“Produtor do Ano 2009″ na Revista de Vinhos, Júlio Tassara Bastos sustenta duas convicções: que tem em mãos a mais bela quinta da região de Estremoz no Alentejo, presente do rei D. João V à sua amante Dona Maria, denominada na altura Quinta do Carmo; e que nela pode elaborar alguns dos melhores vinhos de Portugal, num estilo de potência arrebatadora, porém gloriosamente frescos e minerais. Ao desfazer a sociedade com a Domaines Barons de Rothschild, Júlio não hesitou, reequipou a adega que produzia vinhos há 130 anos e comprou vinhas com 40 anos de idade. Chegou ao topo novamente, agora para ficar.

O clima da região é temperado com características mediterrâneas e continentais, caracterizado por primaveras e verões excessivamente quentes e secos. A precipitação anual é de 500-650mm, concentrando-se sobretudo nos meses de inverno. Os valores relativos à insolação são muito elevados, particularmente no trimestre que antecede as vindimas, contribuindo para a perfeita maturação das uvas e qualidade dos vinhos.

Solos predominantemente argilo-calcários, ricos em minerais (xisto, granito e mármore). Uma característica peculiar dos vinhedos é que não são irrigados, submetidos então com freqüência a um stress hídrico controlado. O que colabora para obtenção de cachos menores, em baixos rendimentos e com alta concentração de extrato e acidez.

Avaliação Pessoal: ST (87) = Muito bom

Vermelho vibrante, aromas de frutas em compota, negras e vermelhas, floral, especiarias e um leve vegetal. O paladar tem médio corpo, acidez equilibrada, taninos macios, madeira integrada, com retrogosto frutado finalizando com boa persistência.

Portugal – Alentejo – Borba – Estremoz – 30% Syrah, 30% Petit Verdot, 30% Cabernet Sauvignon, 10% Touriga Nacional. – 14,5% alc – Importador Decanter