Uma das diversões preferidas dos degustadores de vinho é a degustação às cegas. Antes que você pense em salas escuras, degustadores vendados ou outras formas de masoquismo, vou logo explicando que os degustadores não são cegos (rsrsrs), ás garrafas que são. Ou, de qualquer formas as garrafas tem seus rostos cobertos.

Em uma degustação cega, quem está participando não sabe o que está provando. A teoria por trás deste exercício é que conhecer a identidade dos vinhos pode fazer com que os degustadores prefiram ou ao contrario de um determinado vinho por sua reputação (nome, preço, nota…) e não pelo que está sentindo realmente na taça. Às vezes, degustadores extremamente habilidosos fazem degustações às cegas de vinho e tentam identificá-los, assim melhorando o seu conhecimento sensorial.

Se você não conhece o suficiente sobre vinhos para ser questionado pelos rótulos, não há muito motivo para praticar este teste. No entanto, tem alguma coisa na degustação às cegas que realmente ajuda focar sua concentração naquilo que está provando; e é sempre uma boa prática!

Já tive diversas experiências pessoais aonde vinhos mais baratos de países que sofrem preconceito como o Brasil ganharam de vinhos de grande reputação. Pratique é terá grandes surpresas!