis Carmenére Reserva 2011 – U$$ 6

  • Exclusivamente Carmenére, apresenta aroma intenso de cravo picante e uma nota agradável de alecrim, além destacada fruta vermelha. Na boca, é fresco, com taninos doces e um sabor encorpado e persistente. ST (88)

Maquis Cabernet Franc Reserva 2011 – U$$ 6

  • Elaborado exclusivamente com a uva Cabernet Franc, mostrou taninos robustos, frutas vermelhas e negras, especiarias, concentrado sem ser enjoativo, ajudado pela acidez viva. Gastronômico. ST (89)

Maquis Lien 2010 – U$$ 10

  • Elaborado com uma mistura de 42% Cabernet Franc, 32% Syrah, 23% Carménère, 3% Petit Verdot, proveniente de vinhas que levam no máximo 12 cachos de uvas por planta, onde somente os mais maduros são colhidos. Depois de vinificado passa por 12 meses em carvalho francês. O resultado é um vinho estruturado, porem com o domínio de fruta fresca, boa acidez, dando todo suporte. ST (90)

Maquis Viola 2009 – U$$ 22

  • Elaborado com uvas dos melhores vinhedos na propriedade Maquis. Um vinho equilibrado, elegante, potente e complexo. Paladar com textura suave da Carménère, a principal uva do corte, complementada pela finesse e força da Cabernet Franc. Viola é de 85% Carménère, 15% Cabernet Franc. ST (92+)

Maquis Franco 2010 – U$$ 40

  • Com fama de melhor Cabernet Franc (100%) do Chile, Franco é o vinho ultrapremium da vinícola, que pode ser apreciado agora, ou para os mais pacientes o tem capacidade de evoluir ao longo dos próximos 20 anos. Um vinho rico, com muita concentração de fruta, equilibrado e de muita complexidade. ST (94+)