search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for abril, 2013


ATENÇÃO fãs do mundo do Vinho!!

O BLOG VIVENDO A VIDA está sorteando 2 convites para JANTAR HARMONIZADO no RESTAURANTE LAREIRA PORTUGUESA – DIA 06/05 – SEGUNDA FEIRA, completamente GRÁTIS! Somente para moradores da região da GRANDE VITÓRIA/ES. O jantar contará com a presença de um dos melhores enólogos de Portugal, DOMINGOS ALVES DE SOUSA, que apresentará 7 VINHOS de sua vinícola. Detalhes no banner. Para participar entre na pagina do blog no facebook
http://migre.me/el7FP e seguir os passos abaixo!

Passo 1) Curta a foto 

Passo 2) Compartilhe a foto e curta

Os vencedores serão selecionados aleatoriamente para moradores da Região da Grande Vitória/ES , mas certifique-se de seguir todos os passos!

Data prevista para o sorteio 4 de maio de 2013 – SÁBADO (12:00)

A partir de hoje começo a falar sobre a ExpoVinis 2013 e algumas degustações paralelas interessantes que participei dentro da programação do evento. A primeira “Degustação Premium” teve como tema os 10 melhores vinhos nacionais, eleitos pelos jurados do evento. O painel foi conduzido por Hector Riquelme, um dos jurados (Sommelier Chileno, degustador do Decanter Wine Award). Riquelme (foto acima), que veio ao Brasil exclusivamente para o evento é considerado o melhor sommelier chileno, coaltor do guia Descorchados e vice-presidente da associação chilena de sommeliers.

Os vinhos degustados e a minha opinião abaixo:

Villaggio Grando Brut Rosé

Foi considerado pelos jurados o melhor espumante nacional na prova Top Ten. É proveniente de um terroir localizado na região de Herciliópolis, Município de Água Doce, nos campos de altitude de Santa Catarina em um planalto de características únicas de solo e clima, próprios para o desenvolvimento de vinhedos que resultam em ótimas uvas.

Elaborado pelo método “Charmat” com as uvas Pinot Noir e Merlot, apresenta na taça um visual casca de cebola, aromas de frutas vermelhas bem destacada. Se faz sentir a estrutura do Pinot Noir e o frescor característico dos espumantes brasileiros. Um vinho versátil, gastronômico e também para aperitivo. Equilibrado, com teor de álcool – 11,5%. Nota: 87/100

Quinta do Bonifacio Habitat Brut Rosé

Quinta Don Bonifácio é uma vinícola familiar, comandada pelos irmãos Marina e Gonçalo Libardi. Está situada a 800 metros de altitude em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. O projeto nasceu no ano de 2000 com a construção do Vinhedo Santa Lúcia e do Vinhedo São Francisco.

Elaborado pelo método Champenoise, o mesmo usado por espumantes da região de Champagne, com a uva Pinot Noir . Permaneceu por 24 meses em contato com as leveduras. Apresentou um visual casca de cebola, mais fechado, austero, não tão aromático como o primeiro. Boca fresca, ideal para mariscos. 12% de álcool. Nota: 88/100

Casa Geraldo Brut

Vinícola que produz vinhos no extremo sul de Minas Gerais há mais de 30 anos, com uvas provenientes da Serra Gaúcha. Elaborado com a uva Chadonnay, apresenta um visual claro, aromas terrosos, seco, boa acidez e equilíbrio. 12% de álcool. Nota: 86/100

Campos de Cima Extra Brut 

A vinícola Campos de Cima está situada na cidade de Itaqui, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, quase na Argentina. 

Elaborado com uvas Chardonnay e Pinot Noir, é sem dúvida, o melhor espumante brasileiro da categoria de preço. Perlage abundante e muito duradouro mesmo. Aromas de fermentação (panificação) e frutas. Ótima acidez, cremoso e longo, 12,5%. Nota: 90/100

Dadivas Chardonnay 2012

A Lidio Carraro, pequena e jovem vinícola boutique da Serra Gaúcha
(Encruzilhada do Sul – RS), com uma qualificada lista de reconhecimentos na Europa e nos Estados Unidos, foi a que conquistou o exclusivo selo de Vinho Licenciado Oficial da Copa do Mundo da FIFA 2014.

Vinho ganhador entre os 10 melhores vinhos da feira, apresentou um nariz bastante floral e frutado. Boca leve, fresco com notas de lichia, fazendo lembrar um Torrontés. Não passou por madeira. 14% de álcool. Nota:87/100

Salton Virtude 2011

A gigante Salton, localizada na Serra Gaúcha, tem 30.000 metros de área coberta, em 70 hectares de área e foi integralmente construída com recursos próprios. Aliás, não se trata somente de uma vinícola e sim de um projeto ambicioso, que inclui restaurante, vistas ao eno-turismo e muito mais.

O seu virtude é um campeão de prêmios, fermentado em barrica, apresenta um visual amarelo intenso, aroma de frutos secos e tropicais, coco e baunilha. Boa acidez, corpulento, encanta. Adorei.  Tem fruta para aguentar esse carvalho novo. 13% de álcool. Nota: 90/100

Perini 4 2009

O vinho tinto Perini Qu4tro safra 2009 conquistou o Top Ten da Expovinis 2013. Esta é a primeira vez que a Vinícola Perini, do Vale Trentino, tem um rótulo eleito entre os 10 melhores vinhos da Expovinis. OPerini Qu4tro, rótulo ícone da Vinícola Perini, foi eleito o melhor na categoria vinho tinto nacional da Serra Gaúcha.

Elaborado a partir da assemblage de Cabernet Sauvignon, Merlot, Tannat e Ancellotta, apenas em anos considerados excepcionais na qualidade das uvas, tem uma produção limitada a 10.000 garrafas. Na taça apresnta um visual violáceo intenso, novo, com aromas de frutas morango, amoras, frutas, com leve especiarias (pimenta branca). Paladar com boa acidez e corpo, com notas de café e baunilha. 12% de álcool. Nota: 89/100

Don Gerrino Gran reserva Terondego 2012

A Don Guerino é uma das mais modernas e belas vinícolas do país, rodeada por uma área de 50 hectares de vinhedos, numa paisagem única que encanta seus visitantes. NasceU no ano de 2000, no município de Alto Feliz, na serra Gaúcha, com o plantio das primeiras videiras.

A Terondego é uma uva tinta italiana que se adaptou bem ao clima da região sul do Brasil, mais precisamente no vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves – RS. 

Visual violáceo, aroma com uma fruta bastante viva, lembrando frutas vermelhas e tuti fruti. Muito potente em boca, gastronômico, boa acidez. Boa persistência. Nota: 87/100

Pericó Basaltino Pinot Noir 2012

A Vinícola Pericó é uma vinícola brasileira localizada na serra catarinense fundada em 2003 por Wandér Weege, administrador da Malhas Malwee. Super premiada, mostra o que o terroir de altura pode agregar para o vinho.

A Pinot Noir se adaptou muito bem ao vale e o Basaltino sem duvida é a prova disso. Recebeu o primeiro lugar na premiação TOPTEN , na categoria Tintos Nacionais de Outras Regiões. Apresentou um visual rubi, aroma de frutas vermelhas, framboesas, morango, terrosas e uma tostado intenso. Boca fresca, fruta limpa, com bom equilíbrio e álcool. Boa persistência.  Nota: 90/100

Suzin Zelindo 2008

A SUZIN é uma vinícola jovem de origem italiana que teve início em São Joaquim, Santa Catarina em meados de 2001, criada pelo patriarca da família Sr. Zelindo Melci Suzin, atualmente com 73 anos, juntamente com seus dois filhos, Everson e Jeferson Suzin.

O seu vinho Zelindo é um corte de 70 Merlot e 30 CS, estagiou de 10 meses em barricas de carvalho francês. Na taça apresentou visual violáceo, aroma de pimenta preta, torrefação, couro novo. Encorpado, sobra um pouco de Madeira. Ideal para acompanhar um churrasco.  14% de álcool. Nota: 88/100

Foi anunciada a lista dos 50 melhores restaurantes do mundo, ​prêmio organizado pela revista inglesa Restaurant, considerado o Oscar da gastronomia mundial. O restaurante espanhol El Celler de Can Roca ficou com o primeiro lugar da lista.

Em 2012, o vencedor El Celler de Can Roca, dos irmãos Joan, Josep e Jordi, havia alcançado o segundo lugar. Já o vencedor por três anos consecutivos, o dinamarquês Noma, ficou com a segunda posição neste ano. O restaurante brasileiro Maní, da chef Helena Rizzo, que ficou em 51º lugar em 2012, conquistou novo status, já que ficou entre os 50 melhores em 2013.

O resultado contraria as expectativas de que o brasileiro Alex Atala conquistaria o primeiro lugar da lista, divulgada no mesmo mês em que o chef do D.O.M. foi eleito uma das 100 personalidades mais influentes do mundo pela revista Time. Até René Redzepi, chef e sócio do então número 1, o Noma, havia assumido o favoritismo do D.O.M. Mas, caiu para sexto. 

O espanhol El Celler de Can Roca é moderno e fica na pequena cidade de Girona, na costa da Catalunha. No restaurante, são servidas azeitonas caramelizadas de entrada, que chegam à mesa em árvores de bonsai, e pratos clássicos catalães.

O anúncio oficial da premiação será feito em cerimônia em Londres, a partir das 16h desta segunda-feira (29).

Veja a lista completa, divulgada pelo site do jornal espanhol El Pais:

El Celler de Can Roca, Girona, Espanha

2. Noma, Copenhague, Dinamarca
3. Osteria Francescana, Modena, Itália
4. Mugaritz, San Sebastián, Espanha
5. Eleven Madison Park, Nova York, EUA
6. D.O.M., São Paulo, Brasil
7. Dinner by Heston Blumenthal, Londres, Reino Unido
8. Arzak San Sebastián, Espanha
9. Steirereck Viena, Áustria
10. Vendôme Bergisch Gladbach, Alemanha
11. Per Se, Nova York, EUA
12. Frantzén/Lindeberg, Estocolomo, Suécia
13. The Ledbury, Londres, Reino Unido
14. Astrid y Gastón, Lima, Peru
15. Alinea, Chicago, EUA
16. L’Arpège, Paris, França
17. Pujol, México DF, México
18. Le Chateaubriand, Paris, França
19. Le Bernardin, Nova York, EUA
20. Narisawa, Tóquio, Japão
21. Attica Melbourne, Austrália
22. Nihonryori RyuGin, Tóquio, Japão
23. L’Astrance, Paris, França
24. L’Atelier Saint-Germain de Joël Robuchon, Paris, França
25. Hof Van Cleve, Kruishoutem, Bélgica
26. Quique Dacosta Dénia, Espanha
27. Le Calandre, Rubano, Itália
28. Mirazur, Menton, França
29. Daniel, Nova York, EUA
30. Aqua, Wolfsburg, Alemanha
31. Biko, México DF, México
32. Nahm, Bangkok, Tailândia
33. The Fat Duck, Bray, Reino Unido
34. Fäviken Järpen, Suécia
35. Oud Sluis Sluis, Bélgica
36. Amber Hong Kong, China
37. Vila Joya Albufeira, Portugal
38. Restaurant Andre, Singapura
39. 8 1/2 Otto E Mezzo Bombana, Hong Kong, China
40. Combal.Zero, Rivoli, Itália
41. Piazza Duomo, Alba, Itália
42. Schloss Schauenstein, Fürstenau, Suíça
43. Mr & Mrs Bund, Xangai, China
44. Asador Etxebarri Atxondo, Espanha
45. Geranium Copenhagen, Dinamarca
46. Maní, São Paulo, Brasil
47. The French Laundry, Yountville, EUA
48. Quay, Sydney, Austrália
49. Septime, Paris, França
50. Central, Lima, Peru

O respeitado crítico de vinhos e apresentador de televisão britânico Olly Smith apresentou recentemente a sua seleção dos 50 melhores vinhos de Portugal. Olly Smith degustou dezenas de vinhos portugueses procurando elaborar uma seleção que demonstrasse o talento e o caráter único dos vinhos portugueses. A lista contempla os vinhos Best Value (bons e baratos) com preços que variam entre as £7 e £30 libras inglesas.

Vinhos brancos

1. Vales de Ambrães – Avesso 2012 | Vinho Verde

2. Casa da Senra 2012 | Vinho Verde

3. Soalheiro 2012 | Vinho Verde

4. Alvarinho Solar de Serrade 2012 | Vinho Verde

5. FP 2012 | Bairrada

6. Quinta da Raza Arinto 2012 | Vinho Verde

7. Montes Ermos Reserva 2011 | Douro

8. Beyra Quartz 2011 | Beira Interior

9. Redoma 2011 | Douro

10. Quinta de la Rosa 2011 | Douro

11.  Pato Frio Antão Vaz 2011 | Alentejo

12. Vinhas do Lasso 2010 | Lisboa

13. Dona Ermelinda 2011 | Península de Setúbal

14. Valle Pradinhos 2011 | Trás-os-Montes

15. Muros de Melgaço 2011 | Vinho Verdes

16.  Quinta de Saes Encruzado 2011 | Dão

17. Quinta dos Roques Encruzado 2011 | Dão

18. Esporão Reserva 2011 | Alentejo

19. Arenae 2010 | Lisboa

Vinhos Tintos

20. Marquês de Borba 2011 | Alentejo

21. Almeida Garrett, DOC Beira Interior TNT 2010 | Beira Interior

22. Sexy 2011 | Alentejo

23. Zéfyro 2009 | Alentejo

24. Altano Quinta do Ataíde Reserva 2009 | Douro

25. PAPE 2010 | Dão

26. Claudia’s 2009 | Douro

27. Manoella Douro 2010 | Douro

28. Quinta Nova – Colheita 2010 | Douro

29. F’OZ 2011 | Alentejo

30. Palpite 2010 | Alentejo

31. Poeira 2010 | Douro

32. Vertente 2009 | Douro

33. Casa Cadaval Trincadeira Vinhas Velhas 2009 | Tejo

34. Tinto da Ânfora 2010 | Alentejo

35. Duas Pedras 2011 | Alentejo

36. Crasto Superior 2010 | Douro

37. Quinta de Foz de Arouce 2009 | Beiras

38. Quinta dos Quatro Ventos 2009 | Douro

39. Aliança Bairrada Reserva 2011 | Bairrada

40. Quinta dos Roques 2010 | Dão

41. Esporão Reserva 2010 | Alentejo

42. Cedro do Noval 2009 | Douro

43. Julia Kemper Touriga Nacional 2009 | Dão

44. CH, Chocapalha 2009 | Lisboa

45. Quinta de la Rosa Reserve 2010 | Douro

46. Quinta do Sagrado Reserva 2007 | Douro

Vinhos fortificados

47. Henriques & Henriques Verdelho 15 Years Old | Madeira

48. Adega Coop. Favaios Moscatel de Favaios Colheita 1980 | Douro

49. Família Horacio Simões Bastardo 2009 | Península Setúbal

50. Dow’s Quinta do Bomfim  Vintage Port | Douro

O restaurante Aleixo em Vitória mostra que é amigo do enófilo ao isentar nas segundas e terças a polémica taxa de rolha (valor cobrado por um restaurante para cada garrafa de vinho que um cliente leva ao estabelecimento para ser consumida). Já é um bom começo. Um exemplo a ser seguido.

1o. Wine Blog HunterBlogs de vinho do Brasil escolheram durante a Expovinis vinhos que custam menos de R$ 50,00. O evento foi organizado pela Exponor com coordenação de César Adames e parceria da Wine Tag.

Os 14 vinhos degustados e os IPads com programas da Wine Tag que facilitaram a tabulação dos resultados.

Depois de 14 amostras o CAMPEÃO foi o espanhol Montecillio Crianza 2008.

Muito legal! Parabéns Cesar Adames e Exponor.

Siga-me -> Facebook |Instagram |Twitter|Linkedin|Rádio CBN

Quase 80% dos consumidores de vinho importado no país ganham mais do que R$ 2.076 ao mês, aponta pesquisa da consultoria Wine Intelligence, divulgada recentemente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). A pesquisa aponta, ainda, que 49% dos consumidores do produto acham que, de um modo geral, o vinho é uma bebida cara e apenas 37% dos consumidores  se sentem competentes com seu conhecimento sobre vinhos.

O estudo foi realizado em novembro de 2012 com 705 consumidores de vinhos importados ao menos duas vezes por ano.

De acordo com a pesquisa, apenas 3% dos consumidores de vinho importado no país recebem entre R$ 416 e R$ 830;  19% ganham entre R$ 831 e R$ 2.075; 31% recebem entre R$ 2.076 e R$ 4.150; 26% têm salários entre R$ 4.151 e R$ 8.300 e 15% recebem mais que R$ 8.300 (7% preferiu não responder).

O consumo de vinho branco tem crescido no país, diz a pesquisa. Proporcionalmente, o vinho tinto é consumido por 58% (ante 62% na pesquisa de 2010); 26% disseram beber vinho branco (ante 22% em dezembro de 2010) e 16%, o rosé. 

A pesquisa revelou que apenas 2% dos consumidores disseram tomar vinho todos ou quase todos os dias. Do total, 11% disseram que tomam vinho de 2 a 5 vezes na semana e 21%, uma vez por semana. Outros 33% disseram que tomam de uma a três vezes ao mês; 25% disseram que tomam uma vez a cada dois ou três meses e 10%, duas vezes por ano.

Cerca de 94% das pessoas na faixa etária de 18 a 59 anos que consomem vinho importado entre uma a duas vezes por ano disseram beber vinho tinto, enquanto 65% disseram consumir vinho branco.

O estado de São Paulo é o maior consumidor de vinhos, sendo que a capital é responsável por 29% e o interior 21%. Na sequência aparece o Rio de Janeiro, com 19%, e Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e Salvador, todas com 7%. Curitiba é responsável por 5%.

A frequência de consumo de vinhos importados é de uma a três vezes por mês para 33%, uma vez a cada dois ou três meses para 25% e uma vez por semana para 21% entre os respondentes.

G1

Siga-me -> Facebook |Instagram |Twitter|Linkedin|Rádio CBN

Matéria publicada hoje, 26/04, coluna Vivendo a Vida – Caderno Prazer & Cia – Jornal A Gazeta

Diariamente recebo e-mails solicitando dicas de vinhos com adjetivos que não costumam andar juntos “bons e baratos“. Com todas as taxas, tributos e margens de lucro dos comerciantes encontrá-los é uma tarefa cada vez mais difícil.

Dentre os países que mais oferecem essa relação custo x benefício, sem dúvida está Portugal. Com centenas de uvas nativas, também chamadas de “autóctones“, expressam em cada garrafa a história das regiões deste belo país.

Recentemente esteve em Vitória apresentando seus vinhos, o enólogo português Paulo Laureano, conhecido mundialmente por sua grande experiência e pelo bigode cheio de estilo. De bem com a vida, simpático, para ele, “O vinho tem que passar emoção, expressar o terroir, mostrar sua origem, identidade”.

Engenheiro agrónomo com especialização na área de enologia, pós graduado em Portugal, Espanha e na Austrália, durante 10 anos deu aulas na Universidade de Évora (1993-2003). Atualmente presta consultoria para mais 12 vinícolas espalhadas por Portugal, Ilha da Madeira e Açores. A grande maioria está no Alentejo, onde se destaca o Mouchão, e as restantes estão em Terras de Sado, Bucelas, Douro, Ilha do Pico e Madeira.

Em 1999 criou em Portugal, a Eborae Vitis e Vinus, uma empresa familiar de produção de vinhos, que em 2006 se dividiu na Paulo Laureano Vinus. Hoje em dia a Paulo Laureano Vinus, tem 120 hectares de vinhedos na Região Demarcada do Alentejo, num terroir de excelência que é a Vidigueira. A sub-região de Vidigueira foi eleita pela Associação de Municípios Portugueses do Vinho, como cidade nacional do vinho em 2013. Por lá, os vinhos são elaborados, com base na utilização de uvas com grande qualidade, expressando o clima quente do Alentejo, os solos de xisto (ardósia) dos vinhedos e as uvas autóctones. Anualmente estão produzindo quase 1 milhão de garrafas que são exportadas para todo o mundo.

Paulo é reconhecido por utilizar apenas uvas portuguesas, algo que sempre defendeu. “Gosto de manter essa personalidade tão própria que o Alentejo tem”, explica. Curioso perguntei: Qual a uva que melhor se adaptou ao terroir do Alentejo? “No Alentejo as melhores uvas tintas são a Trincadeira e o Alicante Bouschet, certamente”.

Para quem acha que a vida de um enólogo se restringe há época de sua produção está enganado. Paulo Laureano acompanha todas as fases de produção dos vinhos desde os vinhedos até à sua venda e promoção nos mercados, passando pela vinificação, maturação, envelhecimento, embalagem e expedição. Por isso a atividade do enólogo é continua e não se restringe aos meses da vindima.

A novidade do ano fica por conta do lançamento exclusivo para o mercado brasileiro do “Tradições Antigas Tinto 2011″. Único desde a concepção da garrafa com um formato de ânfora (Talha de barro), o rótulo tem uma edição limitada de 4 mil unidades. Sua elaboração é feita com cinco castas, fermentado em ânforas, através de uma técnica ancestral, utilizada pelos romanos há 2 mil anos e que cada vez é reutilizada no mercado. Nesse processo a uva é a artista principal, revelando sua essência, sem a máscara da madeira. Marketing? Preservação histórica? Não importa. Além de apresentar boa qualidade na taça, é sem dúvida um belo presente.

Paulo Laureano Reserve 2011 branco

Um corte de Antão Vaz, Arinto e Fernão Pires. O Antão Vaz com breve passagem em barricas novas de carvalho de francês e o Arinto estagiou em inox. Aroma intenso de frutas tropicais e secas, mel e baunilha. Paladar untuoso, maduro, em perfeito equilíbrio – 14% de álcool. Delicioso! Nota: 88/100 – R$ 68,90 – Onde encontrar: Carone

Paulo Laureano Clássico tinto 2011

Corte de Alfrocheiro, Aragonez e Tricadeira. Fermentado em inox. Aroma com bom ataque, frutas frescas, ameixa e amora, com toque de especiarias. Paladar leve e fresco, 13% de álcool, equilibrado. Muito bem elaborado. Excelente custo benefício. Nota: 88/100 – R$ 29,00 – Onde encontrar: Carone

Paulo Laureano Reserve tinto 2009

Um corte de Alicate Bouschet, Aragonez e Tricadeira. Amadureceu por longos 18 meses em barricas novas de carvalho francês. Aroma de fruta doce, especiarias, madeira nobre com fundo mineral. Paladar de bom corpo, taninos e acidez presentes – 14,5% de álcool – Gastronômico, pede comida. Nota: 89/100 – R$ 65,90 – Onde encontrar: Carone

Paulo Laureano Premium tinto 2010

Um corte de Alicate Bouschet, Aragonez e Tricadeira. Estagiou por 6 meses em barricas de carvalho francês. Aroma vivo de frutas negras, especiarias com fundo floral. Paladar seco, macio, e com taninos bem presentes – 13% álcool, bem equilibrado. Nota: 87/100 – R$ 39,90 – Onde encontrar: Carone

Produzido um dos melhores champagnes do mundo desde 1743, a Maison Moët & Chandon,segue sua tradição em apresentar a edição limitada, em versão exclusiva Imperial Diamond Collection – Golden Lace Jeroboam 2012. Vitória foi privilegiada. Recebeu a única garrafa disponível no Brasil. Ela esta a venda ela está à venda na Cantina do Bacco de Marcus Teixeira por R$ 20.000,00 reais. Alguém se habilita?

Personalizada de forma artesanal, uma garrafa Jeroboam do champagne Imperial recebeu um acabamento que retrata a pura essência do luxo – um suntuoso invólucro lapidado em ouro, capaz de tornar as celebrações ainda mais glamourosas. Para os que preferiram personalizar suas garrafas, o fabricante francês oferece um rótulo em metal que pode ser customizado.

Um selo comemorativo em cera traz o emblema do distrito de Epernay, na França, onde são produzidos os champagnes, e encerra uma fita preta que simboliza a gravata Moët, uma espécie de assinatura personalizada da marca desde 1886.

O champagne Moët Imperial foi concebido especialmente para as grandes ocasiões. Seu paladar frutado irradia sedução e maturidade, e pode ser harmonizado com diferentes menus. Seu blend combina três uvas de excelente qualidade, cultivadas nos melhores terroirs de Epernay, e que traduzem verdadeiramente o estilo da maison Moët & Chandon.


Continuando a maratona de feiras e eventos na semana de vinhos mais importante do Brasil em São Paulo, o Blog Vivendo a Vida participou do mais uma vez do Encontro de Vinhos OFF.

O evento foi criado para aproveitar o fluxo de pessoas na cidade em virtude da ExpoVinis (considera a melhor da américa latina), e também para atender importadores que não tem condições de bancar, ou não tem interesse em uma feira maior.


O formato do Encontro de Vinhos é “Wine Tasting“. O raciocínio é simples. Funciona como um rodízio de vinho. Por um preço único, no qual recebe uma taça, é possível conhecer vários rótulos, entre espumantes, brancos, tintos, doces e, conversar pessoalmente com alguns produtores e ficar atento as novidades do mercado.

O evento sem sobra de dúvidas vem crescendo. Prova disso foi a mudança de local para Casa da Fazenda do Morumbi, um casarão histórico do século XIX, que conta com uma área externa bem ampla, cercada de muito verde e um salão climatizado. Um espaço bem agradável.


Um dos destaques do evento foi a realização em um espaço exclusivo aonde 11 vinícolas do primeiro escalão do Vêneto ligados ao Consorzio per la tutela dei vini Valpolicella, apresentaram seus vinhos… “Recioto, Amarone, Valpolicella e Valpolicella Ripasso. Um verdadeiro passeio pela Itália. Gostei muito, rs!


Outro grande destaque da feira foi ser apresentado por Alain Ingles a Sonia Denicol, uma mulher que faz um trabalho incrível, garimpando rótulos nacionais de pequenos produtores. Ela conduziu um espaço destinado ao projeto “Vinheteiros do Brasil“, onde provei vinhos de pequenos produtores brasileiros que ainda não conhecia. São vinhos diferenciados, alguns me surpreenderam de forma positiva na taça na taça. Faz parte daquele grupo de vinhos “ame-o ou deixe-o” (Era dos Ventos, Quinta da Figueira, Domínio Vicari…). Falarei com mais calma sobre o tema.


Na área externa um bistrô foi montado em parceria com a Voilà que serviu pequenos pratos para serem harmonizados, a preços especiais. Eu fui de polpetone!

Participei mais uma vez como avaliador do concurso Top Five da feira. O nível dos vinhos foi altíssimo, sem dúvidas o melhor painel de todos os encontros.

Segue abaixo a lista dos melhores vinhos do evento segundo os jurados, que foi dominada por AMARONES.

TOP FIVE – Encontro de Vinhos OFF 2013

1 – Antichello Amarone 2008 – Ravin Importadora
2 – Tinedo Cala n.2 – 2009 – Domno Importadora
3 – Amarone Scriani 2008 – sem importador
4 – Chilcas Cabernet Franc 2010 – Max Brands
5 – Amarone Tenuta Chiccheri 2007 – sem importador

Comentário final: Foi um prazer participar, rever amigos e trocar idéias sobre o mundo do vinho. É nítido perceber o crecimento qualitativo do evento, tando na qualidade do espaço, de participantes e na variedade de rótulos a prova. Parabéns Daniel e Beto. Muito suces$o para vocês!