search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for setembro, 2014

Seguindo a viagem pelo Vale do Colchágua, Chile, o destino foi a vinícola Casa Silva (San Fernando, acesso pelo km 176 da Ruta 5, 72/710-204, casasilva.cl). Sem dúvida uma visita imperdível. Sua arquitetura colonial e seus vinhedos centenários fazem da vinícola um local ideal para experimentar o vinho chileno contemplando uma maravilhosa paisagem. Aberto de segunda a domingo, das 10h00 às 18:00 hrs (U$$ 14 com degustação) Reservas: [email protected] Telefone: (56 72) 2913117. O restaurante abre no almoço e no jantar com opção de parrillas e peixes. Sem dúvida uma visita imperdível. 

 

O hotel na que conta com sete quartos (U$$ 140 casal), está desativado em virtude de um incêndio na casa do presidente Mario Silva Cifuentes. Por estas razões, ele teve que ir para o hotel. Só será aberta para receber, na medida do possível e de acordo com sua capacidade. 

História

Viña Casa Slva nasceu em 1997, com Don Emilio Bouchon, a primeira geração chegou ao Chile em 1892, de Bordeaux, St. Emilion, França. Desde esse tempo, ele dedicou à produção de vinho, sendo pioneiro no Vale de Colchagua. Em 1997 que Mario Pablo Silva, filho mais velho da quinta geração, compartilhou com seu pai, Mario Silva, o sonho de produzir vinhos com sua própria marca, se dedicando grande parte de sua vida na recuperação de antigos vinhedos, na adega, e também no ganho de conhecimento sobre terroir do Valle de Colchagua. Pouco depois de seus filhos, Francisco, Gonzalo e Raimundo, seguem contribuindo para o desenvolvimento e gestão integrada da Viña Casa Silva.  

Vinhedos

Angostura (sede), Lolol, Paredones (próximo ao mar) e Los Lingues (continental) são os terrois da Casa Silva, que se distinguem, possibilitando mpla adaptação de diversas cepas. Los Lingues, ao norte de Colchagua é mais favorável para a Carmenère. Em Lolol a aposta são na Syrah e Viognier. Já Paredones mais próximo ao mar, produz bem a Sauvignon Blanc.


O responsável pelo sucesso da vinícola é nada menos que o enólogo Mario Geisse (foto acima). Velho conhecido dos brasileiros, que comanda em conjunto com seus filhos, Inácio, Rodrigo e Daniel, a Cava Geisse, uma vinícola especializada na produção de espumantes, em Pinto Bandeira, Serra Gaúcha (RS), Brasil.

Barrica Carmenére de Los Lingues – The Best

Mário também é conhecido como o mago da Carmenére, uma das cepas mais apreciadas pelos brasileiros, sucesso da vinícola, mas que exige um manejo preciso. Originária na França, foi no Chile que a Carmenère (por muito tempo confundida com a Merlot) encontrou seu lugar, se desenvolvendo e mostrando sua qualidade. Atualmente uva símbolo do país. Colhida antes de seu completo ciclo de maturação, mostra um intenso caráter vegetal, o famoso pimentão verde, que muitos relacionam a tipicidade e a qualidade. Mas não é qualidade, e sim defeito. Normalmente é a ultima uva a ser colhida, em maio aproximadamente. A vinícola sob o comando de Mario realiza ha bastante tempo um estudo que vai decifrar os melhores terrois para cada um dos clones da uva existentes no Chile. Que são muitos, diz Mário. 

Export Manager Brasil – Thomas Wilkins, gente da melhor qualidade.

Vinhedo antigo de Sauvignon Gris (branco), redescoberto em 1998, sendo hoje a Casa Silva uma das poucas vinícolas no mundo que elaboram um vinho feito 100% a partir desta casta cujo as vinhas datam de 1912.

A Viña Casa Silva vem transformando seu vinhedo em orgânico.

A foto da foto, rs. Flagrando o momento do click do meu colega de viagem, Hong Sup Kim, colaborador da revista adega.

Os vinhos são importados pela “Vinhos do Mundo” – http://www.vinhosdomundo.com.br

Casa Silva Cool Coast Sauvignon Blanc 2013 – R$ 90

  • Elaborado com uvas da parte fria do Vale do Colchagua, apresenta um nariz fresco com nota intensa de frutas, como cajá e maracujá e também aspargos. O paladar, além da confirmação da fruta, mostrou muita mineralidade, aportada pelo solo granítico da região. ST (89)

Casa Silva Sauvignon Gris 2013 (Andes) – R$ 60

  • Um curioso branco elaborado 100% com a uva Sauvignon Gris de vinhedo antigo e raro, redescoberto em 1998, cujo as vinhas datam de 1912. Um vinho com menos acidez e com maior estrutura e cremosidade. ST (88)

Casa Silva Quinta Geración 2012 – R$ 110

Um corte incomum de uvas brancas – Sauvignon Blanc, Chardonnay, Sauvignon Gris e Viognier. Toque de ervas, flores e fruta fresca. Estruturado, cremoso, com uma pontinha doce que não chega a incomodar. ST (89)

Casa Silva Carmenére Reserva 2012 – R$ 60

  • Bastante frutado, com notas típicas, paladar de corpo médio, fácil de beber, macio. ST (88)

Casa Silva Carménere Gran Terroir 2012 – R$ 105

  • 100% de uvas de Los Lingues, o melhor terroir para a casta, mostrou mais estrutura e imponência ao vinho. ST (89)

Casa Silva Cabernet Sauvignon 2012 – R$ 105

  • Um vinho bastante aromático, com notas de frutas vermelhas e negras, vegetais, terra molhada e especiarias. Paladar com taninos presentes, um pouco duros. Boa acidez e persistência. ST (88)

Casa Silva Quinta Geración Tinto 2010 (corte) – R$ 120

  • Um corte de 58% Cabernet Sauvignon, 22% Carmenere, 16% Syrah, 4% Petit Verdot, que mostra principalmente equilíbrio e elegância. Aroma mostrando frutas negras e vermelhas, tabaco, café e especiarias. Paladar concentrado, taninos presentes e finos. Confirma as notas do nariz. Longa persistência. ST (90)

Casa Silva Microterroir Carmenére 2007 – R$ 430

  • Após anos de estudos foram selecionadas pequenas parcelas dentro dos vinhedos de Los Lingues, os melhores lotes de plantas que produziam o melhor Carmenère. Denominou-se esse lote de “Micro Terroir Carmenère”. Esse vinho mostra estrutura, taninos suaves, frutas e especiarias, e longa persistência. ST (91+)

Casa Silva Altura 2008 – R$ 620

  • Vinho ícone da vinícola, de produção limitada, 14 meses em barricas francesas + 36 meses em caves subterrâneas esperando o momento de seu lançamento no mercado. Uvas 40% Carmenere, 30% Cabernet Sauvignon, 15% Syrah e 15% Petit Verdot. Na taça mostra muita força e elegância. Nariz complexo com um mix de frutas, especiarias, tosta, café e chocolate. Paladar concentrado, longo e super prazeroso. Um vinho de guarda. ST (94+)

Recentemente o ex-jogador de futebol brasileiro, André Manz, que faz sucesso em Portugal na produção de vinhos esteve no Espirito Santo para apresentar seus rótulos a um grupo de enófilos de bem com a vida, que foram convidados pelo Wine Hunter e representante local, Carlos Meneguel (27-99941.8509).

A vinícola Manz começou os trabalhos em 2004, na pequena vila de Cheleiros, Estremadura – Lisboa, Oeste de Portugal, e rapidamente se tornou em um sonho de recuperar a história local e a sua atividade vitivinícola. Já contei a história de André e seu sucesso aqui no blog – relembre: http://www.vivendoavida.net/?p=31732.

Manz Dona Fátima 2012 branco | Lisboa| R$ 180

  • Elaborado com a uva quase extinta Jampal, apresenta aromas frutados, mas o destaque fica com as notas minerais que domina o conjunto. Paladar é volumoso, com boa estrutura, de ótimo frescor. Confirma o caráter mineral. Final longo e elegante. ST (90).

Manz Chelheiros 2010 | Lisboa | R$ 90

  • Um corte de Touriga Nacional, Aragonez e Castelão, apresenta uma cor viva e intensa, aroma franco de fruta vermelha madura, notas de especiarias e um tostado leve, resultado dos seus 12 meses em barris de carvalho americano.  Paladar é corpulento, untuosidade leve, taninos presentes porém macios, com notas de especiarias e fruta fresca. ST (90)

Manz Penedo do Lexim 2010 | Lisboa | Em breve no Brasil.

  • Um corte de Touriga Nacional e Aragonez apresenta uma cor vermelho rubi viva, notas de frutas frescas e limpas, que faz lembrar cerejas e framboesas, resultado da ausência do uso de barrica. O paladar confirma o estilo, mostrando uma acidez destacada e a fruta em primeiro plano. ST (90)

Manz Contador de Estória 2009 Península de Setúbal | R$ 67

  • Corte de Syrah, Touriga Nacional e Petit Verdot, mostra um visual granada intenso, aroma mesclando frutas negras e vermelhas, além de especiarias, couro e um destacado terroso. Paladar é frutado e estruturado, sem deixar de lado seu caráter gastronômico, com excelente frescor. Passa por 12 meses em barricas. ST (89)

Manz Douro 2009 | Douro | R$ 84

  • Tinto elaborado com a uvas Touriga Nacional e Tinta Roriz, provenientes do Alto Douro. Visual rubi concentrado, aroma de fruta em compota, leve floral, e algo de ervas. Paladar confirma a fruta madura, taninos firmes e uma final persistente. ST (87)

Manz Pomar do Espirito Santo 2012 Reserva| Lisboa | R$ 90

  • Feito com as uvas Aragonez, Syrah, Touriga Nacional e Castelão, apresenta um visual vermelho intenso, aromas mesclados de frutas maduras, além de especiarias e um leve defumado. Paladar estruturado, confirmado as notas do nariz. Retrogosto longo e agradável. ST (90)

O ruim das viagens e que elas acabam rápido, e o retorno à vida real é sempre duro. Mas sempre ficam as lembranças boas, as novas amizades, a gastronomia, e claro, o ganho de conhecimento com as visitas as vinícolas, como a Los Vascos (Camino Pumanque KM 5 Peralillo VI Região Chile, Telefone: +56 72 350900, Fax: +56 72 350967, ), no vale do colchagua, que deu início a um roteiro curto, mas incrível pelo Chile.

Visitas

  • Das 9h às 17h
  • segunda-feira a sábado, durante o período de colheita
  • segunda-feira a sexta-feira o resto do ano
  • somente com hora marcada
  • taxas visita e prova solicitada US $ 15 por pessoa.

Capacidade

  • Máximo de 15 pessoas
  • Idioma (s)
  • Inglês – Espanhol
  • Degustação
  • $ 10,000 pesos chilenos (US $ 15) – Tour e degustação de três vinhos incluídos

Pagamento

  • Pagamento por cartão de crédito, de preferência


A família Rothschild, braço chileno da família Rothschild, os mesmos proprietários do legendário Château Lafite Rothschild, foi uma das primeiras empresas a investir no Chile ao comprar a Viña Los Vascos em 1988, que já tinha uma história desde 1750, quando a família Echeñique (proveniente do País Basco, Espanha) que plantou as primeiras videiras no Vale de Colchagua.


A vista dos vinhedos

A decisão pela compra da vinícola pelos Rothschild foi baseado em longos estudos de clima e solo, visita a diversas vinhas e regiões, e degustação de muitos vinhos. O resultado foi a certeza que a região de Los Vascos tinha ótimas condições: insolação e recursos hídricos ideais, solos semi-áridos, intensa amplitude térmica e pequeno risco de geadas. Em fim, microclimas e solos que garantem uma produção de uvas com níveis de maturação perfeitos.


Hoje, além de receber grande aporte de investimentos, como estações de monitoramento climático e adega ampliada e modernizada, seus vinhedos foram restaurados com um cronograma de replantio, resultando em um rendimento por hectare reduzido – a Los Vascos pratica os padrões Rothschild de excelência em todas as fases da produção. Resultado: vinhos de alta qualidade em todas as suas faixas de preço. São importados pela www.inovini.com.br.


As parreiras de Syrah plantadas na parte alta do vale, onde obtém o melhor resultado.


A prova dos vinhos

Los Vascos Sauvignon Blanc 2014 – R$ 45

  • Com uvas provenientes do Vales de Casablanca e Leyda, situados mais ao norte de Colchagua, beneficiadas pela influência do frio Pacífico sul. Amadurece alguns meses em cubas de aço inoxidável e é engarrafado jovem para preservar todo seu frescor e caráter varietal. Típico aspargo verde, maracujá, cajá, ervas, muita acidez, crocante, frescor, mais com estrutura. ST (90)

Los Vascos Chardonnay 2014 – R$ 45

  • As uvas Chardonnay vem dos vinhedos em Colchagua, complementadas por uma seleção de uvas provenientes do Vales de Casablanca e Leyda. Passa somente em cubas de aço inoxidável. Fresco, leve dulçor, aromas e sabores de frutas tropicais. ST (87)

Los Vascos Cabernet Sauvignon Rosé 2014 – R$ 45

  • Para a produção deste rosé as uvas foram colhidas antes da sua maturidade para que o vinho conserve uma acidez viva, caráter de fruta fresca e grau alcoólico moderado. Após delicada prensagem e curto período de maceração entre as cascas e o suco, o mosto seguiu (sem as cascas) para os tanques de aço inoxidável, onde ocorreu a fermentação alcoólica. Muito fresco, sem correção de acidez, fruta na medida. Não enjoa. ST (89)

Los Vascos Cabernet Sauvignon 2012 – R$ 45

  • As uvas são fermentadas em cubas de aço inoxidável, em seguida, ocorre um longo período de maceração (cascas e vinho em contato) de 15 a 20 dias. Todo o vinho é amadurecido em cubas de aço inoxidável por 14 a 16 meses até o momento do engarrafamento. Fruta bastante destacada, taninos presentes, porem macios. ST (88)

Carmenére Reserva 2012 – Não exportado para o Brasil

  • Uva extinta na França, por muito tempo confundida no chile como Merlot, é a ultima a ser colhida, em maio, em virtude da necessidade de amadurecimento, domando herbáceo que faz parte do perfil organoléptico dos vinhos. Fácil de beber, taninos doces e macios. ST (87)

Los Vascos Grande Réserve 2012 – R$ 85

  • Nesse vinho são utilizadas uvas de parcelas antigas do vinhedo, cerca de 70 anos. É produzido de forma tradicional, com fermentação alcoólica em cubas de aço inoxidável e longa maceração (25 dias) com remontagens periódicas. Amadureceu durante 10 meses em barricas de carvalho francês, das quais 30% Novas. vinho com maior complexidade, estruturado sem agredir o paladar. ST (90)

Los Vascos Le Dix 2011 – R$ 269

  • Criado para comemorar os dez anos da chegada dos Barões de Rothschild ao Chile, o Le Dix é produzido somente em safras excepcionais. É elaborado com uma seleção das melhores parcelas de Cabernet Sauvignon produzidas por vinhas com cerca de 70 anos de idade, complementadas por Carmenère e Syrah. Amadurecido por 18 meses em barricas novas de carvalho francês. Linda coloração violácea, aromas intensos e de grande complexidade, com toques de frutas vermelhas. Paladar com elevada estrutura e corpo, notas de chocolate e baunilha. Merece guarda. ST (93+)

Centenas de garrafas de vinhos que foram comprados pela Fifa para a Copa do Mundo vão a leilão amanha, dia 30. O lance inicial pedido por alguns produtos representa um desconto de 90% sobre o preço original. Os produtos foram comprados para serem usados nas áreas de hospitalidade dos estádios, espaços para o qual a Fifa levava convidados seus e de empresas patrocinadoras.  A Match, empresa que coordenou essas áreas, decidiu leiloar os itens que não foram consumidos durante o evento.

O lance inicial pedido por uma caixa com 60 garrafas do espumante Dádivas é de R$ 300. Cada rótulo, que custa R$ 46 no varejo, sai a R$ 5 no leilão, o que representa um desconto de 89%.

Um lote com 60 garrafas do vinho do branco Faces, o vinho oficial da Copa do Mundo, é vendido por R$ 240. Cada garrafa, que custa R$ 39,80 no varejo, sai a R$ 4 (desconto de 90%).

Lance deve ser dado pela internet

O leilão será feito totalmente pela internet às 12h do dia 30. Quem quiser participar precisa se cadastrar no site da Sold Leilões () e dar um lance até o dia 29.

Patrocinador oficial do evento, Spa do Vinho tem pacote especial com ingressos exclusivos para o evento

Patrocinador oficial da 22ª Avaliação Nacional de Vinhos (ANV), o Spa do Vinho Hotel e Condomínio Vitivinícola oferece uma programação especial para recepcionar especialistas, enófilos e jornalistas de sete países (Argentina, Brasil, Espanha, França, Inglaterra, Portugal e Uruguai) que estarão em Bento Gonçalves no próximo sábado, dia 27. Hotel oficial apoiador do evento, o Spa do Vinho dispõe  de diárias com valores especiais para o final de semana da ANV. O pacote de hospedagem inclui ingressos exclusivos para a Avaliação. Trata-se da última oportunidade de ainda adquiri-los, pois as suas inscrições já estão encerradas no site evento. As vendas do pacote seguem até a próxima terça-feira, dia 23, às 13h, e devem ser feitas pelo telefone (54) 2102-7200 ou pelo email .

O Spa do Vinho, hotel membro do selo Autograph Collection by Marriott International, também será responsável pelo tradicional jantar da véspera da ANV promovido pela Associação Brasileira de Enologia (ABE) destinado a jornalistas brasileiros, europeus, sul-americanos e integrantes do corpo de jurados do evento, entre eles o ator Selton Mello e o locutor esportivo Galvão Bueno. A presidente da Organização Internacional da Uva e do Vinho (OIV), a argentina Cláudia Quini, também estará presente. O menu especialmente elaborado para a ocasião pelo chef Felipe Pinelli, o mesmo responsável pelos pratos do Baile Imperial, será harmonizado com rótulos da Vinícola Miolo. Antes do jantar, está prevista uma palestra privada para 16 avaliadores no Centro de Eventos do Hotel.

Por sugestão do Spa do Vinho será realizada uma inédita degustação às cegas de uma das 16 amostras que serão apresentadas para 900 enófilos na maior degustação de vinhos do mundo. “Será a nossa contribuição para tornar a avaliação ainda mais dinâmica e interessante”, destaca a sócia-diretora do Spa do Vinho, Deborah Villas-Bôas Dadalt.

Cada vez gosto mais dos vinhos portugueses. Essa preferência foi reforçada ontem pela degustação dos rótulos da Casa Agrícola Portugal (Região do Tejo), em um agradável almoço no restaurante Aleixo com o representante da vinícola Zelito Gonçalves e o importador no Brasil, Luis Costa. Vinhos agradáveis, fáceis de beber e com uma relação qualidade x preço inquestionável.

A região do Tejo, anteriormente conhecida como Ribatejo, estende-se ao longo do vale do rio Tejo, numa extensa planície de aluvião, prolongando-se até Vila Franca de Xira. Situa-se numa zona de transição climática, de forte influência mediterrânica, acompanhada por uma ascendência mais atlântica, e se divide em seis sub-regiões: Almeirim, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Santarém e Tomar. Tomar é a região mais fresca da denominação e Coruche a mais quente, com uma paisagem em tudo semelhante à paisagem alentejana.

A legislação pouco restritiva permite a utilização de diversas castas nacionais e internacionais. Assim, às tradicionais castas brancas da região, Arinto, Fernão Pires, Tália, Trincadeira das Pratas e Vital, juntam-se o Chardonnay e Sauvignon Blanc, enquanto às castas tintas tradicionais Castelão e Trincadeira, somam-se o Aragonez, Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Merlot.

Casa Agrícola Portugal 2012 | Trincadeira 30%, Castelão 30% e Aragonez 40% | R$ 29,90
| Onde encontrar: Supermercado Perim

  • Visual rubi claro. Aroma limpo, sem passagem por madeira, com destaque para o floral, frutas vermelhas, morango e framboesa. Paladar leve, macio e de acidez moderada. Final mostra um toque de doçura. Nota: 87/100

Casa Agrícola Portugal 2012 | Cabernet Sauvignon 100% | R$ 49,00
| 5 meses em barricas de carvalho francês + 8 meses em garrafa | Onde encontrar: Supermercado Perim

  • Visual rubi intenso. Aroma aberto e fresco com boa concentração de fruta, especiarias doces, baunilha e frutas vermelhas. Agrada pela ausência do toque herbáceo tradicional da casta. Paladar macio, equilibrado com teor de álcool e taninos doces. Desce fácil. O melhor do painel. Nota: 90/100

Casa Agrícola Portugal Reserva 2012 | Tricadeira 25%, Castelão 35% e 40% Aragonez | 5 meses em barricas de carvalho francês e americano + 8 meses de garrafa | R$ 39,90
| Onde encontrar: Supermercado Perim

  • Visual granada escuro. Aroma de fruta madura, ameixa em compota e especiarias. Paladar de médio corpo, quente (precisa respirar por 1 hora), taninos macios e uma acidez moderada. Cresce muito com comida. Nota: 88/100

Personalidades farão parte do painel de comentaristas da 22ª Avaliação Nacional de Vinhos que acontece dia 27 em Bento Gonçalves

O quadro de comentaristas da 22ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2014 está fechado. Entre os 15 nomes de personalidades confirmadas para o evento estão o do ator e diretor Selton Mello e o do empresário e locutor esportivo Carlos Eduardo Galvão Bueno, além de grandes nomes do mundo vitivinícola. O 16º comentarista será sorteado entre o público no dia da Avaliação, que acontecerá no dia 27 de setembro, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves.

A maior degustação de vinhos de uma safra também terá, em sua 22ª edição, o prestígio de presidentes das mais importantes entidades do mundo do vinho, como a presidente da Organização Internacional da Uva e do Vinho (OIV), a argentina Cláudia Quini, e o presidente da União Internacional de Enólogos (UIOE), o francês Serge Dubois. A casta de comentaristas conta, ainda, com a presença dos presidentes do Instituto Nacional de Vitivinicultura do Uruguai (Inavi), José Lez e da União Espanhola de Degustadores, Fernando Gurucharri.

Além de personalidades do meio artístico e esportivo e da cadeia produtiva da uva e do vinho, o painel é mesclado por consultores internacionais, médico, sommelier, jornalistas especializados e enólogos com destaque para o Enólogo do Ano 2013, Juliano Perin. O grupo é formado por especialistas de sete países (Argentina, Brasil, Espanha, França, Inglaterra, Portugal e Uruguai), que reforçam a imagem do vinho brasileiro para o mundo.

“Montamos um painel de comentaristas de peso, que vai interagir com um público de mais de 850 apreciadores de vinho num espetáculo único, que reserva grandes surpresas em termos de representatividade da safra e de atrações preparadas especialmente para este dia”, destaca o presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Luciano Vian.

COMENTARISTAS CONFIRMADOS

  1. Ana Sofia Oliveira, Consultora em Marketing de Vinhos, Portugal
  2. Antonio Moacyr de Azevedo, Médico, Brasil
  3. Carlos Eduardo Galvão Bueno, Empresário, Brasil
  4. Christopher Cameron Fielden, Consultor de Varejo,  Inglaterra
  5. Claudia Quini, Presidente da Organização Internacional da Vinha e do Vinho – OIV, Argentina
  6. Fernando Gurucharri, Presidente da União Espanhola de Degustadores, Espanha
  7. José Lez, Presidente do Instituto Nacional de Vitivinicultura – INAVI, Uruguai
  8. Juliano Perin, Enólogo do Ano 2013, Brasil
  9. Mauro Marcelo Alves, Jornalista, Brasil
  10. Sara Bodowski, Jornalista, Brasil
  11. Serge Dubois, Presidente da União Internacional de Enólogos – UIOE, França
  12. Susan Dawn McCraith, Consultora de Varejo, Inglaterra
  13. Juan Arizu, Diretor da Associação de Enológos da Argentina, Argentina
  14. Vinicius Santiago, Sommelier, Brasil
  15. Selton Mello, Ator, Brasil


Varietal Tannat safra 2014 foi produzido nas dependências da vinícola, em Dom Pedrito

Durante a programação da Expointer, a Guatambu Estância do Vinho, de Dom Pedrito, RS, lançou, em parceria com a Associação Brasileira de Criadores da raça Angus, o rótulo 2014 do vinho Angus.

O produto, um varietal Tannat, safra 2014, foi produzido nas dependências da vinícola. As parreiras que dão origem ao fruto se situam em uma área de reserva legal, de campo nativo do Bioma Pampa, onde somente o pastoreio do gado é realizado.

Segundo a sommelier e uma das proprietárias da Guatambu, Isadora Hermann Pötter, o terroir da Campanha Gaúcha é perfeito para a produção de uvas tintas, como a Tannat, o que garante a colheita de uma fruta em plena maturação, o que garante mais polifenóis na bebida.

Em 2013, a Guatambu produziu 1000 garrafas sob encomenda da instituição, que esgotaram em dois meses. Este ano, comemorando os 51 da Associação, um lote limitado de garrafas foi produzido. Segundo o Diretor Geral da Associação, Reynaldo Titoff Salvador, a escolha da Guatambu para a produção do vinho Angus foi pela harmonização da uva com a carne: “Unir a carne de qualidade Angus com um vinho Tannat como o da Guatambu é garantir a harmonização perfeita”.

Os vinhos podem ser adquiridos diretamente na vinícola pelo valor de R$33,00, com preço especial para sócios Angus.

Saiba Mais

Associação Brasileira de Criadores da raça Angus

Com 51 anos de existência, a Associação Brasileira de Criadores da raça Angus reúne mais de 500 associados e mais de 7000 criadores em todo território nacional. Sua Missão é Congregar criadores e fomentar a utilização da Raça Aberdeen Angus na pecuária, através do apoio técnico e promocional, buscando a excelência e a valorização do trabalho do associado e dos usuários da raça. Saiba mais em www.angus.org.br

Sobre a Guatambu

A Guatambu Estância do Vinho é uma vinícola boutique de Dom Pedrito, RS. Seu trabalho é realizado através de administração familiar, em pequena escala, somente com uvas próprias, lotes limitados e garrafas numeradas desde 2003. A vinícola já conquistou diversas premiações importantes, entre elas o TOP TEN Expovinis 2014, com o vinho Rastros do Pampa Tannat. Mais informações, acesse o site:

Tradição e arte se unem em garrafa inédita criada pelo artista brasileiro de maior projeção internacional

A exclusiva Maison Perrier-Jouët, que possui tradição de mais de 200 anos na produção de champagne em Epernay, na França, convidou o artista plástico Vik Muniz para eternizar mais um capítulo memorável da história da marca com o lançamento da edição limitada Perrier-Jouët Belle Epoque Rosé by Vik Muniz.

Essa será a segunda vez na história da Maison que um artista faz uma releitura da garrafa original, que foi pintada à mão por Emile Gallé em 1902. Desta vez, o  nome convidado foi Vik Muniz, artista brasileiro de maior projeção internacional na arte contemporânea. A inédita coleção contará, no Brasil, com apenas 240 garrafas, uma verdadeira obra de arte dedicada aos apreciadores de champagne e do artista brasileiro. Admirador da marca, Vik Muniz concebeu a ilustração, sem cobrar cachê, unindo as tradicionais anêmonas que adornam cada garrafa de Belle Epoque há mais de um século, à imagem de um beija–flor.

Retirada de uma obra do próprio Vik, a cena retrata o pássaro pairando no ar. A imagem foi aplicada na garrafa por meio de uma placa dourada, dando a impressão que o beija-flor voa em direção às anêmonas. O vidro cristalino permite que o tom salmão do vinho contraponha a delicada e sensual criação. “A conexão com a natureza que Perrier-Jouët tem desde o início, foi minha maior inspiração para criar esta colaboração”, conta Vik Muniz.

O Cellar Master de Perrier-Jouët Hervé Deschamps escolheu a safra 2005 de Belle Epoque Rosé para essa edição especial justamente por ser “o mais delicado e extravagante vinho da coleção Belle Epoque”. É um champagne generoso e voluptuoso cuja complexidade aponta para um vintage de contrastes. Chardonnay, a uva de preferência de Perrier-Jouët, é predominante no blend enquanto o cuvée deve sua riqueza e tom salmão à Pinot Noir. Depois de bons anos envelhecendo na adega da Maison, o resultado é um balanço perfeito entre as características de um ano marcante e o estilo floral e elegante de Perrier-Jouët.

“Os mundos de Perrier-Jouët e Vik Muniz convergem de maneira harmoniosa. Ambos possuem uma elegância natural proveniente da crença compartilhada em relação ao poder da natureza como inspiração, bem como a comum devoção pela arte”, afirma Karen Ehrlich – Grouper das Marcas Super Premium da Pernod Ricard Brasil.

A edição de Perrier-Jouët Belle Epoque Rosé by Vik Muniz estará disponível nas principais delicatessens do País a partir de setembro no valor de R$ 1.650. Os apreciadores de champagne e do artista brasileiro poderão celebrar a chegada da primavera e as festas de final de ano com a exclusiva peça de arte.

Sobre Belle Epoque Rosé 2005

Blend: 50% Chardonnay dos melhores grand crus da Côte de Blancs: Cramant, Avize e Le Mesnil que trazem elegância e frescor floral. Para complementar, a rica Pinot Noir (45%) de Mailly, Ay, Verzy e Rilly. Pinot Meunier (5%) fornece o toque final arredondado.

Sobre Vik Muniz

Nascido em São Paulo, Muniz divide seu tempo entre Nova York e Rio de Janeiro.  Artista plástico e autodescrito como “ilusionista”, criou obras de arte a partir de uma ampla gama de materiais como chocolate, açúcar, lixo e brinquedos, registrando-as com uma câmera. Ao longo dos últimos 15 anos, o extenso portfólio de Muniz tem destaque em exposições individuais nas principais galerias de todo o mundo, como no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, no Madri Centro de Arte Reina Sofia e no Pavilhão do Brasil da Bienal de Veneza, na Itália.

Sobre Perrier-Jouët

A história de Perrier-Jouët possui uma aura mítica desde sua origem, em 1811, com o casamento de Pierre Nicolas Perrier e Adéle Jouët. Uma aura única, cristalizada na decoração de suas garrafas pelo design de anêmonas criado por Emile Gallé, gênio da Art Nouveau. E que guardam em seu interior a essência deste mito, pois a qualidade dos champagnes Perrier-Jouët se iguala apenas à sua raridade. Muitos tentaram definir o espírito singular da casa, guardiã das mais finas tradições, além de um gosto por extravagância. Charles Baudelaire parece ter definido este espírito quando escreveu ‘Here all is but order and beauty, quiet luxury andsensual delight’. Sem dúvida ele teria apreciado junto a Oscar Wild — também admirador da casa — uma taça do lendário Perrier-Jouët 1974, que quebrou os recordes de preço da Christie’s, tornando-se o champagne mais caro do mundo. Somente sete chefs de cave se sucederam desde a fundação, garantindo uma meticulosa transmissão de conhecimentos ao selecionar e aperfeiçoar individualmente cada ‘cru’ para criar um cuvée finamente elaborado.

A partir dessa semana, o restaurante SuR vai oferecer toda quinta-feira menu degustação harmonizado com o famoso champagne Veuve Clicquot. O cardápio foi criado pelos chefs Sergio Jucá e Felipe Lacet seguindo a linha da casa, que possui uma cozinha contemporânea alagoana muito criativa. Essa é a primeira vez que a marca francesa faz uma ação como essa em Alagoas. Sob o lema Save Water Drink Veuve Clicquot (Economize Água Beba Veuve Clicquot) o menu degustação criado pelos chefs do SuR está repleto de frutos do mar e ingredientes que harmonizam muito bem com os sabores e aromas do Brut Yellow Label da Maison. O valor do degustação completo para duas pessoas é de R$ 500, incluindo a garrafa de 750 ml de Veuve Clicquot Brut. O projeto Save Water Drink Veuve Clicqout vai acontecer no restaurante até o dia 23 de outubro, somente às quintas-feiras. O menu degustação do SuR faz parte do jantar desde a abertura da casa, em dezembro de 2013. A experiência gastronômica tem feito bastante sucesso entre o público alagoano com cardápios que mudam mensalmente e expõem o lado mais criativo de Felipe e Sérgio. O SuR serve sua gastronomia alagoana em preparações inusitadas, mas sem perder a identidade regional, suas raízes e influências.

RESTAURANTE SUR

Endereço: Rua Professora Maria Esther da Costa Barros, 306/320 – Bairro Stella Maris – Maceió/AL
Valor do menu: R$ 500 (para duas pessoas, incluindo menu e garrafa de 750ml de Veuve Clicqout) Horário: jantar somente às quintas-feiras, de 18/09 a 23/10. 
Telefone: (82) 9808-9090 – Site: www.surartegastronomica.com.br 
Facebook: www.facebook.com/surartegastronomica Instagram: @restaurantesur