A importadora Vinho Sul promoveu esta semana, dia 19, um jantar harmonizado com a presença do enólogo português Carlos Lucas, premiado especialista em vinhos, que pela primeira vez desembarcou em Vitória para apresentar a sua linha de vinhos do Douro, Baton e Tom de Baton, vinícola Terroir de Origem. 

O local escolhido foi o restaurante Pier, anexo a loja de vinhos Ville du Vin. Por lá, o serviço do vinho a cargo de Boris Azevedo, sommelier do restaurante, é garantido.

A localização da vinícola Terroir d’Origem é um de seus pontos fortes, determinando muito da sua qualidade. A região do Douro, em Portugal, é nada menos do que a região demarcada para a produção de vinhos mais antiga do mundo, e sua grande tradição e beleza são reconhecidas até pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade. O clima temperado e o solo de xisto são ideais para a produção de vinhos finos, de sabor e requinte únicos. O outro ponto forte da vinícola é o seu trabalho. Cultiva vinhas de diferentes castas, com 50 e 15 anos, possui uma adega com características tradicionais combinados com técnicas e equipamentos modernos de produção, e sua paixão e dedicação pelo vinho impulsionam toda a produção.

Conversando com Lucas, me falou sobre a sua opção por criar vinhos, frutados, frescos, fáceis de beber. Assim agradando ao consumidor final e não apenas aos especialistas em enogastronomia.

Os rótulos da linha Baton e Tom de Baton são desenvolvidos na região do Douro, a mais antiga área demarcada para a produção de vinhos do mundo. A pequena adega na qual são elaborados os rótulos dispõe de dois lugares tradicionais, além de modernos equipamentos.

Perguntei a ele sobre o porquê do nome Batom. Foi criado pensando no marketing, uma forma alegre de ver dois lados. O primeiro da beleza, alegria, charme, representando um batom feminino. E depois Baton faz referencia ao bastão usado para o “batonnage”em português “batonagem”, técnica de vinificação agitação das borras, quando ainda estas estão em contato direto com o vinho.

Vinhos degustados:

Tom de Baton Branco Douro 2010 – 13,7% – Douro – Viosinho, Códega, Malvasia Fina, Gouveio e Rabigato – ST (86) – R$ 71,00

  • Visual amarelo esverdeado, aroma de frutos tropicais, limão, pêssego e abacaxi. O paladar é seco, cítrico, mineral, com acidez adequada e equilibrada, com final bem refrescante.

Baton Branco Douro 2010 – 14,1% – Douro – Viosinho, Rabigato e Gouveio – 4 meses em barricas de carvalho francesa de primeiro uso – ST (91) – R$ 115,00

  • Visual amarelo palha, de média intensidade, aroma de tostado e mineral muito elegante, acompanhado de um fundo frutado. Na boca mostrou bom corpo, com boa acidez e longo com as notas de madeira, manteiguinha. Revelou grande estrutura e equilíbrio compatível com o merecido destaque.

Tom de Baton DOC Douro Tinto 2009 – 13,5% – Douro – Touriga Nacional 30%, Tinta Barroca 30%, Tinta Francisca 15%, Tinta Roriz 15%, Touriga Franca 10% – ST (88)
- R$ 76,00

  • Rubi com reflexos violáceos de boa intensidade. Frutas vermelhas, floral e toque mineral. Na boca mostrou bom equilíbrio entre a acidez e a carga tânica de boa qualidade, taninos redondos, com persistência média. Vinho elegante e fácil de tomar.

Baton DOC Douro Tinto 2008 – 14,6% – Douro – Touriga Nacional 40%, Tinta Roriz 30%, Tinta Barroca 20%, Tinta Francisca 10% – 8 meses em barrica francesa de primeiro uso – ST (90) – R$ 126,00

  • Coloração rubi de média intensidade, no aroma mostra frutas vermelhas e negras em compota, toques minerais juntamente com notas florais sobre um fundo de baunilha e tostado. Corpo médio, taninos finos, boa acidez conferindo bom frescor apesar dos 14,6% de álcool.

Risoto bourguignon 

Sobremesa divina!

Evelize Calmon (A Gazeta), Simey Santos (Enótria) e Don Oleári (Jornalista)

Sidney Santiago (Gerente geral Ville du Vin), Carlos Meneguel (Vinhos Sul/ES) e Simey Santos

Ganhei um autografo na minha garrafa, hehehe!

Curta a pagina do Blog Vivendo a Vida no Facebook