Semana passada, abri uma das quatro garrafas do Angelica Zapata Malbec Alta 2002 que comprei na importadora Mistral três anos atrás. Estava curioso para verificar a sua qualidade.

É um Malbec produzido para o mercado interno argentino, onde é cultuado e esgota-se rapidamente, alcançando preços estratosféricos em safras antigas. As uvas vêm de vinhas selecionadas, plantadas em grande altitude, com rendimentos muito baixos, que resultam em um vinho muito complexo e exuberante, com excelente presença de boca e enorme capacidade de envelhecimento.

É composto de um blend de uvas Malbec provenientes dos vinhedos de: Angelica (860m), La Pirámide (940m), Altamira (1.180m) e Adriana (1.500m). Estagiou por 18 meses em carvalho francês 50% novo.

Avaliação Pessoal: ST (92+)

Visual ainda escuro, com pequeno sinal de evolução, sem sedimentos. Os aromas remetem a ameixa em calda, fumo, baunilha, própolis e madeira nobre. O paladar é gordo, sabores confirmando o nariz, boa acidez, álcool imperceptível, taninos de excelente qualidade e sem nenhuma adstringência. Muito longo e sedoso. Acredito que vai evoluir bem, ainda novo.