search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for outubro, 2009

A elegante Heléne Garcin, proprietária de quatro vinícolas em Bordeaux, França-Clos L`Eglise e Chatêaus Barde-Haut, Branon e Haut-Bergey e duas na argentina ( Poesia e Clos des Andes ), foi destaque em duas palestras do encontro. Durante o painel ” America do Sul por Franceses”, Garcin destacou um elemento comum entre seus vinhos. ” Vinhos é o que me emociona “, afirma a produtora, imagem da nova era de mulheres do vinho na França. ”Procuro trabalhar mais no vinhedo do que na vinícola, e fazer o vinho mais natural possivel, pronto para beber”, disse Garcin, que apresentou Poesia 2005, Château Haut-Bergey 2005, Barde-Haut 2003 e clos L´Eglise 2004. Fonte: Prazer&Cia-Agazeta 

No final da tarde  tarde de onten, chuvosa na capital Vitoria-es  fui convidado pelo sommelier Max da Ville du Vin para degustar um vinho com uva de nome Pietro Picudo, que ainda não tinha conhecimento, que nos mostra que o vinho e na vida sempre estamos aprendendo. Confesso que superou bastante a minha expectativa, coloração escura, com aromas de casca de laranja, citricos e na boca se apresentou com taninos macios e boca com otima persistencia. Altamente recomendado, inclusive pelo preço, 68 reais. Segue a sua ficha: Origem: Espanha – safra: 2005 – álcool: 14,5% – uvas: Prieto Picudo (50%), Tempranillo (45%) e Merlot (5%) – região: Castilla y Léon . ST 92
“Diante de um vinho de bordeaux, sinto me avontade de fazer uma reverência. É um momento em que se bebe historia”, afirmou o jornalista e sommelier Mário Telles JR, no início de uma das palestras mais concorridas do evento, “As diferenças do terroir de Bordeaux”. O expert também ergueu um brinde ao crítico de vinhos Saul Galvão, morto há dois meses. “Se estivesse vivo, ele certamente ficaria feliz com a volta do Encontro do vinho a Pedra Azul”, disse. A degustação que teve a presença do governador Paulo Hartung, foi feita ás cegas, com sete vinhos, comentados pela produtora de três deles, Heléne Garcin.
Fonte: Prazer&Cia-Agazeta.
Em degustação as cegas no encontro internacional do vinho em pedra azul o especialista em vinhos o espanhol Javier Arauz promoveu uma enquete entre os participantes, que elegeram o “top3″ da rodada: em terceiro, Alzania 21 del 10 2005; segundo, La Mula toro 2005; e em primeiro lugar, o ícone espanhol Vega Sicillia Único 1998. ” Isso demonstra que essa sala tem um gosto classico”, brincou  Arauz.    Prazer&Cia- Agazeta
Foi realizado em Vitoria no dia 28/10 quarta-feira no  restaurante bellia jantar harmonizado, organizado pela Enotria vinhos e Enoteca Fasano. O evento  estava de alto nivel para começar pelos presentes e tambem pelo grande atendimento nos oferecido, muito sincronizado o serviço de chegada dos pratos e dos vinhos deram um show  de competencia e organização. Ana Paula Oliveira sommelier do fasano abrilhantou a noite com sua alegria e grande conhecimento sobre o tema o vinho é claro. Na chegada fomos servidos do Prosecco Valdizze extra dry st (90),  Produtor: Mionetto, Pais: França, Região: Veneto, Uva:  Prosseco, Alc: 11%,  espumante muito agradavel com frescor bastante interessante, harmonizado com uma salada verde com mussarela de bufala, em seguida foi a vez do Rimauresq classic cru classe 2007 st (91), vinho rose de grande personalidade, feito de um corte de uvas, cinsault 45%, tiboren 25%, syrah 5% e grenache 25%, se mostrou bastante aromatico com agravel sabor na boca, o melhor rose que ja degustei. Foi harmonizado com  lulas a provençal, o outro vinho foi o Borgogne Hautes Côtes de Nuits Bbeauversant 2005 st (92), Produtor : Pierre-Andre, Pais: França, Uva: Pinot Noir, alc: 12,5%,  elegancia  é a palavra certa para este bourgogne, com uma harminização diferenciada, filé de linguado com legumes grelhados nota 10 para o prato e na harmonizaçao na minha opinião não ajudou nem piorou o vinho, ai fomos para o vinho da noite, na opinião da maioria o Chianti Classico Laura 2005 st (92),Produtor: Querceto di Castellina, Safra; 2005,  Pais: Italia, Uva: 80% sangiovesi, 10% ciliegiolo e 10% merlot, Alc: 13%,  acredito que pelo seu apelo de aromas tostados de baunilha e corpo cremoso de grande capacidade de harmonizar com comida foi o melhor, o prato para acompanhar  foi o file mignon com risoto de sotobosco. E para fechar a noite uma a gradavel surpresa Sassodoro Vin Santo di Chianti Classico 2002 st (90), Produtor: Il Colombaio di Cencio, Pais: Italia,Região: Toscana, Uva: trebbiano, malvasia e canaiolo,   potencia e sabor, para consiguir harmonizar uma uma torta de nozes dos deuzes. Gostaria de deixar os meus parabéns a toda a equipe envolvida no evento! Para quem não aprecia o vinho e a gastronomia não da valor a isso, MAIS É A NOSSA PAIXÃO Parabéns!!!!!
Joseph Drouhin Hospices de Beaune Beaune 1er Cru Cuvée Maurice Drouhin 1999
França – Borgonha – Beaune
100% Pinot Noir
Álcool: 13º

Aberto e transferido para o decanter.
Visual rubi acastanhado, bastante translúcido e brilhante, evidenciando um vinho já evoluído.

Nariz agradabilíssimo e complexo, com frutas vermelhas compotadas, notas terrosas e de grama seca, cogumelos, traços florais e madeira muito bem integrada.
A boca, macia, conformou o nariz com taninos totalmente resolvidos, ótima acidez e persistência média/longa. Bastante elegante.
Se encontra numa fase bem legal, em que a fruta tá lá, dando seu recado, mas já cheia de outras coisas interessantes à sua volta. Não apresentou o menor sinal de cansaço durante o tempo em que foi bebido (cerca de 1 hora e meia). Embora eu acredite que ainda dá pra guardar alguns anos, eu não o faria.

Pra que arriscar uma coisa que já está tão legal?

Nota: 91
Postado po MF

La joya Gran Reserva
Carmenére
2006
Colchagua Valley
Chile
Vina bisquertt
14,5 alc
ST 88
Vinho que vai agradar muito aos iniciantes no vinho, pela sua potencia e grande fruta.
Decantado por 2hs, se apresentou com visual vermelho ruby lindo, aroma bem sutil de pimentões (caracteristica da uva carmenére), muita fruta vermelha, alcool sobrando no copo, na boca estava com tanino macio e persistência media +.
Acredito que não seje um vinho de grande guarda no maximo 3 anos. Ainda não ouvi falar nem li sobre carmenére evoluido, se ouver gostaria da participação no blog.
Degustado em 27/10/2009
Mouchão 2000
Portugal – Alentejo
Alicante Bouschet (casta majoritária) e Trincadeira
Álcool: 13,5º
Aberto e transferido para o decanter cerca de 1 hora e meia antes de ser bebido.
Visual rubi bastante vivo, sem apresentar sinais muito perceptíveis de evolução.
Nariz de frutas vermelhas e negras maduras, traços de lavanda e madeira na medida certa.
Na boca, revelou-se um vinho de uma austeridade muito interessante, com taninos presentes porém equilibrados, ótima acidez e persistência

média/longa. Bastante estruturado.

A melhor imagem que me vem à cabeça agora é “tinto seco”, por mais óbvio que isso possa parecer.
Parece ter muita estrada pela frente, embora eu acredite que uma perda maior de fruta possa implicar num vinho “esqueleto”, em que a “carne” vai embora mas os “ossos” ficam lá, intactos, tornando o vinho demasiadamente árido.

Nota: 90 (+?)

PS: Acompanhou perfeitamente um maravilhoso lombo de bacalhau assado no azeite com batatas, brócolis, cebola, alho e tomate cereja escoltado por arroz salpicado de ervas, feito pelo amigo Luiz Cola.

Postado por M.F

Hoje a nossa grande dificuldade em comprar vinhos é a relacão preço x qualidade, muita das  vezes são caros e ruins, e o que nos buscamos é o “bb” bom e barato, que é muito dificil depois que se conhece o mundo do vinho mais amplamente. Em diversas degustacões que participei muita das vezes o mais barato ganhou em varios aspectos, mais sendo realizada as cegas, metodo que nos faz aprimorar nossos sentidos e conhecimento gerais sobre o vinho e  faz não nos lever pelo rotulo. 
Os vinhos do novo mundo principalmente Chile e Argentina podem chegar com mais vantagem, acredito eu  por sua grande produção porque para se elaborar vinhos de maior qualidade se gasta mais, produções pequenas, barricas de qualidade, tempo de guarda em garrafa antes de sua venda, garrafas atrativas e etc…
Ai então eu pergunto, quanto deve custar um vinho chamado custo beneficio?
Vai ai uma pequena relação de vinicolas que você pode comprar os vinhos de entrada ( os mais baratos)  que não vão se arrepender!
Catena zapata, Montes, concha y toro, Colome, Carmen, Alto las hormigas, Viu manent, Errazuriz, Tabali e etc……
Vinho com coloração amarelo brilhante, uma complexidade nos aromas, citricos,  pera, pessego e na boca untuoso,  macio, com boa acidez.
Meursault Clos de Mazeray St(92)
França
Borgonha
Chardonnay
13% Alc
2004
Jacques Prieur