Depois de degustar umas 20 garrafas no mínimo até hoje do Domus Aurea, posso dizer que é um vinho com impressão digital, uma personalidade bastante definida. Praticamente se entrega na taça, sendo reconhecido às cegas facilmente.

A vinícola surgiu com o objetivo de produzir vinhos diferenciados pela qualidade na década de 90, quando os irmãos Ricardo e Jorge Peña, donos de um antigo vinhedo de 36 hectares, plantado com Cabernet Sauvignon, associaram-se a Ignácio Recabarren, um dos enólogos mais renomados do país andino. Recabarren ficou conhecido ao ganhar um prêmio internacional instituído na França pelo guia Gault Millau, com um Cabernet Sauvignon chileno da safra de 1984.

Depois, tornou-se consultor de importantes vinícolas, participando da renovação que colocou o vinho do Chile entre os grandes do mundo. Ele também foi um dos primeiros a descobrir as virtudes do Vale de Casablanca, hoje uma das regiões vinícolas mais promissoras do país.

Em 1996 a Clos Quebrada de Macul lançou com sucesso seu primeiro tinto premium, o Domus Áurea, elaborado com predominância da uva Cabernet Sauvignon e uma pequena porcentagem de Cabernet Franc e Merlot. Para chegar a esse resultado, Recabarren fez um planejamento rigoroso, para tirar todo proveito do terroir. Ele contava com parreiras boas, com idade entre 12 e 30 anos, e seu primeiro cuidado foi reduzir a produção de cachos, mantendo a média de 30 hectolitros por hectare – duas a três vezes menos que a média adotada por vinícolas dedicadas a tintos e brancos de estilo mais popular.

Em 2003, Patrick Valette e Jean Pascal Lacaze se juntou a Domus Aurea como consultor e enólogo residente.

Avaliação Pessoal: ST (91) – Viña Quebrada de Macul Cabernet Sauvignon Domus Aurea 1998 – Chile – Vale do Maipo – Cabernet Sauvignon 100% – Álcool: 14,5º

Visual rubi translúcido com discreta tendência ao tijolo. Nariz mostra sua “impressão digital”, ou seja, goiabada, mentol, eucalipto e todas aquelas notas acentuadas de um genuíno exemplar do Domus Aurea. A boca confirmou o nariz com taninos macios, boa acidez e média. Apesar de ter gostado muito, oriento a todos degustarem logo.

Curta a pagina do Blog Vivendo a Vida no Facebook