search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for janeiro, 2011

1° vídeo: Em Azeitão, a diretora de enologia da Bacalhôa, Filipa Tomaz da Costa mostra a estufa de moscatéis.

2° vídeo: Filipa Tomaz da Costa, directora de enologia da Bacalhôa, prova o Moscatel de Setúbal e o Moscatel Roxo, ambos de 1999.

3° vídeo: No Palácio da Bacalhôa, um dos mais emblemáticos monumentos da região de Setúbal, Vasco Penha Garcia apresenta alguns dos vinhos mais conhecidos da empresa.

Manuel Moreira, Sommelier e colaborador da revista WINE – A Essência do Vinho, apresenta na Essência do Vinho TV os vinhos que melhor combinam com sushi.

O norte-americano Jay Miller colabora com Robert Parker há mais de 20 anos. Desde o ano de 2009 ficou incumbido de degustar e avaliar os vinhos das regiões do Oregon, Washington, Espanha, Austrália e América do Sul.

As notas de críticos em geral servem para mim quando consigo encontrar um perfil que se adapta ao meu gosto pessoal. Procure observar qual crítico tem os mesmos gostos que o seu e terá um melhor aproveitamento de suas indicações. O bom seria ter a oportunidade de provar todos estes vinhos abaixo e emitir uma avaliação, mais…..$$$$$ rsrsrsr

Vamos então conhecer quais vinhos e quais as notas foram concedidas aos vinhos Argentinos por Jay Miller / Wine Advocate.



Degustação de vinho em Minas

- Hummm…

- Hummm…

- Eca!!!

- Eca?! Quem falou Eca?

- Fui eu, sô! O senhor num acha que esse vinho tá com um gostim estranho?

- Que é isso?! Ele lembra frutas secas adamascadas, com leve toque de
trufas brancas, revelando um retrogosto persistente, mas sutil, que enevoa as papilas de lembranças tropicais atávicas…

- Putaquepariu sô! E o senhor cheirou isso tudo aí no copo ?!

- Claro! Sou um enólogo laureado. E o senhor?

- Cebesta, eu não! Sou isso não senhor !! Mas que isso aqui tá me cheirando iguarzinho à minha egüinha Gertrudes depois da chuva, lá isso tá!

- Ai, que heresia! Valei-me São Mouton Rothschild!

- O senhor me desculpe, mas eu vi o senhor sacudindo o copo e enfiando o narigão lá dentro. O senhor tá gripado, é ?

- Não, meu amigo, são técnicas internacionais de degustação entende? Caso queira, posso ser seu mestre na arte enológica. O senhor aprenderá como segurar a garrafa, sacar a rolha, escolher a taça, deitar o vinho e, então…

- E intão moiá o biscoito, né? Tô fora, seu frutinha adamascada!

- O querido não entendeu. O que eu quero é introduzi-lo no…

- Mais num vai introduzi mais é nunca! Desafasta, coisa ruim!

- Calma! O senhor precisa conhecer nosso grupo de degustação. Hoje, por exemplo, vamos apreciar uns franceses jovens…

- Hã-hã… Eu sabia que tinha francês nessa história lazarenta…

- O senhor poderia começar com um Beaujolais!

- Num beijo lê, nem beijo lá! Eu sô é home, safardana!

- Então, que tal um mais encorpado?

- Óia lá, ocê tá brincano com fogo…

- Ou, então, um suave fresco!

- Seu moço, tome tento, que a minha mão já tá coçando de vontade de meter um tapa na sua cara desavergonhada!

- Já sei: iniciemos com um brut, curto e duro. O senhor vai gostar!

- Num vô não, fio de um cão! Mas num vô, messs! Num é questão de tamanho e firmeza, não, seu fióte de brabuleta. Meu negócio é outro, qui inté rima com brabuleta…

- Então, vejamos, que tal um aveludado e escorregadio?

- E que tal a mão no pédovido, hein, seu fióte de Belzebu?

- Pra que esse nervosismo todo? Já sei, o senhor prefere um duro e macio, acertei?

- Eu é qui vô acertá um tapão nas suas venta, cão sarnento! Engulidô de rôia!

- Mole e redondo, com bouquet forte?

- Agora, ocê pulô o corguim! E é um… e é dois… e é treis! Num corre, não, fiodaputa! Vorta aqui que eu te arrebento, sua bicha fedorenta!…

Semana passada as voltas no supermercado Carone aqui na Capital Capixaba, fui dar uma espiada na sua sessão de espumantes. Encontrei dois que ainda não conhecia, uma deles foi o Ortigão Bruto, espumante de Portugal, região da Bairrada.

É elaborado pelo método clássico (fermentação em garrafa). O “remouage” manual e o “dégorgement á la volée”, uma operação manual e tradicional de Champagne.

A vinícola Quinta do Ortigão já está na sua quarta geração, motivada pelos conhecimentos deixados por seu fundador Justino Sampaio Alegre, que viu nas terras da Bairrada ótimas condições de qualidade nas uvas brancas, produzindo o primeiro espumante de Portugal.

Avaliação Pessoal:

Como se vê na foto abaixo mostra uma perlage abundante, aromas de fermento, frutas secas e um leve floral. No paladar com certeza é a sua maior qualidade, bastante seca, mostrando uma acidez muito boa, frescor, persistência, super agradável. Uma ótima opção de compra. Se eu não me engano o preço é abaixo de 40,00 reais.

Portugal – Bairrada – Arinto, Bical, Cerceal e Maria Gomes – 12% Alc – ST (88) – Supermercado Carone – Enólogo: Osvaldo Amado


Começa hoje e vai até o dia 6 de fevereiro o tão aguardado Espírito Santo RESTAURANT WEEK. É uma excelente oportunidade de se conhecer a gastronomia dos bons restaurantes Capixabas pagando um preço único, almoço 27,50 entrada = prato principal = sobremesa e no jantar 39,00.

Este evento gastronômico nasceu em Nova York á 18 anos atrás e no Brasil funciona com muito sucesso desde 2007.

Vejam a lista completa dos 40 restaurantes e seus pratos: http://bit.ly/h7UreN


Os vinhos Argentinos crescem suas vendas a passos largos, em 2010 seu faturamento passou de 650 milhões de dólares, superando em 17% o ano de 2009.

Nos últimos 12 meses 400 vinícolas conseguiram exportar seus vinhos para 125 mercados com 2300 marcas, empurrado por altas notas como a da Wine Advocate do critico americano Robert Parker que concedeu 98 pts para três vinhos argentinos, assim influenciando mais o mercado.

Mais um detalhe chama atenção, dos 2400 rótulos 20 se destacam com uma participação de 30% em faturamento total das exportações.

Segue a lista acima dos 20 mais exportados em valores e o gráfico percentual abaixo dos maiores compradores e percentual de castas.

Fonte das informações: Iprofissional

 

 A Gazeta é um dos jornais de maior prestígio da capital Capixaba. Tem uma legião de leitores antenados, aonde tudo que se fala por lá tem uma enorme abrangência.

 Os enófilos e apreciadores do vinho e sua cultura tem todos os domingos uma fonte de conhecimento, ler a coluna “Beber, Comer e Viver” da REVISTA /AG, que tem como responsável André Andrés. Sua escrita é única, quem prestar atenção terá lições não só de vinho, mais também de vida.

Neste domingo o tema foi “Para navegar no vinho”. E para minha surpresa, já que não sabia, o ENOBLOGS e alguns blogueiros foram citados como fonte de pesquisa para uma atualização diária sobre tema, vinho e gastronomia.

Alexandre Frias, tomei a liberdade de enviar um email para ele, agradecendo em nome do ENOBLOGS e também convidando para se integrar ao grupo. Espero que ele aceite, será uma ótima fonte de conhecimento e cultura para todos os nossos leitores.

A revista Prazeres da Mesa é mais uma que se rende ao iPad. A edição de janeiro “Especial Vinhos” com 200 rótulos comentados por especialistas, um dossiê sobre o Vinho Verde, um passeio pela Quinta do Crasto, e todo o seu conteúdo na integra está a venda no App Store. O valor é de 3,99 dólares.

http://itunes.apple.com/br/app/prazeres-da-mesa/id398225768?mt=8

Sexta feira ao degustar este belíssimo vinho Verde falava com um amigo do porque se consome tão pouco vinho branco no Brasil apesar do clima tropical. Acho que está faltando que as pessoas conheçam os bons brancos.

Na Decanter Wine Show tive a oportunidade de conversar pessoalmente com o produtor deste vinho, Anselmo Mendes, que na minha opinião é um dos 10 melhores produtores e enólogos para elaboração de vinhos brancos do mundo.

A região do Minho, lar do vinho verde, fica no extremo Nordeste de Portugal, bem na divisa com a região de Rias Baixas da Espanha. Sofre grande influencia do oceano Atlântico se beneficiando dos ventos marítimos. O solo é granítico e pedregoso.

Este vinho passa por 3 meses em tanques de inox.



Avaliação Pessoal:

Um dos melhores brancos que degustei até hoje, no nariz se mostrou vivo com aromas florais e minerais. No paladar uma estupenda acidez equilibrada, aliado a um grande frescor, confirmando boa fruta, permanecendo por bom tempo em boca. Muito agradável!!!

A harmonização foi perfeita com o prato elaborado no Sabor D Espanha com posta de peixe.

Portugal – Minho – Vinho Verde – Sub-região de Monção – 100% Alvarinho – 13% Alc – ST (94) – Decanter / Ville du Vin – Siga o Blog Vivendo a Vida no Twitter

“A razão de fazer vinhos é serem reconhecidos e acima de tudo exprimirem a originalidade da Terra onde nascem. Essa terra é Portugal e é onde eu quero cada vez mais fazer vinhos de excelência que acrescentem valor e como produto cultural entrem na galeria de internacionalização da cultura portuguesa. À TERRA, AO VINHO E À VIDA.” Anselmo Mendes