R. López de Heredia Viña Tondonia Gran Reserva 1991 branco e 1994 tinto

R. López de Heredia Vina Tondonia é a mais tradicional vinícola da Rioja, na Espanha, e uma das mais especiais do mundo. Ela permanece fiel aos ensinamentos de vinificação de Don Rafael López de Heredia y Landeta que fundou a vinícola em 1877. Seus vinhedos foram plantados em 1913, quando foram adotadas práticas de envelhecimento em tonéis de carvalho de diversos tamanhos e mistura de safras (até ao máximo de 15%). É a única na Espanha, que atualmente produz de forma artesanal os barris usados ​​nos seus vinhos.

O resultado são vinhos particulares, expressando o máximo de seu terroir, e uma inacreditável capacidade de guarda. A casa mantém vinte safras diferentes em suas adegas, esperando a libertação para o mercado, que geralmente acontece dez ou mais anos após a vindima. 

Já provei seus vinhos várias vezes ao longo dos anos, mas infelizmente não tive ainda a oportunidade de provar na vinícola, na mítica cidade de Haro, capital de La Rioja Alta. A experiência mais recente foi com os Gran Reserva 1991 branco e 1994 tinto. Veja a minha opinião abaixo: 

1991 R. Lopez de Heredia Vina Tondonia Gran Reserva branco – R$ 800 – www.vinci.com.br

  • Elaborado com 85% Viúra e 15% Malvasia e 6 anos em barricas de carvalho e mais 6 anos na garrafa e 12% graduação alcoólica, mostrou na taça aromas de amêndoas, camomila e de mel, com paladar equilibrado e surpreendentemente fresco, com notas minerais e de frutas, com destaque para pera. Vinho de meditação!

1994 R. Lopez de Heredia Vina Tondonia Gran Reserva tinto – R$ 800 – www.vinci.com.br

  • Elaborado com uvas Tempranillo, Garnacho, Mazuelo e Graciano, amadurecimento por 6 anos em barricas de carvalho, mais 5 ou 6 anos em garrafa antes de ser comercializado e 12,5% de graduação alcoólica. Na taça este Rioja clássico mostrou excelente equilíbrio, com carvalho perfeitamente integrado, nariz complexo, terroso, frutos escuros com boa acidez e taninos delicados. Muito bom, porém sou branco futebol clube!

Adega Cartuxa se pronuncia sobre o caso do Pêra-Manca falsificado

Como noticiado ontem, aqui no Blog Vivendo a Vida, a Fundação Eugénio de Almeida – Adega Cartuxa, foi alvo de falsificadores com o seu ícone Pêra-Manca tinto – veja aqui.

No dia de hoje 27/07/2016 a vinícola emitiu um comunicado oficial em seu site sobre o ocorrido e quais atitudes está tomando para dificultar a vida dos falsificadores.

Segue o comunicado na íntegra:

“No seguimento do comunicado ontem emitido pela ASAE sobre a apreensão de cerca de 1700 garrafas de vinho Pêra-Manca tinto da colheita de 2010 com rótulos, contra-rótulos e cápsulas contrafeitas, cabe à Fundação Eugénio de Almeida – Adega Cartuxa esclarecer o seguinte: 

Já não é a primeira vez que a Adega Cartuxa se vê confrontada com a tentativa de falsificação do seu vinho topo de gama, o Pêra-Manca tinto, e nesse sentido sempre colaborou com os órgãos de investigação criminal.

Já em 2013, uma investigação da ASAE levou à apreensão de garrafas falsas de Pêra-Manca tinto, no freeshop do Aeroporto de Lisboa. Esta operação foi denominada pela ASAE ‘Operação Premium’ e terá terminado em janeiro de 2015 por não terem encontrado mais vinhos falsificados. 

Quando a Adega Cartuxa se deparou com este tipo de tentativa de fraude, iniciou um estudo que conduzisse a uma forma eficaz de evitar a falsificação do seu rótulo e das suas garrafas. 

Este trabalho culminou numa colaboração com a Imprensa Nacional Casa da Moeda que em conjunto desenvolveram um selo que garante a autenticidade do vinho.

Este sistema consiste num selo que é colado de forma a abraçar o gargalo de cada garrafa ao nível da cápsula, não permitindo que esta seja retirada sem danificar o selo. Neste selo é impresso um holograma com uma imagem alusiva à marca e não é possível reproduzi-lo, mesmo em gráficas sofisticadas. O número do selo é único e não sequencial.

Como funciona? 

Adquirida a garrafa, o consumidor deve ir sítio da internet da marca (www.cartuxa.pt) e apenas em três passos fazer o seguinte: 

1 – Introduzir o código presente no selo de autenticidade; 

2 – Introduzir os dados do consumidor (nome, email e país), carregar em validar e automaticamente será autenticado pelo sistema; 

3 – Descarregar a ficha técnica do vinho Pêra-Manca tinto 2011, a útima colheita de Pêra-Manca tinto, e a primeira a ter este sistime inovador de autenticidade, onde lhe aparecerá a identificação do seu código de autenticidade, que corresponde ao número que está no selo. 

Recorde-se que este selo foi usado pela primeira vez na colheita do Pêra-Manca tinto 2011. Este selo permite validar a autenticidade de cada uma das 31.665 garrafas lançadas no mercado em finais de 2015. Este sistema de inviolabilidade continuará a ser utilizado nas futuras colheitas.

A Fundação Eugénio de Almeida, considera mesmo, a extensão deste sistema contra falsificações, a outras marcas do seu portefólio. 

José Mateus Ginó, Administrador Executivo da Fundação Eugénio de Almeida, admite que “perante as tentativas de práticas fraudulentas no setor, nomeadamente a falsificação de vinhos topo de gama, importa conceber métodos fiáveis que permitam assegurar essas situações e, acima de tudo, proteger o consumidor de fraudes ou falsificações garantindo-lhe a autenticidade do vinho que adquire”. O mesmo responsável sublinha ainda que “a Adega Cartuxa tem procurado seguir uma estratégia de investigação que evite a falsificação dos seus vinhos’. Esta estratégia culminou em finais de 2015 com o lançamento da mais recente colheita de Pêra-Manca tinto, a de 2011, já com o referido selo de garantia.  

‘Embora este selo tenha sido utilizado pela primeira vez na colheita de 2011 – lançada para o mercado no final de 2015 – a Fundação Eugénio de Almeida sempre teve preocupações com a contrafação. Tanto assim que para dificultar tentativas de imitação elegeu para este vinho, lançado apenas em anos excecionais, uma garrafa bordalesa troncocónica, utilizada apenas para vinhos topo de gama. Optou por numerar todas as suas garrafas e escolheu um papel para os seus rótulos com uma textura e coloração exclusivas. Esta solução permitiu a que qualquer tentativa de imitação tenha resultado sempre em cópias grosseiras’, relembra José Mateus Ginó, Administrador Executivo da Fundação Eugénio de Almeida.

Esta solução permitiu ao consumidor, mesmo ao mais incauto, distinguir por simples exame visual a autenticidade da garrafa. No entanto, a Fundação Eugénio de Almeida procurou, com este selo, introduzido na ultima colheita, dar totais garantias ao consumidor.

Desde o seu lançamento, em 1990, apenas saíram para o mercado 13 colheitas de Pêra-Manca tinto: 1990, 1991, 1994, 1995, 1997, 1998, 2001, 2003, 2005, 2007, 2008, 2010 e 2011.

Na Fundação Eugénio de Almeida e na sua Adega Cartuxa todas as colheitas de Pêra-Manca tinto anteriores à de 2011 estão esgotadas.”

Vila Nova de Gaia, em Portugal, ganha novo centro de enoturismo

Após meses de reestruturação e modernização, a Taylor´s anuncia a abertura de seu novo Centro de Visitas, localizado no coração da zona histórica de Vila Nova de Gaia, de frente a cidade do Porto. Um passeio pelo complexo e delicioso mundo do Vinho do Porto e da Taylor´s que proporciona ao turista uma experiência inesquecível.


Para Adrian Bridge, diretor-geral da Taylor’s, a empresa sentiu a necessidade de oferecer aos mais de 100 mil visitantes anuais um outro tipo de experiência, mais adaptada ao século XXI e que se destaque dos outros 16 centros de visita às caves de vinho do Porto que estão por perto.  Para isso, a empresa investiu mais de um milhão de euros nas novas instalações.


A visita custa 12 euros e está disponível em áudio-guia em cinco idiomas: inglês, espanhol, francês, alemão e português; e leva os turistas através das caves que abrigam os antigos tonéis e mais de 1.500 pipas, onde envelhecem os vinhos do Porto antes da comercialização. Cada visitante ficará livre para escolher quanto tempo deseja dedicar às 11 áreas em que se divide o tour completo: o percurso rápido leva 20 minutos e o completo pode levar até duas horas.


O tour começa pela história da marca, criada em 1692, contada por áudio, fotografias e vídeos. Os visitantes percorrem os túneis que abrigam a lendária coleção de vintages da Taylor´s, alguns com mais de dois séculos. Estas garrafas especiais encontram-se deitadas umas sobre as outras e repousam neste local até atingir a maturidade perfeita. Um dos pontos altos da visita é a garrafeira Vintage, que abriga uma das mais raras coleções de vinhos do Porto Vintage.


Uma verdadeira viagem ao universo do vinho do Porto. Após este trajeto, os visitantes seguem para a sala de degustação, local onde podem provar o Taylor´s Chip Dry e o Taylor´s Late Bottled Vintage, sempre com os comentários de um expert da empresa. Para os que desejarem uma degustação mais completa, com inclusão de outros vinhos e até mesmo com alguns snacks e chocolates para harmonização, um novo valor é cobrado.



Adrian Bridge destaca: “Sentimos que estava na hora de atualizar a nossa visita usando tecnologia moderna. O áudio tem conteúdo para uma visita de duas horas para os turistas que desejarem ver e aprender tudo o que puderem. No entanto, muitos vão preferir ir mais rapidamente para a sala de provas, onde têm acesso a uma ampla gama dos nossos vinhos do Porto”

Centro de Visitas Taylor´s

Horário: 10:00 às 19:30pm (última visita começa às 18:00)

Entrada: 12€ por pessoa

Rua do Choupelo nº 250, 4400-088 Vila Nova de Gaia

www.taylor.pt

No Brasil, os vinhos Taylor´s são importados e distribuídos pela Importadora Qualimpor.

www.qualimpor.com.br

Morre em Bordeaux o enólogo Denis Dubourdieu (1949-2016)

Professor da Faculdade de Enologia de Bordeaux há mais de 30 anos, Denis Dubourdieu foi um dos mais respeitados pesquisadores e enólogos da sua geração. Aclamado pela crítica e reverenciado por seus pares, deixa um inestimável legado às atuais e futuras gerações de produtores e estudiosos do vinho. Figura carismática e de inquestionável sabedoria, tanto na área de pesquisa quanto na de produção de vinhos, formou grande parte dos mais renomados enólogos da França e do mundo. Trabalhou em importantes chateaux na França, como Margaux, Yquem, Cheval Blanc, entre outros no Velho e Novo Mundo. Ele foi considerado um dos melhores especialistas de vinificação e envelhecimento de vinhos brancos.

Esteve no Brasil em duas ocasiões, onde deixou centenas de amigos e admiradores. Uma perda irreparável para o vinho.

A Casa Flora e a Porto a Porto, seus importadores oficiais no Brasil.

1700 garrafas do vinho Pêra Manca falsificado são apreendidas

A Autoridade de Segurança Econômica e Alimentar de Portugal anunciou a apreensão de mil e setecentas garrafas de vinho falsificado. É a maior apreensão em Portugal de garrafas da marca Pera Manca, um dos vinhos mais conceituados do país. As garrafas teriam como principal destino o mercado de vendas on-line e seriam distribuídas a nível mundial. Cada garrafa custa 100 euros, mas as da safra 2010 podem chegar aos 350 euros. O negócio renderia aos falsificadores cerca de 500 mil euros. Se liga aí meu povo…

Assista ao vídeo – aqui

Movimento dos Vinhateiros Independentes do Chile (MOVI) estará pela primeira vez em São Paulo | 10 de agosto

O Movimento dos Vinhateiros Independentes do Chile, MOVI, estará pela primeira vez em São Paulo para apresentar seus vinhos e a história por trás de cada um deles.

Com a participação dos donos das vinícolas, o MOVI organizará uma grande degustação no dia 10 de agosto, MOVI NIGHT SP, no Espaço de Eventos Traffô, localizado na Vila Olímpia.

A expectativa é que cerca de 250 pessoas, entre jornalistas, sommeliers, distribuidores e profissionais do Vinho. Será uma grande oportunidade, com a degustação de vinhos de 32 vinícolas distintas. E para acompanhar, muita música e deliciosos food bikes.

MOVI – Movimento de Vinhateiros Independentes do Chile – www.movi.cl – é uma associação produtores chilenos, que desde 2009, compartilha da mesma paixão e pensamento: produzir vinhos com grande qualidade, em produções limitadas, de forma livre, sustentável e refletindo a personalidade do terroir local. Seus vinhos podem ser chamados de Vinhos de Autor ou Vinhos de Garagem. É uma alternativa aos grandes produtores de vinhos do Chile. Para isso, eles se esforçam em divulgar sua mensagem, e mostrar vinhos em que a personalidade do produtor e do solo está em cada garrafa.

Dia 10 de agosto às 19h na Rua Gomes de Carvalho, 560, Vila Olímpia, São Paulo.

Confirmação de sua presença até o dia 28 de julho através do email .

Romanée-Conti não é mais o vinho mais caro do mundo

O site especializado em leilões de vinhos raros Idealwine, acaba de informar uma mudança importante no ranking dos vinhos mais caros do mundo “vendidos em leilões”. O Hermitage La Chapelle 1961 da casa Jaboulet Ainé ultrapassou o Domaine de La Romanée-Conti. O leilão do Hermitage foi muito disputado e atingiu 13320€ e foi arrematado por um enófilo austríaco. Relatório atualizado com as informações do 1º semestre 2016.

Vitória Wine Music chega à 3ª edição repleto de novidades para os amantes de vinho e música

História, ciência e fé comprovam que o vinho e a música foram feitos para andarem juntos. Desde a época de Dionísio e Baco, o dueto aguça os sentidos e sentimentos e, segundo estudiosos, a música influência no sabor do vinho.

Essa combinação, que encanta, apaixona e aproxima pessoas, é o conceito do Vitória Wine Music. A terceira edição do evento acontece no dia 11 de agosto com elementos especiais: além da noite de Lua Cheia, a paisagem privilegiada do Canal de Vitória.

Serão mais de 70 rótulos, entre tintos, rosés, brancos e espumantes do Velho e Novo Mundo, de 15 importadoras: Adega Alentejana, Rio Sol, Ervideira, Ravan, Vitória Foods, Carone, Famiglia Zanlorenzi, Garibaldi, Casa Perini, Chandon, Salton, Obra Prima, Intercom, Bacalhoa, Costazzurra, Wine, Mistral, Manz Wine. A noite ainda contará com a participação da Cervejaria Bruder, com as opções de cerveja red, pilsen e de trigo, e da Água San Lorenzi.

Na parte gastronômica, os participantes do evento desfrutarão de uma mesa especial de frios e pães oferecida pela Seara, Polengui, Tutti Pane, Gran Mestri e Queijo São Vicente. Além disso, os restaurantes Canto do Vinho e Pier Aleixo servirão finger foods exclusivos para o evento.

A música da noite será comandada pela banda Finest Hour, com o melhor do Jazz e Blues, e pela Dj Jess Benevides.

Os 300 convites para a terceira edição do Vitória Wine Music são all inclusive e estão à venda por R$ 180,00 na Adega Canto do Vinho, Pier Aleixo Restaurante, Adega Rei do Vinho, Zanatta Wine Store e na Wine Store do Carone de Santa Lúcia.

O evento é uma realização dos empresários Leonardo Freitas e Vanderlei Martins com o patrocínio da Atlantica Hotels, Land Vitória e Samp. O apoio é da Adega Canto do Vinho, Pier Aleixo Restaurante e As Meninas Locações.

Serviço: Vitória Wine Music – 3ª edição

Data: 11 de Agosto de 2016, a partir das 19h30

Local: À beira do Canal de Vitória – Rua Aleixo Neto, nº 1702, Praia do Canto – Vitória, ES

Convites Individuais All Inclusive: R$ 180,00

Pontos de Venda: Adega Canto do Vinho, Pier Aleixo Restaurante, Adega Rei do Vinho, Adega Oswaldo Porto, Zanatta Wine Store e na Wine Store do Carone de Santa Lúcia

Informações: (27) 3314-4070

facebook.com/vitoriawinemusic

Catad’Or Wine Awards Santiago de Chile 2016 premia quatro espumantes brasileiros

Grande competição chilena de vinhos, o Catad’Or Wine Awards Santiago de Chile 2016, ocorrido em Santiago, de 4 a 11 de julho, teve a categoria especial Los Espumantes de Cono Sur, que avaliou espumantes da Argentina, Brasil e Chile. E das 87 amostras de espumantes avaliadas por júri internacional, quatro reafirmaram ao mundo a qualidade da produção brasileira.

O Catad’Or Wine Awards Santiago de Chile é a competição anual de vinhos com maior trajetória no país, somando 21 anos de existência. Patrocinado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), é focado em produtores e exportadores chilenos, mas desde 2015 também avalia os espumantes dos países do Cone Sul. Neste ano, o grande destaque foi para o Casa Valduga Reserva Espumante Brut 2012, da vinícola Casa Valduga Vinhos Finos, que recebeu o troféu especial “Mejor Espumante del Cono Sur”.

O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Edegar Scortegagna, esteve no evento representando o Brasil e destaca a importância de participar de concursos e avaliações de vinhos. “Os espumantes brasileiros já são reconhecidos no mundo inteiro por sua crescente qualidade e não poderia ser diferente desta vez. Acredito que um concurso como este, do qual participaram somente argentinos, chilenos e brasileiros na categoria espumantes é de fundamental importância para mostrarmos ao mundo a qualidade de nossos produtos”, ressalta Scortegagna.

Vinhos premiados

Troféu – Melhor Espumante do Cone Sul

Casa Valduga Reserva Espumante Brut – Casa Valduga Vinhos Finos

Medalha de Ouro

Casa Valduga Reserva Espumante Brut – Casa Valduga Vinhos Finos

Sopra Espumante Brut Rosé – Varaschin Agroflorestal

Medalha de Prata

Casa Valduga Arte Espumante Brut – Casa Valduga Vinhos Finos