Texto publicado originalmente na coluna Vivendo a Vida | Caderno Prazer & Cia | Jornal A Gazeta

Definir a qualidade de um vinho não é fácil. Deixando de lado o politicamente correto, em que prevalece a frase “vinho bom é aquele que você gosta”, é preciso experiência para que a bebida possa ser melhor compreendida e apreciada. Na maioria das vezes, esse ganho de conhecimento caminha junto com uma mudança no paladar. Quando você menos percebe, vinhos mais leves e equilibrados passam a agradar mais na taça.

Aproveito esse conceito para falar da experiência que tive ao provar os lançamentos e as novas safras da vinícola chilena De Martino. As novidades do projeto do enólogo Marcelo Retamal foram apresentadas recentemente em Vitória pelo gerente de exportação Cristian Castro Ubal e pelo representante da importadora Decanter no Estado, Júlio Antunes.

A De Martino começou a buscar um novo estilo em 2011, deixando para trás a imagem ligada a vinhos pesados e amadeirados – que agradam a críticos internacionais, como Robert Parker – para adotar o estilo de que falei acima, mais leve e equilibrado.

Na prática, essa mudança começa na escolha do terroir apropriado e no vinhedo, com a utilização somente de leveduras selvagens, encontradas na casca da uva (responsável pela fermentação da mesma), e com a colheita feita mais cedo. Assim ganha-se acidez natural e evita-se a adição de ácido tartárico. Consequentemente são abolidas uvas com maior concentração de açúcar, que tornam os vinhos mais alcoólicos. Tudo o mais natural possível.

A não utilização de barricas novas (225 litros) e a substituição gradual por foudres austríacos (com capacidade de 5 mil litros) é outro fator que leva ao equilíbrio. Como já foi dito aqui, quanto maior o recipiente, menor será o contato da madeira com o vinho, e menor e mais lento será o seu efeito no sabor da bebida.

A vinícola resgatou a uva Cinsault e a utilização de ânforas (tinajas), vasos de origem grega feitos de argila, utilizados no passado para armazenar alguns gêneros de consumo. Na elaboração de vinhos, esses utensílios preservam a característica original da fruta, sem máscaras, como são chamados os caldos que não passam por madeira.

Gallardía del Itata Cinsault Rosé 2012 | Eleito o melhor rosé de 2013 pelo Guia Descorchados. 100% de uvas Cinsault. Nariz delicado, com frutas vermelhas e toque floral. Ótima acidez. Fantástico com paella de mariscos. | Onde: Espaço DOC | R$ 65

Chardonnay Single Vineyard Quebrada Seca 2011|Muito aromático (mineral), possui textura cremosa (amanteigado) e ótima persistência. Vai bem com peixes gordos. Passa 12 meses em barricas antigas de carvalho francês. Onde: Ville du Vin | R$ 130

Cinsault Viejas Tanijas 2012 | 100% Cinsault, amadurece por sete meses em ânforas de argila centenárias. Fruta limpa, fresco. Combina com vitelo assado com ervas e especiarias, atum grelhado, rosbife e queijos de média cura. | Onde: Espaço DOC | R$ 100

Carménère Gran Reserva Legado 2011 | Aromas de cereja, cassis, menta e especiarias. Paladar com bom corpo, fresco e taninos finos e firmes. Vai bem com cordeiro (em preparações diversas) e com queijos duros. | Onde: Wine Vix | R$ 83,70


Cabernet Sauvignon Single Vineyard Las Águilas 2010 | Paladar aveludado, com notas de frutas negras e vermelhas, tabaco e balsâmico. Taninos redondos e acidez viva. Combina com queijos curados e carnes. | Onde: Espaço DOC | R$ 130

Syrah Gran Reserva Legado 2011 | Típico Syrah do Chile, amadurece por 14 meses em barricas velhas de carvalho francês. Especiarias e fruta escura. Longo. Vai bem com carnes e molhos pesados. | Onde: Adega Mariana e Carol | R$ 83

Armida 2008 |Para quem tem paladar apurado e dinheiro para se aventurar, esse é o top da vinícola. 100% Carmenére com potencial de guarda de 20 anos. Concentração e elegância andam lado a lado. Harmonize com carne de caça. | Onde: Wine Vix |R$ 350

Late Harvest Sémillon Legado 2004 (375ml) | Vinho de sobremesa 100% Sémillon. Paladar untuoso, ótimo dulçor, incrivelmente fresco. Notas de frutas secas, mel e casca de laranja. Divino, vai bem com torta de nozes. | Onde: Wine Vix | R$ 80