Coluna Vivendo a Vida publicada ontem, dia 21/09, no Caderno Prazer & Cia do Jornal A Gazeta

Bordeaux, na França, é o maior e mais importante distrito do mundo em produção de vinhos finos. Conta com mais de 10 mil vinícolas, e representa 25% das denominações no território francês. A qualidade e a tradição de seus produtores e de seus vinhos os tornaram uma referência para os enófilos. Mas, como escolher um bordeaux do seu gosto e que caiba no seu bolso? Para lhe orientar na compra, trago a seguir algumas dicas valiosas, de forma bem objetiva.

Corte 

Os tintos de Bordeaux resultam do chamado corte bordalês, composto de Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc. Além dessas castas, podem fazer parte da mistura, em pequenas proporções, a Petit Verdot e a Malbec.

Áreas de produção

Existem duas áreas distintas na produção de tintos em Bordeaux. Ambas passaram a ser chamadas de Margem Esquerda e de Margem Direita em referência ao estuário de Gironda. Os vinhos da Margem Esquerda (principais regiões: Haut Médoc e Graves Pessac-Léognan), terra da Cabernet Sauvignon, são geralmente austeros, tânicos, com sabor mais pronunciado de frutas. Normalmente, precisam de muitos anos de garrafa para se desenvolver.

Já os da Margem Direita (principais regiões: Saint-Émilion, Pomerol e Canon-Fronsac) são introdutórios, indicados para um apreciador novato de Bordeaux. Como são feitos em maioria de Merlot, são menos tânicos e mais ricos em texturas.

Qualidade

É importante notar se o vinho foi engarrafado no próprio castelo. O indicativo “Mis em Bouteille au Château” não é garantia de qualidade, mas ajuda. Veja se o vinho é classificado como A.O.C. (Appellation d’Origine Contrôlée), que garante qualidade pela seleção do terroir, das uvas, dos métodos de viticultura e dos processos de produção.

Brancos

Os brancos combinam Sauvignon Blanc (dá frescor) e Semillon (dá estrutura e longevidade). Alguns competem com Montrachets, famosos brancos da Borgonha. 

Safras

As boas safras mais recentes são 2000, 2005, 2009 e 2010.

Se você está estreando no universo de Bordeaux, começar com os de alto nível não faz sentido. Inicie pelos mais simples, para que possa desenvolver uma referência. Esse contraste o ajudará a entender a majestade dos grandes vinhos no futuro. 

A seguir, indico seis rótulos de entrada, com preços abaixo de R$ 60.

Château Bordeaux Montserat 2010 (R$ 35,90 no supermercado Extraplus)

Um corte de Cabernet Sauvignon, Melot e Cabernet Franc. Ligeiro, para beber sem maiores pretensão. Notas de frutas vermelhas. Bem satisfatório pelo preço. Melhora muito com comida, 13% de álcool.  

Château de Pitray 2009 (R$ 59,00 na Wine Vix)

Um corte de 75% Merlot e 25% Cabernet Franc. Aroma complexo, com boa fruta e especiarias. Taninos macios, acidez adequada e equilibrada. Bem típico. Agradou na taça. 13,5% de álcool.

Château La Motte 2009 (R$ 54,00 na Grand Cru)

Nariz agradável, paladar macio em virtude de sua predominância da Merlot (87%) e 13% Cabernet Sauvignon. Boa acidez, fácil de beber e de agradar. 14% de álcool.

Château de Macard 2009 (R$ 58,00 na www.buywine.com.br)

É macio, boa textura, pronto para beber, com certa complexidade e imponência. Outro em que a Merlot domina com (80%), 10% Cabernet Franc e 10% Cabernet sauvignon.  13,5% de álcool.

Château les Millaux 2009 (R$ 45,00 no Zanata Wine Srore)  

Aroma demorou a abrir, apresentando nota de frutas. Melhor na boca. Estilo mais austero, taninos firmes. Ideal para acompanhar um churrasco. Pode melhorar um pouco com o tempo, mas já está pronto. 85% Merlot, 10% Cabernet Franc e 5% Cabernet Sauvignon  - 13,5% álcool

Barton & Guestier Passeport Rouge 2011 (R$ 60,00 na www.wine.com.br)

Aroma agradável, com toques de frutas vermelhas e especiarias. Um vinho simples, mas agrada de início ao fim. Macio, com taninos finos e persiste bem em boca. 12,5% de álcool.