Semana passada, junto a um grupo de apreciadores da bebida de Baco provei dois rótulos da Bodegas Campiña, Espanha.

Os vinhos tem um custo x beneficio real, além de notas relevantes de Jay Miller responsável pelas avaliações dos vinhos espanhóis para E- Robert Parker.

A região do Toro vem se destacando depois de anos perdidos, aonde se recupera apoiado na explosão dos vinhos espanhóis.

O clima quente e o Solo liberam características únicas aos seus vinhos, que se apresentam potentes e tânicos, diferente dos demais vizinhos. A uva Tempranillo é a mais plantada e importante na região, assim determinado pela D O (denominação de origem do Toro), 75% da Tempranillo na composição do vinho.

Os vinhos são importados pela Grand Cru no Brasil, que podem ser encontrados em vitória na sua franquia local.

Sabor Real /Jovem 2008
– 100% Tempranillo – Toro – 14,5% Alc – ST (90) RP (90) – R$ 35,00 – Grand Cru

Visual preto com borda roxa, aromas de frutas maduras escuras, amora, cereja, café e um toque mineral. O paladar confirma a boca mostrando muita fruta, taninos firmes, acidez presente com boa qualidade e uma persistência media+.

Sabor Real / Viñas Centenárias 2007 – 100% Tempranillo – Toro – 14% Alc – ST(89) RP (91) –R$ 49,00 – Grand Cru

Visual escuro, aromas de fumaça, terra, frutas vermelhas e carvalho leve. No paladar mostrou taninos macios, acidez presente, retrosto frutado, álcool não aparente e um bom final de boca.