Texto publicado originalmente na coluna Vivendo a Vida | C2 + Prazer & Cia | Jornal A Gazeta

Não é simples entrar no Mundo de Baco. Todo consumidor de vinho sabe disso. A estrada é longa – repleta de taças – até se chegar ao posto de enófilo, como são chamados os amantes da bebida. Se você não aprecia vinhos, a dificuldade em ingressar neste universo deve ser o principal motivo. Ao contrário da cerveja, onde não há requintes de consumo (é só abrir a garrafa ou latinha, bem gelada de preferência), o vinho exige uma série de regras. A começar por abrir uma garrafa. É preciso um abridor especial, de nome saca-rolhas. Há vários tipos por aí. Com o instrumento em mãos, é preciso uma certa técnica para tirar a rolha sem quebrá-la. 

Vinho aberto, vem a dúvida: em que copo servir? O melhor é uma taça. E saiba que há uma para cada tipo de vinho, incluindo os vinhos borbulhantes, mais conhecidos como espumantes (ou champagne, se vier da região de mesmo nome na França). Antes de dar o primeiro gole, é aconselhável conferir a temperatura. Mais baixa (de 4ºC a 8ºC) para espumantes e vinhos brancos, mais alta (de 12ºC a 18ºC) para os tintos e fortificados.

Viu quantas etapas é preciso vencer para degustar um vinho? É ou não é complicado? E o pior, não acabou. Antes de cumprir todo este ritual, ainda é necessário comprar um vinho – tinto, branco, rosé, espumante, frisante, fortificado… E sabe quantos rótulos estão à venda somente em Vitória? Mais de 10 mil. Ou seja, em frente à adega de uma loja, na prateleira do supermercado ou, especialmente, com a carta de vinhos em mãos em um bar ou restaurante, as dúvidas são imensamente maiores do que as certezas. 

Pois foi pensando nestas dificuldades que o dinamarquês Heini Zachariassen, um grande apreciador de vinhos, começou a procurar uma saída que facilitasse a busca por conhecimento acerca da bebida de Baco. Ele convocou o amigo Theis Soendergaard e, juntos, decidiram criar uma ferramenta para auxiliar os amantes do vinho a obterem informações e compartilharem dados de forma rápida e fácil. Sem nenhuma complicação! Foi assim que nasceu o Vivino – o melhor e maior aplicativo de vinhos do mundo. 

A inspiração veio do IMDb Movies, maior site de cinema do mundo, uma espécie de “Google dos filmes”. O software exclusivo do Vivino, que chegou ao mercado há apenas dois anos, permite aos seus usuários identificar rapidamente um vinho, somente fotografando o rótulo com o smartphone. Para isso, basta baixar, gratuitamente, o aplicativo na App Store ou no Google Play.

A partir da identificação do rótulo praticamente imediata pelo programa são informados o nome do vinho, o produtor, a vinícola, a região, o país, as castas utilizadas, a safra, entre outras informações. Ainda é possível ler comentários, ver preços, descobrir os locais de comercialização dos rótulos e ter sugestões de harmonização. A grande sacada do Vivino é que ele é uma ferramenta ágil e ampla para aqueles que buscam saber quais vinhos as pessoas reais gostam e não o que os críticos de vinhos indicam.

O software possui uma adega virtual de 3,5 milhões de vinhos digitalizados. Com este imenso banco de dados – único no mundo – o aplicativo já contabiliza mais de 4 milhões de usuários e 50 milhões de consultas em todo o mundo. Só no Brasil são mais de 550 mil usuários. E isso que ele só é oferecido em inglês. É não, era! Esta semana o Vivino lançou a sua versão em português. Assim, a expectativa é ultrapassar a barreira de 1 milhão de usuários brasileiros até o final do ano. 

Hoje, o banco de dados do aplicativo possui, por exemplo, 23 mil rótulos brasileiros, mais de 150 mil chilenos e 134 mil argentinos. Estão inseridos no programa quase 150 mil vinícolas, 1.768 regiões produtoras de vinho, 55 países, 1.407 variedades de uvas e 1,5 milhão de avaliações. Os vinhos franceses, espanhóis, italianos, norte-americanos, chilenos e argentinos são os mais procurados. Entre as variedades de uvas, as mais populares são Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Merlot e Pinot Noir.

O Vivino possui um layout cor de vinho semelhante ao do Instagram. Seu funcionamento é super amigável. O aplicativo está totalmente conectado às redes sociais, permitindo aos usuários curtir e compartilhar seus vinhos no Facebook e no Twitter. A avaliação dos vinhos é uma das principais ferramentas apreciadas pelos enófilos. Isso porque cada rótulo da adega virtual do Vivino apresenta uma nota, advinda do cruzamento de pontos fornecidos pelos usuários que já consumiram o vinho. O sistema didático atua com a concessão de estrelas: 1 (Não gostei); 2 (Ok); 3 (Bom); 4 (Ótimo); e 5 (Sensacional). Através desta pontuação é que são feitos rankings dos vinhos preferidos pelos usuários.