100 melhores vinhos italianos de 2015, segundo James Suckling

O norte-americano James Suckling, crítico e jornalista de vinhos, foi editor da Wine Spectator durante três décadas. Atualmente é editor de seu próprio site especializado em vinhos: www.jamessuckling.com. Suckling é considerado o crítico mais influente do mundo segundo a revista Forbes. Recentemente publicou em seu site uma relação com os 100 melhores vinhos italianos de 2015. Confira a lista:

1. Siro Pacenti Brunello di Montalcino 2010

2. Fattoria Le Pupille Toscana Saffredi 2012

3. Luce della Vite Brunello di Montalcino 2010

4. Duemani Cabernet Franc Costa della Toscana 2012

5. Tua Rita Toscana Redigaffi 2013

6. Ciacci Piccolomini d’Aragona Brunello di Montalcino Pianrosso 2010

7. Livio Sassetti Brunello di Montalcino 2010

8. Bruno Giacosa Barbaresco Asili Riserva 2011

9. Marchesi de’ Frescobaldi Brunello di Montalcino Castelgiocondo 2010

10. Giacomo Conterno Barolo Monfortino 2008

11. Masseto Toscana 2012

12. San Polino Brunello di Montalcino Helichrysum 2010

13. Roberto Voerzio Barolo Rocche dell’ Annunziata 2011

14. Le Ragnaie Brunello di Montalcino Ragnaie V.V. 2010

15. Elio Altare Barolo Unoperuno 2011

16. Giodo Brunello di Montalcino 2010

17. Livio Felluga Rosazzo 100 2013

18. Casanova di Neri Brunello di Montalcino Tenuta Nuova 2010

19. Castello di Ama Chianti Classico Vigneto La Casuccia Gran Selezione 2011

20. Valdicava Brunello di Montalcino 2010

21. Petrolo Toscana Galatrona 2013

22. San Polino Brunello di Montalcino 2010

23. Castiglion del Bosco Brunello di Montalcino Zodiac Monkey Limited Edition 2010

24. Giacomo Conterno Barolo Cascina Francia 2011

25. Roberto Voerzio Barbera d’Alba Barbera d’Alba Pozzoannunziata 2011

26. Eredi Fuligni Brunello di Montalcino 2010

27. Mazzei Toscana Siepi 2012

28. Argiano Brunello di Montalcino 2010

29. Renato Corino Barolo Rocche dell’Annunziata 2011

30. Mastrojanni Brunello di Montalcino 2010

31. La Spinetta Barolo Campè 2011

32. Le Ragnaie Brunello di Montalcino 2010

33. Castello di Ama Toscana L’Apparita 2011

34. Silvio Nardi Brunello di Montalcino Manachiara 2010

35. Le Macchiole Bolgheri Paleo 2012

36. Castello Romitorio Brunello di Montalcino Filo di Seta 2010

37. Grattamacco Bolgheri Superiore L’Alberello 2012

38. San Filippo Brunello di Montalcino Le Lucere 2010

39. Pio Cesare Barolo Ornato 2011

40. Villa I Cipressi Brunello di Montalcino Zebras 2010

41. Cordella Brunello di Montalcino 2010

42. Ornellaia Toscana Bianco 2013

43. Poggio di Sotto Brunello di Montalcino 2010

44. Ca’ Romé di Romano Marengo Barolo Cerretta 2011

45. Castello Banfi Brunello di Montalcino Poggio alle Mura 2010

46. Roberto Voerzio Barolo Fossati Case Nere Riserva 10 Anni 2005

47. Assunto Brunello di Montalcino 2010

48. Cantina Terlano Alto Adige Terllaner I Grande Cuvée 2012

49. Poggio Antico Brunello di Montalcino 2010

50. Riecine Toscana 2011

51. San Filippo Brunello di Montalcino 2010

52. Ornellaia Bolgheri Superiore 2012

53. Fossacolle Brunello di Montalcino 2010

54. Marchesi Antinori Toscana Solaia 2012

55. Baccinetti Brunello di Montalcino Saporoia 2010

56. Elio Altare Barolo Ceretta 2011

57. La Serena Brunello di Montalcino 2010

58. Altesino Brunello di Montalcino Montosoli 2010

59. Paolo Conterno Barolo Riva del Bric 2011

60. Mastrojanni Brunello di Montalcino Vigna Loreto 2010

61. Citille di Sopra Brunello di Montalcino Vigna Poggio Ronconi 2010

62. Castello di Ama Chianti Classico San Lorenzo Gran Selezione 2011

63. Aldo Conterno Barolo Cicala 2011

64. Marchesi di Barolo Barolo Cannubi 10 Anni 2005

65. Pieve Santa Restituta Brunello di Montalcino Sugarille 2010

66. Luigi Einaudi Barolo Cannubi 2011

67. Bruno Giacosa Barolo Falleto 2011

68. Vietti Barolo Brunate 2011

69. Giacomo Grimaldi Barolo Sotto Castello di Novello 2011

70. Romano Dal Forno Amarone della Valpolicella Monte Lodoletta 2010

71. Castello dei Rampolla Toscana d’Alceo 2011

72. Barone Ricasoli Chianti Classico Castello di Brolio Gran Selezione 2012

73. Pio Cesare Barbaresco Il Bricco 2011

74. Ceretto Barolo Brunate 2011

75. Marchesi Antinori Bolgheri Superiore Guado al Tasso 2012

76. Marchesi di Barolo Barolo Cannubi 2011

77. Andrea Oberto Barolo Brunate 2011

78. Roberto Voerzio Barolo Brunate 2011

79. Quintodecimo Taurasi Vigna Quintodecimo Riserva 2010

80. Marchesi Antinori Toscana Tignanello 2012

81. Foradori Manzoni Bianco Vigneti delle Dolomiti Fontanasanta 2013

82. Montevetrano Colli di Salerno 2013

83. Sette Ponti Toscana Oreno 2013

84. Jermann Venezia-Giulia Where Dreams Have No End 2013

85. Bellavista Franciacorta Vittorio Moretti Riserva Extra Brut 2008

86. Occhipinti Terre Siciliane Il Frappato 2013

87. Girolamo Russo Etna Rosso San Lorenzo 2013

88. Bibi Graetz Toscana Colore 2010

89. Ca’ del Bosco Franciacorta Cuvée Annamaria Clementi Riserva 2006

90. Castello di Querceto Colli della Toscana Centrale Romatic 2009

91. Vie di Romans Chardonnay Friuli Isonzo 2013

92. Tenuta delle Terre Nere Etna Rosso Guardiola 2013

93. Bellavista Franciacorta Rosé 2010

94. Le Macchiole Bolgheri Messorio 2012

95. Sette Ponti Toscana Crognolo 2013

96. Foradori Teroldego Vigneti delle Dolomiti Granato 2011

97. Graci Etna Arcurìa 2013

98. Argiolas Isola dei Nuraghi Turriga 2011

99. Elena Walch Alto Adige Beyond the Clouds 2013

100. Tenuta San Guido Bolgheri-Sassicaia Sassicaia 2012

Acredite: clã Rothschild está prestes a engarrafar seu vinho feito na China

Pois é amigos, a poderosa família Rothschild, que desde 1853 produz vinhos emblemáticos na França, dentre eles o Château Mouton Rothschild, Château Lafite Rothschild, Château Clerc Milon, Château D’Armailhac, Mouton Cadet e o champagne Barons de Rothschild Blanc de Blancs, está prestes a engarrafar seu vinho feito na China. A primeira colheita e engarrafamento acontece em 2016 – e de acordo com analistas, em dando certo, irá mudar o mundo do vinho. É o que revelou com exclusividade para revista GOSTO, Philippe de Nicolay Rothschild, filho da baronesa Marie-Hélene de Rothschild, que é casado com uma brasileira, e reside em São Paulo onde fundou a PNR Importadora para melhor cuidar no Brasil dos rótulos produzidos no Château Lafite Rothschild. Veja os detalhes –

Capixaba no maior evento de gastronomia da América Latina

Hoje (28-10) é a vez do capixaba Alessandro Eller, ministrar sua palestra como convidado no maior evento de gastronomia da América Latina, o Mesa ao vivo, em SP. O ganhador do prêmio Dólmã e embaixador da gastronomia capixaba, estará acompanhado da comunidade italiana que mantém esta tradição da charcutaria viva. Venha, veja e aprenda na Semana Mesa SP.

Semana Mesa SP reúne chefs nacionais e internacionais até quinta-feira

Começou ontem, 27, e termina na quinta-feira, 29, o Semana Mesa SP, que reúne amantes e estudiosos da gastronomia em jantares, palestras, exposições, degustações, workshops e uma feira de comida. A abertura do evento aconteceu na manhã de terça-feira na Escola Técnica Estadual (Etec) Santa Ifigênia, na Capital, que sedia o evento, e contou com a presença do secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI), Claudio Valverde. Alunos e professores do curso técnico de Cozinha do Centro Paula Souza participam das atividades para conhecer as novidades do setor.

O evento também é uma chance para os milhares de visitantes conhecerem de perto a estrutura e o trabalho do Centro Paula Souza.” Atualmente, 13 Etecs oferecem o curso técnico de Cozinha.

Na abertura, o chef Alex Atala, que também participa das atividades, elogiou a escolha do Paula Souza. “É especial para mim estar aqui, porque, entre várias escolas, também estudei em escola pública. O que importa de verdade é pegar a oportunidade, não importa qual seja, e fazer o melhor com ela.”

Formado em Cozinha pela Etec Santa Ifigênia e atualmente cursando Eventos na unidade, o aluno Bruno Monteiro está entusiasmado. “Para todos nós está sendo um desafio sensacional começar logo de cara participando de um evento desse tamanho, com esses profissionais, executando na prática o que estamos aprendendo.”

Programação

Neste ano, o tema do Mesa SP é A nova gastronomia: compartilhando inovação, conhecimento e paixão. Entre os profissionais confirmados para subir ao palco do Mesa Tendências – maior congresso de gastronomia da América Latina – estão os chefs internacionais Virgílio Matinez (Peru), Fernando e Gabi Rivarola (El Baqueano, Argentina) e Vladimir Mukhin (Rússia). Cozinheiros brasileiros também marcarão presença: Alex Atala (Dom – São Paulo) Tereza Paim (Casa de Teresa – Bahia), Jeferson Rueda e Janaina Rueda (Bar da Dona Onça – São Paulo), Mônica Rangel (Gosto com Gosto – Rio de Janeiro), Flávio Miyamura (Miya – São Paulo), Manu Buffara (Manu – Curitiba), Morena Leite (Capim Santo – São Paulo) e Thiago Castanho (Remando do Peixe – Belém Pará).

O Mesa ao Vivo reunirá profissionais da gastronomia para aulas, debates e demonstrações culinárias em tempo real. Toda a programação oferecida ao público, que pode ser conferida nos sites www.2015.semanamesasp.com.br e http://prazeresdamesa.uol.com.br se transformará em material editorial da revista Prazeres da Mesa, que terá uma publicação especial logo após o evento.

Também fazem parte das ações do evento Semana Mesa SP o “Farofa” – feira de produtos trazidos de diversos lugares do Brasil, barracas de chefs e Food Trucks que oferecerão comidinhas por preços democráticos – e o “Mesa no Cinema” sessões de cinema dentro do CineSesc com a presença de chefs de cozinha que executarão menus inspirados nos longas-metragens.

Para os amantes de vinho o evento também conta com palestras, degustações de uma mini-feira. Show!

Soeta é um dos melhores restaurantes do mundo, segundo o Guida ai Ristoranti di Identità Golose

Nesta segunda-feira, dia 26, o Guida ai Ristoranti di Identità Golose, respeitado guia gastronômico da Itália e do mundo, liberou sua lista com os melhores restaurantes de 2016. Dentre os endereços brasileiros indicados, ao lado de nomes como Remanso do Bosque, Lasai, Roberta Sudbrack, D.O.M, Epice, Kinoshita, Maní, Mocotó e Picchi, está o capixaba Soeta, dos chefs Bárbara Verzola e Pablo Pavón. Que legal, parabéns aos envolvidos!

Christian Bernardi é eleito enólogo do ano 2015

Para celebrar o Dia do Enólogo, a Associação Brasileira de Enologia (ABE) promove anualmente uma grande festa que, além de brindar a data, também homenageia um de seus associados como Enólogo do Ano. Assim tem sido desde 2004, e de lá para cá 12 enólogos já foram reconhecidos com a distinção. Desta vez, o título coube ao enólogo Christian Bernardi, eleito pelo voto espontâneo de seus colegas de profissão. A Festa do Dia do Enólogo reuniu 120 associados em jantar realizado na sexta-feira, 23, no Restaurante e Churrascaria Ipiranga, em Bento Gonçalves.

Natural de Guaporé (RS), Christian Bernardi é técnico e tecnólogo em Viticultura e Enologia, com pós-graduação em Gestão Vitivinícola. Já participou como degustador em 11 concursos internacionais na Argentina, Brasil, Canadá, Espanha, França, Holanda e Hungria. Foi presidente da ABE, onde carrega a experiência de ter conduzido a Avaliação Nacional de Vinhos, o Concurso do Espumante Brasileiro e o Concurso Internacional de Vinhos do Brasil. Dono de uma retórica invejável, domina como poucos a arte de bem falar, que emprega como aliada a arte de elaborar vinhos e espumantes, condição que o tornou uma das principais lideranças do setor na atualidade. Sua dinâmica lhe permite transformar o que é complexo em algo fácil de ser compreendido.

Christian Bernardi é o 12º enólogo a ser reconhecido com o prêmio. A votação, realizada de 6 a 18 de outubro, envolveu 106 enólogos associados e o resultado foi homologado mediante regulamento por uma comissão formada pelo presidente da ABE, enólogo Juliano Perin, por representantes da Embrapa Uva e Vinho, além dos enólogos já homenageados com a distinção. O Enólogo do Ano 2015 será premiado com uma viagem técnica, com o propósito de visitar uma feira internacional do setor vitivinícola.

Juliano Perin destacou a importância do prêmio como forma de reconhecer a atuação do enólogo numa atividade que cada vez mais vem ocupando diversos espaços na indústria vinícola. A Festa do Dia do Enólogo contou com muitas atrações. O enólogo Neuri Bruschi foi o grande ganhador da adega climatizada, sorteada pela ABE. A noite de brindes seguiu com a distribuição de mimos oferecidos pela Associação, Tuttovino e Vêneto Mercantil.

Os enólogos associados Firmino Splendor, Firmino Splendor Jr. e Daniel de Siqueira Ferreira foram homenageados com o certificado de Associado Destaque por terem participado de 13 ações da ABE em 2015, a maior presença entre os associados. Eles participarão de um concurso internacional de vinhos na América do Sul. Em clima de confraternização e integração, todos participaram da Gincana do Enólogo, que surpreendeu os profissionais com atividades de descontração ao som da banda Farina Brothers. O Dia do Enólogo é comemorado no dia 22 de outubro.

Novela ‘Além do Tempo’ mostra a vocação do país na produção de vinhos e espumantes

O protagonismo dos vinhos brasileiros vem batendo recordes de audiência no horário das 18h. A novela ‘Além do Tempo’, da Rede Globo de Televisão, passou por mudança de fase semana passada e está mostrando a vocação do país na produção de vinhos e espumantes. Na nova fase, serão destacadas as profissões de enólogo e sommelier, além das características do terroir Brasil, da tecnologia que vem sendo utilizada na elaboração dos produtos e na quebra de paradigmas com relação ao país como um dos principais produtores do Hemisfério Sul.

A atuação do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) para a realização do folhetim iniciou ainda em 2012, com a vinda de uma das produtoras para o polo produtor da Serra Gaúcha. Já em abril, a entidade, em conjunto com outras instituições como a Associação Brasileira de Enologia (ABE), proporcionou treinamentos para o elenco e equipes, forneceu suporte para o evento de lançamento da novela, no mês de julho, e segue auxiliando com a revisão de termos técnicos e procedimentos usuais na elaboração dos produtos que será um dos panos de fundo para a história de amor vivida pelos personagens Lívia (Alinne Moraes) e Felipe (Rafael Cardoso).

Numa das cenas que foi ao ar nesta semana, Lívia, numa degustação às cegas, confunde um Merlot 2005 elaborado no Sul do Brasil com um vinho francês, da região de Bordeaux. “Excepcional! Um Merlot de excelente terroir (…). Eu diria que é o melhor de todos que já provei”, elogiou a personagem que é especialista em vinhos na segunda fase da novela. Em outra cena, Felipe apresenta um dos seus vinhos para o sommelier de um importante restaurante do Rio de Janeiro. “É uma vinícola familiar. Lá, a gente prioriza, acima de tudo, a qualidade”, diz, após ouvir elogios do especialista. Outro diálogo que merece destaque é de Lívia debatendo com sua família a aquisição de vinhedos no Sul do Brasil, defendendo a qualidade dos vinhos lá feitos e destacando a necessidade de abrir o mercado aos produtores nacionais. “Mãe, 80% do vinho consumido no Brasil é importado. Vamos entrar nessa batalha, por favor?”.  (Abaixo, seguem os links com as cenas)

“É uma grande conquista do setor vitivinícola, uma vez que a novela está levando para milhares de lares no Brasil e em outros países a cultura do vinho brasileiro e o trabalho árduo necessário para a elaboração desta bebida”, salientou o presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin, Moacir Mazzarollo. Para o dirigente, a novela também deverá impulsionar o enoturismo por mostrar paisagens de regiões produtoras e abordar o vinho em todas as etapas do folhetim. 



Link das cenas descritas acima


Preparação de atores e diretores incluiu workshop com profissionais do Ibravin e da ABE

O período de preparação para as gravações de Além do Tempo incluiu workshops para atores, diretores e equipe técnica da novela ministrados por representantes do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e da Associação Brasileira de Enologia (ABE). No dia 11 de abril, no Projac, o enólogo e vice-presidente do Conselho Deliberativo do instituto, Dirceu Scottá, a analista de Promoção do Ibravin, Iassanã dos Santos, e a jornalista e sommelière Sílvia Mascella Rosa apresentaram a aproximadamente 30 atores e diretores um panorama da produção vitivinícola no Brasil, a partir da cronologia da evolução do setor no país. A agenda teve ainda degustação de vinhos, espumantes e suco de uva 100% e palestras sobre serviço do vinho, enologia e a profissão de enólogo.

No dia 14 de abril, Silvia e o gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini, apresentaram o workshop para cerca de 300 profissionais da produção e equipe técnica de Além do Tempo. O treinamento seguiu a metodologia do Qualidade na Taça, projeto realizado pelo Ibravin em conjunto com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com o objetivo de capacitar mais de mil estabelecimentos de alimentação fora do lar, como bares e restaurantes, no trabalho com vinhos brasileiros.

Blanc de Bleu Cuvée Mousseux: espumante azul chega ao mercado brasileiro

Ai, ai, ai!!! Um espumante azul? Será que é adicionado corante? Quem compra? Será que ele é bom? É doce? Isso é uma pegadinha? Eu sou um babaca em querer provar?

Esses são alguns dos pensamentos que passaram por minha cabeça quando eu ouvi falar desse espumante. Não tem nada de errado com a imagem, o espumante é azul mesmo. Não é a garrafa, é a bebida.

Ao mesmo tempo que acho estranho, eu adoro quando alguém tenta algo diferente.

Pelo que apurei, o espumante é elaborado na Califórnia (EUA), região de Mendocino County, pela vinícola “Cellars Vintage Premium”, e é feito com a uva Chardonnay e pequena quantidade de extrato de mirtilo, o que aporta ao produto a sua intrigante coloração azul.

É um brut, o que significa que ele é seco – não doce, e feito com método Charmat – que desenvolve a segunda fermentação em tanques. Os espumantes feitos com este método normalmente são mais leves e frescos, ao contrário dos elaborados pelo método tradicional – champenoise, em garrafa, que são mais estruturados e complexos.

Bom, como não provei, é o que tenho para falar sobre esse produto hoje. Ficou curioso? Para matar essa curiosidade terá que desembolsar 250,00 dilmas. Ele está sendo vendido com exclusividade no site . Boa sorte!

10 dúvidas frequentes sobre o Vinho do Porto

Felizmente nos últimos anos o Vinho do Porto vem crescendo seu espaço na mesa do brasileiro. Vinhos com ótima qualidade, cada vez mais acessíveis, que podem ser apreciados em restaurantes ou em casa, durante as refeições ou na companhia de amigos, num clima alegre e informal. A consequência da oferta e do visível aumento de consumo da bebida são as dúvidas ao seu redor. Hoje o Blog Vivendo a Vida procura responder as mais frequentes.

Como é feito o Vinho do Porto?

Difere do vinho de mesa apenas pelo fato do processo natural, no qual o açúcar da uva é transformado em álcool (fermentação alcoólica), ser interrompido, ao meio, pela adição de aguardente vínica. Isto resulta num vinho com um grau alcoólico superior a uma doçura natural.

Onde é feito o Vinho do Porto?

Na mais antiga região demarcada do mundo, o Douro. Foi delimitada em 1756. É um vale que se situa no nordeste de Portugal ao longo do rio Douro. No entanto, é na cidade de Vila Nova de Gaia (em frente a cidade do Porto e ao pé do Atlântico) que a maior parte do vinho é envelhecido.

Que castas são utilizadas na produção do Vinho do Porto?

O Vinho do Porto é feito de uma combinação de várias castas, sendo que as mais utilizadas são: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca, Tinto Cão. Brancas: Malvasia fina, Vinhosinho, Donzelinho e Gouveio. Sendo que a mistura de uvas brancas e tintas é expressamente proibida.

O que é um Vintage?

Um Porto Vintage é um vinho de propriedades excepcionais, feito apenas em anos de extraordinária qualidade. É engarrafado muito jovem, com toda sua força e fruta para poder evoluir na garrafa por longos anos. Geralmente, alcança boa fase entre 8 a 10 anos de idade, mas poderá continuar a evoluir positivamente por muitas décadas. As melhores safras foram: 63, 66, 70, 77, 80, 83, 85, 87, 91, 92, 94, 95, 97, 00, 01, 03 e 2011.

O que é um LBV?

É um vinho que, tal como o Porto Vintage, provem de uma só colheita de excelente qualidade. Contudo, se este vinho não conseguir obter as características excepcionais que deve ter um Vintage, então é deixado por mais tempo no tonel e engarrafado apenas entre o 4º a 6º ano (ao contrario do Vintage que é engarrafado do 2º). Este tempo extra de maturação no tonel tornará os vinhos mais apto para ser consumido logo após o engarrafamento. É no fundo o fato deste vinho ser engarrafado mais tarde que o Vintage que acaba por lhe dar o nome de LBV, isto é, Late Bottled Vintage.

Como se vê a idade de um Vinho do Porto?

Todos os vinhos que têm o ano de vindima indicado no rótulo, significa que foram feitos com uvas desse ano. São eles: o Colheita (família dos Tawny); o LBV (família dos Ruby) e todos os Vintages. Todos os restantes são feitos com uma combinação de vários anos, o que lhes dá uma média de idade que pode ou não ser indicada no rótulo. Se não estiver indicada no rótulo, significa que o vinho tem uma média de idade de 3 anos. Se a palavra “Reserva” aparecer no rótulo, esta idade média pode ser um pouco superior e o vinho é também de qualidade superior.

Quanto tempo posso guardar um Vinho do Porto?

O único Vinho do Porto que está realmente feito para ser guardado (e melhorar na garrafa) é o Porto Vintage. Deve ser por isso guardado na horizontal. Todos os outros estão prontos a ser bebidos depois de engarrafados, pois o envelhecimento deu-se previamente na madeira. No entretanto, sem grandes prejuízos de qualidade, poderão ser guardados por 2 a 3 anos. O Porto Branco não deverá ser guardado por mais de 6 meses.

E depois de aberto?

Com exceção dos Vintages, todos os outros Vinhos do Porto podem conservar-se durante cerca de 3-8 semanas, uma vez abertos. O Porto Branco nunca deverá ser conservado aberto por mais de 3 semanas.

A que temperatura devo servir o Vinho do Porto?

Branco > muito fresco (6 a 7 graus), Tawny > fresco (12 a 16 graus), Ruby ou Vintage > temperatura da adega (16 a 18 graus). Um Vinho do Porto servido a mais de 18º evidenciará um excesso de álcool e açúcar, o que fará o vinho parecer pesado. Hoje, devemos falar em temperatura da adega em vez de temperatura ambiente, já que a última, nas nossas casas é bem superior a 18º.

Que copo devo usar?

Deve ser de vidro fino e transparente, com uma forma similar ao ISO. Em alternativa, um bom copo para vinho branco poderá servir. Esquecer os cálices pequenos para licor. O copo de Vinho do Porto deve ter tanto charme e dignidade como o vinho que recebe.

Burger King lança marca própria de vinhos

Para celebrar os 40 anos da franquia na Espanha, a rede de fast-food Burger King lançou sua marca própria de vinhos, o Whopper Wine, para harmonizar com um de seus hambúrgueres.

O tinto foi batizado de Whopper, nome do mais famoso lanche da marca. Ele foi envelhecido em barris de madeira “grelhados no fogo”, destinado a melhorar o sabor do Whopper.

Infelizmente, você não pode simplesmente comprar uma garrafa. Para obter essa experiência, deverá partilhar as suas histórias ou fotos favoritas com a marca, que irá escolher 40 privilegiados.