search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for junho, 2014

Cada vez mais prestamos atenção nos vinhos produzidos em regiões elevadas, frias, acima de 1000 metros de altitude. Os chamados “vinhos de altitude” apresentam características próprias, favorecidos pela lenta maturação da uva, e também pela amplitude térmica, a variação de temperatura entre o dia e a noite.

Recentemente tive a oportunidade de conhecer a convite da Wines of Argentina, representada no Brasil por Deco Rossi, Salta (Cafayate), um lugar mágico nas alturas da Argentina.

Didu Russo, Deco Rossi e Beto Gerosa – companheiros de viagem em parada no caminho de Salta para Cafayate – Reserva Natural de Quebrada de las Conchas, com cânions esculpidos pelo vento e pela água durante 60 milhões de anos. O visual é de perder o fôlego.

Na região vinícola de Salta tudo gira em torno da cidade de Cafayate, que fica situada ao sul da capital, na encantadora e histórica Valles Calchaquíes, que se estende até a província de Catamarca. O micro clima é ideal para o cultivo de uvas: dias ensolarados, baixa umidade e uma grande amplitude térmica, cerca de 20 graus entre o dia e a noite. Salta é o lar de alguns dos mais altos vinhedos da Argentina, com altitudes que variam de 1600 a 3000 metros, que é o caso da Bodega Colomé, que atingi a altura Máxima.

Com apenas 2.300 hectares de vinhedos, Salta produz menos de um por cento de todo o vinho na Argentina, mas é o lar para diversas vinícolas conceituadas, incluindo, El Porvenir de los Andes, Bodega Etchart, El Esteco, San Pedro de Yacochuya e Colomé. O enólogo francês Michel Rolland foi o primeiro grande nome a acreditar na região, se associando ao projeto da Yacochuya, que não tivemos a oportunidade de visitar dessa vez.

Salta produz uma grande variedade de uvas, porém a mais famosa é a Torrontés, autóctone da região, vem ganhando prestígio e atraindo investimento estrangeiro para região. A Torrontés tem um perfume floral e cítrico muito particular. Existem diferentes cruzamentos de Muscat de Alexandria com Criolla. Ambas estas variedades foram tragas a Argentina por missionários espanhóis em meados dos anos Século 16. São elas: Torrontés Riojano, Torrontés Sanjuanino (também chamado Moscatel Romano), e Torontel (também, às vezes chamado Moscatel Amarillo). A quarta Torrontés, a Torrontés Mendocino, é um cruzamento de Moscatel de Alexandria com outro desconhecido varietal. Este uva não tem os aromas florais, como do outro Torrontés. Existe um consenso generalizado de que somente uma destas variedades Torrontés Riojano-produz vinhos de qualidade, e mais dos vinhos da mais alta qualidade são feitos hoje na província de Salta e, em particular, o Vale dos Cafayate.

A primeira parada foi na Bodega Etchart, localizada a mais de 1.750 metros acima do mar nível, considerado um dos mais altos vinhedos do mundo. Em 1938 Arnaldo Etchart adquiriu a propriedade de apenas 65 hectares e começou a elaborar vinhos premium. Atualmente a propriedade tem 360 hectares. Em 1996 foi incorporada pelo grupo Pernod Ricard que não poupou esforços financeiros para melhorar a qualidade das vinhas e das instalações.

Os vinhos estão disponíveis no Brasil. São importados pela www.pernod-ricard.com.br. Os degustados estão listados abaixo, com destaque para os em vermelho.

  • Cafayate Reserve Chard 13
  • Cafayate Torrontes 13
  • Cafayate Reserve Torrontes 13
  • Cafayate Gran Linaje Torr 13
  • Etchart Privado Malbec Rose 13
  • Cafayate Reserve Malbec 13
  • Cafayate Reserve CS 13
  • Cafayate Gran Linaje Malbec 12
  • Cafayate Gran Linaje CS 12
  • Arnaldo B Gran Reserva 10
  • Gran Linaje Torrontes Tardio 13
  • Petit Verdot Barrica 13
  • Malbec Barrica 13
  • Tannat Barrica 13
  • Ancelota Barrica 13

Localização e contato: Ruta Nacional Nº 40 – Km 4338 – Cafayate – CEP 4427 – Salta – Telefone: (++54) 3868 421310 – 421312 – Fax: (++54) 3868 421529)

A outra parada foi em uma pequena propriedade comandada pela família Romero-Marcuzzi, com 80 hectares de vinhedos a 2000 metros acima do nível do mar, a Bodega El Porvenir, que tem a sede localizada no meio da cidade. Totalmente dedicada a elaboração de pequenas quantidades, resultando em vinhos de grande qualidade e personalidade, é monitorada por uma equipe de peso. Entre eles, o enólogo Mariano Quiroga Enólogo, e a supervisão de Paul Hobbs.

A Bodega produz dois rótulos principais, Laborum e Amauta. São importados no Brasil pela Grand Cru > . Os degustados estão listados abaixo, com destaque para os em vermelho.

  • Amauta Single Vineyard Torr 13
  • Amauta Absoluto Tannat 2013
  • Amauta Corte 3 Mbc/CS 2012
  • Amauta Corte 4 CF/Mbc 2013
  • Laborum CS 2012
  • Laborum Tannat 2012
  • Laborum Torrontes Otoño 12

Localização e contato: Córdoba 32 (CEP4427) – Cafayate – Phone: +54 386 842 2007 – Mapa.

A ultima parada foi na Bodega El Esteco, que teve os irmãos David e Salvador Michel, de origem francesa, como fundadores. Em 1892, eles plantaram as primeiras vinhas e construíram a vinícola, que produz vinhos premium, sem participar nos segmentos de vinhos de entrada, lojas de vinho e varejistas de alto nível. Também cultivam uvas orgânicas que são elaboradas na El Transito e, recentemente, lançou a linha CUMA, somente de variedades orgânicas.

Pensando nos turistas exigentes, construiu um surpreendente Wine Hotel & Spa, de 5 estrelas, operado pela Starwood Hotels, chamado Pátios de Cafayate. O hotel está localizado ao lado da adega. A proposta é que os hóspedes tenham imersão no mundo do vinho. Durante a estadia, vão descobrir os segredos do vinho no mesmo lugar onde são produzidos, participando da colheita entre outras atividades.

Os vinhos estão disponíveis no Brasil. São importados pela www.bruck.com.br. Os degustados estão listados abaixo, com destaque para os em vermelho.

  • Sauvignon Blanc Tanque I 2014
  • Sauvignon Blanc Tanque II 2014
  • Sauvignon Blanc Tanque III 2014
  • Torrontes Tanque 2014
  • Ciclos Torrontes 2013
  • Ciclos Sauvignon Blanc 2013
  • Ciclos Malbec 2012
  • Cuma Malbec 2013
  • Cuma CS 2013
  • Fincas Notables Malbec 2011
  • Fincas Notables CS 2011
  • Fincas Notables Tannat 2011
  • Ciclos Icono 2011
  • Altimus 2010
  • Cuma Torrontes 2013

Localização e contato: Route 40 e Route 68 -CEP: 4427 – Telefone: +54 11.5198.8000 - Fax: +54 11.5198.9049 – Mapa.

Ficamos hospedados no Hotel Altaluna, recomendo, fantástico!

Olha só o visual da piscina!

O inverno convida para um brinde com vinhos encorpados de ótima cepa. Com a ajuda do colunista e expert na bebida de Baco Silvestre Tavares, garimpamos 40 rótulos de até R$ 50 em adegas e supermercados da Grande Vitória. Seleção inclui rótulos de Chile, Argentina, Brasil, Portugal, África do Sul e Uruguai. Confira:

1 – Los Haroldos Malbec Cabernet Sauvignon 2011 (Argentina): Aromas de frutas vermelhas e notas de especiarias. Ideal para acompanhar carnes de caça e queijos fortes. Extraplus – R$ 25,80

2 – Doña Dominga Reserva Cabernet Sauvignon 2010 (Chile): Produzido no Vale de Colchágua, vai bem com espeto misto de carne. Extraplus – R$ 27,90

3 – Finca La Daniela Malbec 2011 (Argentina): Aromas de frutas vermelhas frescas. Vai bem com panqueca de carne, pizza de peperoni e carne de panela com legumes – wine.com.br – R$ 32

4 – Salton Intenso Merlot 2010 (Brasil): Aromas de ameixas e uvas passas, caramelo, café, chocolate e especiarias. Harmoniza com carnes vermelhas e de caça, além de massas condimentadas e queijos. Extraplus -  R$ 33,90

5 – Hemisferio Reserva 2012 (Chile): Tinto 100% Carmenère da vinícola Miguel Torres com 13% de álcool. Ótimo com arroz carreteiro. Wine4Friends – R$ 34

6 – Morandé Pionero Carmenère 2012 (Chile):  Aromas de frutas negras, cereja e notas de tomilho e noz moscada. Grand Cru - R$ 34

7 – Chronos Classic Carmenère 2013 (Chile): Aromas de frutas vermelhas e baunilha. Harmonize com macarrão à bolonhesa e cordeiro. Espaço D.O.C. – R$ 35

8 – Tabalí Reserva Merlot (Chile): Aromas que ressaltam uma mistura de frutas vermelhas e pretas. Toques de baunilha torrada. Supermercado Carone - R$ 35,80

9 – Don Giovanni Merlot 2010 (Brasil): Tinto 100% merlot com seis meses em barris de carvalho. Wine4Friends – R$ 36

10 – Miolo Reserva Cabernet Sauvignon 2012 (Brasil):  Aromas de frutas vermelhas maduras e toque de manjericão. Acompanha contrafilé na chapa e espaguete à carbonara. Wine.com.br – R$ 38

11 – Joffré Expresiones de Terroir Malbec 2013 (Argentina):  Aromas de frutas vermelhas, cerejas e amoras. Amável na boca, com taninos suaves e elegantes. Grand Cru - R$ 38

12 – Cinco Sentidos Reserva Malbec 2011 (Argentina): Tinto com 12 meses em barricas de carvalho (americano e francês). Aromas de frutas negras maduras, notas de baunilha e couro. Vai bem com aves e carne vermelha grelhados. Supermercado Perim - R$ 38,90

13 – Puerto Carmelo by Narbona 2010 (Uruguai): Tinto 100% Tannat da Bodega Narbona, sem carvalho, com teor alcoólico de 14%. Wine4Friends – R$ 39

14 – Elbo 2012 (Espanha): Aromas de frutas vermelhas maduras, cereja, groselha, amora e mirtilo, com notas de especiarias. Vai bem com ossobuco com polenta e bife ancho na brasa. 100% Tempranillo. Espaço D.O.C. - R$ 39

15 – Duque de Campo 2012 (Espanha): Elaborado com as uvas Bobal (80%) e Shiraz (20%). Espaço D.O.C. – R$ 39

16 – Carlos Reynolds 2010 (Portugal): Corte das uvas Aragonês (40%), Trincadeira (40%) e Alicante Bouschet (20%). Aromas de frutas vermelhas maduras, com notas florais. Ótimo para escoltar cozido português e ensopado de carne. Wine.com.br – R$ 40

17 – Cape Elephant Ruby Cabernet 2012 (África do Sul): Notas aromáticas de ameixa preta e amoras, complementados por tons de baunilha. Excelente acompanhamento para massas, pizzas e carnes grelhadas. Supermercado Perim - R$ 41,52

18 – Los Vascos Cabernet Sauvignon 2011 (Chile): Aromas de frutas vermelhas maduras, com nuances de pimenta negra e noz moscada. Vai bem com churrasco, carpaccio e espaguete à bolonhesa. Wine.com.br - R$ 42

19 – Vistamar Sepia Reserva Cabernet Sauvignon 2012 (Chile): Aroma de amora com toques de couro e de chocolate. Na boca, é leve, macio e equilibrado. Grand Cru - R$ 42

20 - Primus Veramonte Blend 2010 (Chile): Corte de Cabernet Sauvignon, Syrah, Merlot e Carmenére com teor alcoólico de 14,5%. Extraplus – R$ 44,90

21 – Andeluna Malbec 2012 (Argentina): Proveniente de videiras plantadas a 1.300 metros acima do nível do mar, tem paladar equilibrado e bem-estruturado, com taninos maduros. Vila Fruti - R$ 44,99

22 – Ravanal Gran Reserva 2011 (Chile): Feito com Cabernet Sauvignon, apresenta aromas de tostado e tabaco. Envelhecido por 14 meses em barricas de carvalho francesas. Vila Fruti - R$ 44,99

23 – Novas 2011 Cabernet Sauvignon e Merlot (Chile): Tinto com aromas doces de raspas de morango complementadas por especiarias. Envelhecido por 12 Meses em barricas de carvalho francês. Vila Fruti - R$ 44,99

24 – Palmira Gran Reserva Carmenère 2011 (Chile): Aroma com notas de frutas frescas e maduras (guindas e groselhas). Final elegante. Zanatta Wine - R$ 45

25 – Palmira Reserva Cabernet Sauvignon (Chile): Os aromas desse vinho lembram fruta madura com notas suaves de madeira. Zanatta Wine – R$ 45

26 – Novas Emiliana Gran Reserva Carmenére-Cabernet Sauvignon 2011 (Chile): Ótima companhia para carnes vermelhas assadas e grelhadas e porco com molho de vinho tinto e especiarias. Supermercado Perim - R$ 45,65

27 – Vega Sauco Piedras Crianza (Espanha): Tinto potente, carnudo, equilibrado. Aroma complexo, de frutas confitadas, cedro e couro curtido. 100% Tempranillo. Supermercado Carone - R$ 45,80

28 – Punto Final 2012 (Argentina): Tinto com aromas de frutas vermelhas, pimenta preta, baunilha e cravo. Acompanha carnes grelhadas e paleta de cordeiro. DZ Empório - R$ 45,90

29 – Don Laurindo Cabernet Sauvignon 2008 (Brasil):  Tinto com aroma de frutas vermelhas e especiarias integrado à madeira de carvalho. Complexo, acompanha carnes vermelhas, cordeiro, pato, bacalhau e massas com molhos fortes. DZ Empório – R$ 46,20

30 – Singularis de Paulo Laureano (Portugal): Aromas resinosos e tostados da madeira e boa fruta. Na boca, toque de baunilha e final defumado. Supermercado Carone – R$ 46,50

31 – Almaúnica Malbec (Brasil): Aromas de frutas vermelhas e negras (cereja, cassis e amora) integrados com aromas de baunilha e chocolate. Acompanha carnes. DZ Empório – R$ 47

32 – Tarima Monastrell 2011 (Espanha): Notas de chocolate escuro, tabaco, cravo e jabuticaba. 91 pontos de Robert Parker. Grand Cru - R$ 47

33 – Zuccardi Serie A Bonarda 2011 (Argentina): Aroma intenso de frutas vermelhas (amora, mirtilo e cereja) e notas de especiarias. Combina com carnes de sabor mais forte e massas com molhos condimentados. Supermercado Perim - R$ 47,80

34 – Pericó Basalto 2008 (Brasil): Aroma de especiarias e madeira. Vai bem com carne de cordeiro, churrasco, carne de sol, rabada, costela e barreado. DZ Empório – R$ 48

35 – Santa Digna Reserva 2010 (Chile): Com seis meses de passagem em carvalho, este chileno 100% Merlot tem 14% de álcool. Wine4Friends – R$ 49

36 – Rondineto Merlot 2011 (Itália): Vinho delicado e frutado, com notas de especiarias. Zanatta Wine - R$ 49

37 – Rondineto Pinot Nero (Itália): Vinho com aromas florais de violeta com notas frutadas e de especiarias. Zanatta Wine - R$ 49

38 – Toro D’Oro Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2010 (Chile): Aromas de café, amêndoas torradas, alcaçuz e cerejas. Dez meses em carvalho. Carone – R$ 49,80

39 – Herdade dos Coteis 2009 (Portugal): Elaborado com as uvas Trincadeira e Touriga Nacional, é encorpado e apresenta um frutado intenso. Oito meses em barrica de carvalho francês. Supermercado Carone - R$ 49,99

40 – Una Hectarea, Reserva Cabernet Sauvignon 2012 (Chile): Aromas de especiarias (canela e baunilha), com notas de pimenta negra, framboesas e cassis. Harmonize com carne de panela com farofa e dobradinha com feijão branco. Espaço D.O.C. R$ 50

Na entrada do consulado português, em São Paulo, este painel de rolhas reproduz o estádio do Maracanã.

A revista inglesa Decanter divulgou essa semana a lista com os melhores vinhos no ano, Decanter World Wine Awards (DWWA) 2014. Veja abaixo os vinhos do Chile que receberam medalha de ouro.

  • Calyptra Sauvignon Blanc Gran Reserva 2011 – Cachapoal – R$ 95 – www.wine.com.br
  • Concha y Toro Casillero del Diablo Reserva Privada Sauvignon Blanc 2013 – Limarí Valley – R$ 75 – VCT
  • Despechado Pinot Noir 2013 – Casablanca Valley
  • Errazuriz Pinot Noir 2012 – Aconcagua Costa – R$ 59 –
  • Indómita Gran Reserva Carignan 2012 – Maule – R$ 57 –
  • Amayna Syrah 2012 – Leyda Valley – San Antonio – R$ 120 – www.mistral.com.br
  • Mayu Piggy Bank Carmenère 2012 – Elqui Valley
  • San Pedro Gato Negro Carmenère 2013 – Central Valley – Best Buy (custo x beneficio) – R$ 30 – www.interfood.com.br
  • Mayu Reserva Malbec 2012 – Elqui Valley
  • Santa Ema Rivalta 2011 (60% Cabernet Sauvignon, 22% Syrah, 12% Carmenère) – Maipo Valley – R$ 298 – www.vinotecabrasil.com.br
  • Ventisquero Grey Pinot Noir 2012 – Leyda Valley – San Antonio – Cantu

Está confirmado! No dia 04 outubro próximo, Vitória receberá a edição 2014 da festa germânica mais popular do mundo, a Oktoberfest, comemorada anualmente em vários países do mundo e que tem como objetivo celebrar a cultura alemã com muita cerveja e comidas típicas. A Oktoberfest de Vitória acontecerá na sede social do Álvares Cabral, com todas as atrações tradicionais da festa, como grupos de dança alemã, bandas e artistas expressivos da cultura capixaba, muito chope, comida alemã e alegria.

Promovida pela Casa do Cervejeiro, localizada no Hortomercado, em Vitória, a festa acontece em um ambiente amplo, climatizado e com muita segurança para todos que forem curtir as comemorações. Entre as principais atrações estarão os 1000 litros dos chope claro e escuro, vendidos com exclusividade pela Casa do Cervejeiro, além do chope de trigo Weihenstephaner vindo de Munique, produzido pela mais antiga cervejaria do mundo. Por se tratar de uma festa tradicional alemã, a culinária típica do país também estará presente.

No cardápio, o salsichão alemão, joelho de porco com chucrute e batatas, além do tradicional churrasquinho brasileiro.

Os ingressos estarão à venda a partir do dia 02 de agosto de 2014 e darão direito à camisa personalisada do evento, caneca de chope personalizada com tirante e os shows.

Perfil oficial

Para que todos estejam antenados com as novidades da Oktoberfest de Vitória, a fanpage do facebook com perfil da festa: facebook/oktoberfestdevitoria estará sempre atualizada, promovendo interação entre a organização e seu público alvo. Espaço para as crianças.

Já foi dada a largada para a 9ª edição do Espírito Santo Restaurant Week! As inscrições de estabelecimentos estão abertas até 21 de julho, por meio do envio da ficha de inscrição preenchida. O festival de inverno será realizado entre 15 e 28 de setembro, com a participação de 40 restaurantes capixabas. O festival é realizado há mais de duas décadas em várias cidades do mundo, reunindo alguns dos melhores restaurantes da cidade como objetivo de disseminar a boa gastronomia com cunho social.

A edição de inverno do festival trará a proposta temática da gastronomia fusion, característica da culinária contemporânea que propõe ingredientes de diferentes partes do mundo em um único prato. Com isso, consegue-se inovar no sabor, com sensações nunca antes sentidas. “Com o tema acreditamos que os chefs terão bastante criatividade para elaboração dos menus. Na maioria das vezes misturam-se pratos, ingredientes ou técnicas de cozinha entre países do ocidente e do oriente, levando a troca de cultura no paladar”, comenta o responsável pelo Restaurant Week no Brasil, Fernando Reis.

Os menus a serem servidos contarão com entrada, prato principal e sobremesa, no valor de R$ 37,90 no almoço e R$47,90 para o jantar. Além disso, o festival mantém o cunho social, proposto desde sua criação. O Restaurant Week arrecada o valor de R$ 2,00 (ou mais) doado por clientes, que será revertido para a APAE Vitória. Para a doação, o restaurante pode acrescentar o valor na conta de cada menu vendido.

Informações de inscrição pelo telefone (27) 3327-2200 ou e-mail .

(MF) Um corte de Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Mourvèdre e Syrah. Colheita realizada em 13/12/2010 debaixo de temperaturas entre -9° e -11° C. | RS: 140 g/L | Acidez total: 12,6 g/L
PH: 3,31 | Embora não entre em maiores detalhes e haja no site do produtor menção à utilização de leveduras selecionadas, de acordo com o texto abaixo parece haver um viés de não intervenção na elaboração dos vinhos: ”A Natural Choice. The Only Choice. Preserving the environment for future generations has always been part of winemaking. So, our vision for Stratus Vineyards has always included sustainability. When we built the winery, we used recycled materials wherever possible and incorporated environmentally responsible features, like a super-insulated roof and geothermal heating and cooling. We also chose native plants and flowers for our landscaping because they can thrive without the support of chemical fertilizers or pesticides. We even considered sustainability when paving our parking lot – selecting a stone that reduced light-reflected heat.”.
Frutinhas vermelhas ácidas e docinhas. Ótimo equilíbrio RS/ acidez. Delicinha pra fechar a noite.

(MF) – Corte de Grenache, Carignan, Syrah e Mourvèdre fermentado em vat de concreto e amadurecido em foudres. Uma belezura do sul da França. Lado a lado com o Chinon da Tia Olga, nota-se perfeitamente as características de um vinho de clima mais quente, sem que isso signifique muita extração ou falta de acidez. Equilíbrio perfeito, com fruta precisa, de altíssima qualidade, já mostrando sinais de evolução, pedra, sangue e madeira, mais uma vez, totalmente integrada. Elegante. Muito macio em boca. Final a perder de vista. Muita estrada pela frente. Delicioso!

(MF) – Uma belezura do norte da França. Tia Olga não brincava em serviço. Nariz com fruta linda, evoluída, estrebaria e mato seco. Madeira totalmente integrada. Boca elegante, com taninos amansados, acidez supimpa e final longo. Sem sinais de cansaço, indicando ainda ter chão pela frente.

(MF) – Corte de Clairette 80%, Grenache Blanc 10%, Ugni Blanc 6%, Bourboulenc 2% e Muscat Blanc 2%, de vinhas com idade média de 50 anos. Leveduras nativas.
Alguém consegue “decifrar” isso aqui? “STORAGE, MATURING: In small oak casks for 18 months, 6 of them in fine lees. Matured in barrels for one year before bottling.”.
Coisa linda. Fruta comportada (e nem um pouco compotada) escoltada por agradável caráter resinoso e mineral. Bom corpo e ótima acidez. Pareceu ter estrutura para uma longa e bonita caminhada. Na comparação com o Frei João branco 1967 (motivo pelo qual fui presenteado com essa garrafa), realmente achei que há semelhanças, embora o FJ tenha me parecido ser um vinho com menos corpo e intensidade (o que talvez seja fruto da considerável diferença de idade).