Mais um vinho degustado na confraria no final de semana. Desta vez falo um pouco do Clos Figuers Priorat 2000, um Espanhol da região do Priorat, elaborado pela vinícola Clos Figueras, com as uvas Garnacha, Carinena, Syrah, e Mourvedre. Passa por microvinicação em barricas de carvalho de 500 litros e depois descansa por 13 meses em barril de carvalho de 225 litros. Um dos vinhos preferidos do meu amigo Robert Parker…rsrsrs.

A região do Priorat é a segunda menor DO da Catalunha, mas tem uma das melhores reputações. Montanhosa, inacessível, é uma das regiões novas ótimas para o vinho tinto, localizada no norte da Espanha.

A primeira evidência registrada de cultivo da uva e a produção de vinho datam do século 12, quando os monges da Cartuxa Mosteiro de Scala Dei, fundada em 1163, introduziu a arte da viticultura na região.

No final do século 19, a Filoxera praga
que devastou as vinhas causando a ruína econômica ea emigração em grande escala da população. Antes da filoxera atingiu, Priorat é suposto ter tido cerca de 5.000 hectares (12.000 acres) de vinhedos. Não foi até 1950 que foi realizado replantio. O Priorat DO foi formalmente criado em 1954. A sede do órgão regulador do DO foi inicialmente Reus, cerca de 30 km a leste do vinho-região, ao invés de Priorat. Na década de 1985, a produção de vinho a granel foi extinto e engarrafamento de vinhos de qualidade.

Avaliação Pessoal: ST (90) = Muito bom

Visual levemente evoluído, aromas que demoraram a aparecer de frutas vermelhas, herbáceo e floral. O paladar apresentou médio corpo, acidez pronunciada, fresco, redondo e equilibrado. Faltou aquele encanto esperado, acredito uma maior intensidade, afinal é um vinho caro, com uvas que tem características de grande evolução. Talvez tenha sido ofuscado pelos concorrentes na mesa, mais expressivos.

Espanha – Priorat – 14,5% – Grenache e Carignan (80%), Syrah, Mourvedre e Cabernet Sauvignon – Importador Mistral: 335,00 safra atual