search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for abril, 2011


Um vinho de corte, também chamado genérico ou, como diriam os franceses, assemblage, é todo aquele que foi elaborado com no mínimo duas variedades de uva, em proporções maiores que nos varietais. Por exemplo: 50% e 50%, ou 40% de Cabernet, 30% malbec e 30% Merlot.


Varietal é um termo derivado de variedade, nesse caso variedade de uva. Considera-se que um vinho é varietal quando foi elaborado com 100% de uma mesma uva, ou, pelo menos, 75-80%. Nesse outro caso, os outros 20-25% podem estar formados por uma ou mais variedades que não alteram seu status de varietal.

Acabo de assistir no Blog do Didu Russo o vídeo que produziu mostrando alguns tópicos discutidos no 1° debate do Vinho no Brasil. Debate este patrocinado pela FECOMERCIO.  Acredito que não tiveram muita objetividade nas soluções para problemas já conhecidos de todos. Mais já é um enorme passo rumo a união de uma categoria historicamente desunida. Parabéns a todos que realizaram esta ação!  

 

A Loja Enótria em parceria com a importadora Premium apresentará no dia (04 de Maio de 2011) mais um atrativo Wine Dinner na cidade de Vitória-ES. Na ocasião serão apreciados diversos rótulos da Nova Zelândia harmonizados com pratos do Chefe Vinícius Dobal no restaurante Vero. Veja todas as informações no banner acima.

Está imperdível…!!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!  

Se beber não dirija!

Justiça derruba liminar que desobrigava parte dos vinhos importados de colocarem o Selo Fiscal. Agora, todos os vinhos nacionais ou importados, associados ou não à ABBA, passam a ser obrigados a colocar o Selo de Controle Fiscal.

O Tribunal Regional Federal da Primeira Região de Brasília revogou a liminar que desobrigava os associados da Associação Brasileira de Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas (ABBA) de colocar o Selo de Controle Fiscal nos vinhos importados. Agora, todos os vinhos – nacionais ou importados –, associados ou não à ABBA, passam a seguir a norma vigente (IN-RBF 1026/2010 e IN-RBF 1065/2010), que obriga a colocação de selos da cor vermelha nos produtos importados e da cor verde nos nacionais desde o dia 1º de janeiro deste ano. Conforme a Receita Federal, já foram entregues cerca de 10 milhões de unidades selos para os vinhos importados no primeiro trimestre deste ano.

Segundo a consultora jurídica do Ibravin, Kelly Bruch, os efeitos desta decisão devem se estender inclusive aos vinhos que entraram no Brasil a partir de 1º de janeiro de 2011 e continuam sem selo com base na liminar conquistada pela ABBA, a qual acaba de ser revogada pelo TRF1. “Não há que se falar em ilegalidade do selo. Se fosse mantida a liminar inicial, será grande a perda na arrecadação tributária, acarretando graves prejuízos à ordem econômica, além de afetar o mercado de vinhos”, afirmou em sua decisão o desembargador federal Olindo Menezes, do TRF1. O desembargador ainda salienta que se o processo de selagem não poderá impedir totalmente o descaminho na importação de vinhos, é evidente que ele certamente auxiliará na coibição da conduta criminosa, posto que se trata de um instrumento auxiliar eficaz para dar suporte à atividade fiscalizatória.

O desembargador diz que o processo de selagem promove uma concorrência leal no mercado de vinhos, obrigando todos a pagar devidamente os impostos, não havendo tratamento diferenciado entre vinhos nacionais e importados, pois todos deverão portar o selo de controle. A introdução de milhões de litros de vinhos importados no mercado brasileiro sem o pagamento de impostos (descaminho) gera uma perda na arrecadação de impostos considerável, estimada em um levantamento de 2005 em R$ 32 milhões ao ano.

Saiba mais

A implantação do Selo de Controle Fiscal foi determinada pela Receita Federal, atendendo a um pedido da Câmara Setorial do Vinho e Derivados da Uva e do Vinho. Os selos a serem utilizados desde o dia 1º de janeiro deste ano nos vinhos importados serão da cor vermelha e nos nacionais da cor verde.

A partir do dia 1º de janeiro de 2012, os atacadistas e varejistas (lojas, supermercados, bares, entre outros) não poderão comercializar os vinhos sem o selo de controle, independente da data de aquisição. O objetivo do selo é aumentar o controle no comércio de vinhos brasileiros e importados, beneficiando quem trabalha dentro das obrigações legais e de mercado.

Resumo

Em ação que a ABBA move contra a União (Fazenda Nacional) foi inicialmente proferida uma liminar, que suspendia a obrigatoriedade de uso do selo para seus associados. A União recorreu desta decisão e, por meio de um agravo de instrumento, obteve sua reversão no TRF1. 

Confira os prazos de implantação do Selo de Controle Fiscal nos vinhos

1) A partir do dia 1º de janeiro de 2011, os vinhos só podem sair das vinícolas e engarrafadoras com o Selo de Controle Fiscal. O mesmo vale para a internalização dos vinhos importados. 

2) A partir do dia 1º de janeiro de 2012, os atacadistas e varejistas (lojas, supermercados, bares, entre outros) só poderão comercializar os vinhos com selo de controle. 

Crédito das fotos em anexo: Orestes de Andrade Jr. / Ibravin

Este vinho é para mim mais uma constatação, não conhecemos nem 10% do mundo do vinho. O encontrei no estande Conzorzio Export Yes! Grapes, www.yesgrapes.it, o meu segundo vinho indicado da ExpoVinis 2011.

Se trata do Bonarda (Croatina) Dell Oltrepò Pavese Doc Le Zolle. A uva tinta Croatina, autóctone italiana com origens na idade média, na região da Lombardia. É atualmente uma das uvas mais importantes do Oltrepò Pavese, na Lombardia, onde são produzidos vinhos tintos levemente frisantes que lembram um pouco o Lambrusco. Ela também é cultivada no Piemonte e na Emilia Romagna. No Oltrepò Pavese, em Colli Piacentini e no Roero, os vinhos de uva Croatina são chamados, às vezes, de Bonarda. Isso cria uma grande confusão uma vez que Bonarda é uma variedade de uva distinta. As explicações acima foram retiradas do Blog de Adriana Grasso.

Este vinho está á procura de importador. Lá fora é comercializado por 4 Euros!!! Aqui pelas contas de um importador, que tive a oportunidade de conversar, fica por 60,00 reais…..(Custo Brasil) x 15!!!

Avaliação Pessoal: ST (90)

Adorei o vinho, bem aromático, fruta na medida, leve frisante que ainda não conhecia em um tinto. Parece ter boa estrutura e uma acidez viva, boa combinação para um churrasco. Conversando com o produtor, orienta degustar bem jovem em temperatura normal de um tinto.

Steffano o pai da criança!!!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!  

Se beber não dirija!

Bom dia meus amigos, vamos lá começar a repassar minhas impressões sobre alguns vinhos que mais me chamaram atenção na feira ExpoVinis 2011. O primeiro que vou falar é do Roquette & Cazes 2007, vinho este que foi Campeão na categoria tinto do Velho Mundo.

Nasce de uma parceria entre a família Roquete da Quinta do Crasto (Douro, Portugal) e a família Cazes do Chateau Lynch-Bages (Bordeaux, França), o Roquette & Cazes é um vinho de troca de experiências e conhecimentos. Nada melhor do que aproveitar a tecnologia de vinificação francesa no “terroir” do Douro. Uvas 60% Touriga Nacional, 15% Touriga Franca e 25% Tinta Roriz. Estagiou em barricas de carvalho frances (70% novas e 30% de um ano) durante 18 meses. 

Avaliação Pessoal: ST (91+)

Na taça mostrou ser realmente um vinho para ganhar competição. Muita fruta no nariz aliada a uma madeira bem colocada que remete a aromas de coco. Na boca a força do douro fala alto, estruturado, taninos firmes, acidez viva, chamando para um prato reforçado. Um belo vinho que vai crescer muito na garrafa.

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde!  

Se beber não dirija!

O jantar desta sexta feira dia 29/04 no restaurante Friccò será para os amantes do vinho. Contará com a presença do italiano Luca Gardini, ganhador do “título” Melhor Sommelier do Mundo pela Assossiação Mundial de Sommeliers. 

Rua Cubatão, 837- Vila Mariana – São Paulo 
Tel.: 55 11 5084-0480
www.fricco.com.br |

Acaba de chegar no restaurante Espaço Vellozia em Pedra Azul,região serrana do Espírito Santo, o KOBE Bife. São poucas peças, todas com marmoreio acima de 10 , que serão servidas apenas para aqueles que reservarem antecipadamente. As peças possuem, em média, 360g. O corte de KOBE que chegou foi o RIBYE, que sem dúvida alguma é o mais saboroso deles.

site: www.espacovellozia.com.br

Contato: Gildazio J. Dalla Bernardina Jr