Amigos, começo hoje a falar sobre a “Press Trip” que participei a convite Associação dos Produtores de Vinhos Finos da Região dos Altos Montes (Apromontes) e Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale) com apoio da Associação Brasileira de Enologia (ABE).

Confesso ao saber que ia visitar a Terragnolo Vinhos Finos não levei fé. Mas, já deveria ter aprendido que a qualidade de um vinho se reconhece na taça. E foi o que aconteceu.

A história da vinícola Terragnolo iniciou com a vinda da família de Luigi Valduga ao Brasil em 1875, vindos de Terragnolo, província de Trento, ao norte da Itália, trazendo para o Vale dos Vinhedos, distrito de Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, as primeiras mudas de videiras, para produzir vinhos artesanais.


Vinícola de garagem


A arte de elaborar e apreciar um bom vinho passou de geração para geração. E foi assim que o bisneto Sandro Valduga (foto acima), que faz parte da quarta geração da família aliou o conhecimento herdado de seus antepassados às mais modernas técnicas de vinificação.


Por ser uma empresa familiar, tem como meta principal a elaboração de vinhos em pequenas quantidades, (cerca de 10.000 garrafas ano – com as uvas, Marselan, Merlot e Cabernet Sauvignon), além de sucos e geleias, possibilitando um maior cuidado, resultando em um produto final realmente diferenciado.

Seus produtos são vendidos principalmente para o consumidor final, nas melhores lojas, restaurantes e hotéis.


Além da vinícola, existe também uma pousada para atender os turistas.


A vinícola passa 100% dos seus vinhos por carvalho de primeiro uso francês.


Essa qualidade foi comprovada às cegas em uma degustação no Spa do Vinho, que botou lado a lado, Merlot do Novo Mundo x Velho Mundo, no qual o seu Merlot Top (R$120,00) com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos, com 24 meses em barricas francesas, participou.

Foi uma enorme surpresa. O vinho na taça apresentou características muito parecidas com os bons vinhos de Bordeaux da Margem Direita. Muito macio, rico em texturas e boa complexidade no nariz, quanto em boca, notas de violetas, frutas vermelhas e negras, madeira e especiarias. Bom frescor. Equilibrado. Apresentou uma relação harmoniosa entre a fruta, taninos, acidez e álcool. Tudo na medida. Um baita vinho como diz os gaúchos.

Endereço: Linha Leopoldina, km 6, Vale dos Vinhedos, 95700-000 Bento Gonçalves (Rio Grande do Sul)

Tel: 054 3453-1103