search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Hoje a coluna Vivendo a Vida no Caderno Prazer & Cia, de A Gazeta, traz uma matéria sobre a Serra Gaúcha, dicas de vinhos, vinícolas, hotéis e aonde encontrar uma boa gastronomia.

Atração especial da Festa do Espumante Brasileiro – Fenachamp 2013, a supertaça de cristal com 223 cm de altura, 33 quilos e capacidade para 186 garrafas de espumantes foi confeccionada na vidraria da Madelustre, fabricante de luminárias de Garibaldi-RS.

A confecção da peça exigiu moldes, ferramentas e sistemas especialmente elaborados conforme as técnicas de Murano/Itália de fabricação de vidro soprado e vidro moldado. Foram mais de três meses de trabalho, tentativa e erro para chegar ao produto final,  com dedicação e criatividade da equipe.

O processo de sopragem do vidro, por exemplo, precisou ser compartilhado por mais de um profissional, de forma rápida e precisa, a fim de não perder o ponto ideal de moldagem. A maior dificuldade era manter uma espessura uniforme nas paredes do corpo da taça. Para temperar a peça, foi necessário confeccionar um suporte especial e o acabamento final de corte e usinagem precisou ser improvisado, já que não cabia na máquina de corte. O processo de fabricação mereceu a elaboração de um vídeo que será apresentado ao público da Fenachamp.

“Esta foi a maior peça já confeccionada em nossa vidraria. A equipe ficou muito motivada com o desafio e não poupou esforços. O resultado final ficou muito bom e definimos que seria o marco inicial das comemorações da empresa, que em abril de 2014 completa 30 anos,” afirma Clóvis Furlanetto, diretor da Madelustre.

A taça está exposta na entrada dos pavilhões da Fenachamp. A organização da festa formalizou sua inscrição para o Guiness Book. O atual recorde de maior taça de espumante do mundo é ucraniano com volume para 75 garrafas e 150cm de altura. 

No próximo dia 12, o público da Fenachamp acompanha a tentativa de quebra do atual recorde com o enchimento da supertaça, sob a supervisão de representantes do setor de bebidas e da área de arquitetura e engenharia. Tudo será filmado e documentado para avalizar a veracidade do feito.

Fenachamp

A Fenachamp  2013 começou dia 3 a vai até 27 de outubro, durante os finais de semana, no Parque da Fenachamp, em Garibaldi, na Serra Gaúcha. É considerada a maior festa do gênero do Brasil. O evento deste ano celebra o centenário da elaboração do primeiro espumante brasileiro, feito em Garibaldi em 1913.

A organização da Fenachamp pretende repetir o êxito de maior sabrage coletivo do mundo. Na edição de 2011, 196 pessoas participaram do ritual, o que garantiu a inserção da façanha no Guiness Book. Para 2013, já estão inscritas 300 pessoas.

De Portugal, mais precisamente da região do Alentejo, desembarcou recentemente a primeira de muitas importações que a Zanatta Wine irá fazer. Com isso a loja elimina o atravessador e pode proporcionar um preço mais justo ao consumidor.

Provei os 5 rótulos e recomendo. Os vinhos Mestre Franco 2011 (R$ 39,00), Subsídio 2009 (R$ 85,00) e o Granja-Amareleja 2010 (R$ 75,00), são para os fãs de vinhos mais leves e frutados. Já quem gosta dos mais encorpados, ricos em taninos e com aromas mais complexos, sugiro o “Portal de S.Braz 2010 – excelente custo x benefício” = (R$ 45,00) e o Lima Mayer Reserva 2007 (R$ 120,00). Para harmonizar: caça, carnes vermelhas pouco ou muito temperadas podem funcionar bem.

A loja fica na avenida Carlos Gomes de Sá, 730 – Mata da Praia – Vitória. (27) 3026-6440


Estudo do Ibravin aponta que a medida beneficiaria mais de 90% das empresas vinícolas, aumentando a competitividade dos vinhos e espumantes brasileiros sem redução significativa de arrecadação para o governo

Uma medida para desonerar a indústria vitivinícola e aumentar a competitividade do vinho e do espumante brasileiro está sendo articulada pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) junto ao Congresso Nacional. No último dia 27, o diretor-executivo Carlos Paviani, entregou aos deputados federais Afonso Hamm e Ronaldo Zulke uma nota técnica que justifica a inclusão do setor no Simples Nacional. O documento foi entregue em debate realizado em Porto Alegre e que integrou um calendário com dez audiências públicas em vários estados brasileiros para discutir, entre outros temas, a entrada de outros segmentos no regime simplificado de tributação.

A próxima audiência pública está agendada para esta quinta-feira (10), às 9h, no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, em Brasília, onde devem ser definidas as emendas ao Projeto de Lei Complementar 237/2012, de autoria do deputado federal Pedro Eugênio, que busca retirar as exceções que existem no texto da lei atual que regulamenta o Simples Nacional. O Ibravin está articulando uma comitiva para conversar com os deputados, e comparecer à audiência e acompanhar os resultados.

Paviani destacou que entre os argumentos mais fortes para o pleito está o resultado de uma pesquisa realizada pelo Ibravin mostrando que mais de 90% das empresas poderiam ser enquadradas nesta categoria, sem que houvesse prejuízo na arrecadação de impostos, tendo em vista que elas representam apenas 12% do faturamento gerado pelo setor. “No Rio Grande do Sul, das 559 empresas, 510 poderiam ser incluídas no Simples. Já em Santa Catarina, essa possibilidade atingiria 85, das 89 empresas ativas no estado”, informa Paviani.

O dirigente explicou que, atualmente, as empresas que elaboram exclusivamente suco de uva ou vinagre podem se enquadrar, o que ainda não é permitido para as que produzem vinhos e espumantes. Ele ressalta que existe em Brasília uma vontade para que se ampliem as categorias no regime simplificado de tributação. “Temos um ambiente positivo no Congresso e uma sensibilização na base do governo para inclusão do setor vitivinícola na lei do Estatuto das Micro e Pequenas Empresas, permitindo a opção de enquadramento no Simples Nacional”, avalia.

Pelo documento, a inclusão dos vinhos e espumantes pode trazer benefícios como o incentivo à produção da bebida, o impulso à formalização dos produtores, a manutenção das pequenas cantinas no mercado, além do estímulo aos produtores da agroindústria familiar. O texto também destaca o caráter social da medida, com a criação de um ambiente mais favorável para a permanência dos agricultores no meio rural que produzem em minifúndios, com mão de obra familiar, evitando o êxodo rural.

O Simples Nacional

O Simples Nacional é um regime compartilhado de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos aplicável às microempresas e empresas de pequeno porte, previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006. Abrange a participação da União, estados e municípios.  Para o ingresso no Simples Nacional é necessário enquadrar-se na definição de microempresa ou de empresa de pequeno porte, cumprir os requisitos previstos na legislação e formalizar a opção pelo regime simplificado. O Simples abrange os seguintes tributos: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP), recolhidos num único documento de arrecadação.

Já esta disponível em Vitória a edição limitada do kit Chandon Colors Collection, que inclui uma garrafa de espumante 750ml e duas taças coloridas de acrílico, desenvolvidas com exclusividade para a marca. Poder ser encontrada no Supermercado Carone por R$ 75,00 e na Cantina do Bacco po R$ 100,00. Uma ótima opção de presente!

O blog Menu Especial relacionou diferentes perfis de apreciadores de vinho. Veja em qual deles você se encaixa, rs:

O mesquinho

Ele tem uma adega cheia dos melhores vinhos, mas não os compartilha com ninguém. Só conta vantagem.

O reclamão

Esse traz bons vinhos, mas está sempre conferindo se os vinhos que os outros trouxeram estão “à altura” do dele e reclamando se achar que não estão.

O exagerado

Aquele que passa dos limites, bebendo demais, estragando a festa de todo mundo.

O “poser”

Esse é o que acha que entende tudo de vinhos, mas na verdade não sabe bem do que está falando. Quer parecer especialista, quando alguém aparece com alguma novidade interessante, compartilhando conhecimento, ele sempre diz “eu já sabia” – posa de expert, mas na verdade não tem tanto conhecimento assim.

O expert chato

Ao contrário daquele que finge entender, o expert realmente sabe muito sobre vinhos, mas é egoísta e quer guardar esse conhecimento só para si, para poder continuar “no topo” sozinho e contando vantagem por ter um pouco a mais de conhecimento que os outros.

O tipo ideal

Amador ou profissional, é aquele que tem conhecimento razoável sobre vinhos e está sempre disposto a aprender e compartilhar. Esse é o melhor tipo ideal de winelover, é o que nos agrada mais e o que todos devemos buscar ser.

Gambero Rosso publicou recentemente o resultado do denominado “Anteprima dei Tre Bicchieri 2014” que aponta os melhores vinhos degustados no ano de 2013. Conheça agora os melhores vinhos do Piemonte, terra de Barbarescos, Barberas e Barolos.

  • Alta Langa Brut Zero Cantina Maestra 2006 Serafino Enrico
  • Barbaresco 2009 Gaja
  • Barbaresco Asili 2009 Ca’ del Baio
  • Barbaresco Asili Riserva 2007 Giacosa Bruno
  • Barbaresco Asili Vecchie Vigne 2007 Roagna – I Paglieri
  • Barbaresco Borgese 2009 Busso
  • Barbaresco Camp Gros Martinenga 2008 Tenute Cisa Asinari dei Marchesi di Grésy
  • Barbaresco Currà 2008 Sottimano
  • Barbaresco Manzola 2008 Nada Fiorenzo
  • Barbaresco Morassino 2009 Cascina Morassino
  • Barbaresco Ovello Vigna Loreto 2009 Rocca Albino
  • Barbaresco Pora Riserva 2007 Produttori del Barbaresco
  • Barbaresco Rabajà 2009 Rocca Bruno
  • Barbera d’Alba Bric du Luv 2010 Ca’ Viola
  • Barbera d’Alba MonBirone 2010 Monchiero Carbone
  • Barbera d’Asti Superiore Nizza Acsé 2009 Scrimaglio
  • Barbera d’Asti Superiore Nizza La Court 2009 Chiarlo Michele
  • Barbera d’Asti Superiore Nizza La Crena 2009 Vietti
  • Barbera d’Asti Superiore Nizza Romilda XII 2009 Arbiola
  • Barbera del Monferrato Casalese Superiore Bricco Battista 2009 Accornero
  • Barolo Bricco Cerretta 2006 Altare
  • Barolo Bricco Sarmassa 2008 Brezza
  • Barolo Bussia Riserva 2004 Pianpolvere Soprano
  • Barolo Campe’ 2008 La Spinetta
  • Barolo Cannubi Boschis 2008 Sandrone
  • Barolo Cerretta Luigi Baudana 2008 Vajra
  • Barolo Ciabot Mentin 2008 Clerico
  • Barolo Ginestra Riserva 2006 Conterno Paolo
  • Barolo Granbussia Riserva 2005 Conterno Aldo
  • Barolo La Serra 2008 Rosso Giovanni
  • Barolo Liste 2007 Borgogno
  • Barolo Marenca 2008 Pira Luigi
  • Barolo Monfortino Riserva 2005 Conterno Giacomo
  • Barolo Monvigliero 2007 Bel Colle
  • Barolo Monvigliero 2008 Scavino Paolo
  • Barolo Ornato 2008 Pio Cesare
  • Barolo Prapò 2008 Schiavenza
  • Barolo Rapet 2008 Ca’ Romé
  • Barolo Ravera 2007 Roddolo Flavio
  • Barolo Rocche 2008 Vietti
  • Barolo San Lorenzo 2008 Alessandria F.lli
  • Barolo San Rocco 2008 Azelia
  • Barolo Sarmassa 2008 Marchesi di Barolo
  • Barolo Terlo Ravera 2008 Abbona Marziano
  • Barolo Vigna Elena Riserva 2006 Cogno
  • Barolo Vigna Rionda Riserva 2006 Massolino
  • Barolo Vignolo Riserva 2006 Cavallotto
  • Barolo Villero 2008 Brovia
  • Boca 2008 Le Piane
  • Carema Etichetta Bianca Riserva 2008 Cantina Produttori Nebbiolo di Carema
  • Carema Etichetta Nera 2008 Ferrando
  • Colli Tortonesi Timorasso Fausto 2010 Vigne Marina Coppi
  • Derthona Montecitorio 2010 Vigneti Massa
  • Dogliani Bricco San Bernardo 2009 Bricco del Cucù
  • Dogliani Cursalet 2011 Gillardi
  • Dogliani Superiore Vigna Tecc 2010 Poderi Einaudi
  • Dolcetto di Ovada Superiore Du Riva 2009 Tacchino
  • Erbaluce di Caluso La Rustìa 2011 Orsolani
  • Erbaluce di Caluso Le Chiusure 2011 Favaro
  • Erbaluce di Caluso Passito Alladium Passito 2006 Cieck
  • Gattinara San Francesco 2008 Antoniolo
  • Gavi del comune di Gavi Minaia 2011 Bergaglio Nicola
  • Gavi del comune di Gavi Monterotondo 2010 Villa Sparina
  • Ghemme Riserva 2007 Torraccia del Piantavigna
  • Langhe Bianco Hérzu 2010 Germano Ettore
  • Lessona Omaggio a Quintino Sella 2006 Sella
  • Monferrato Rosso La Mandorla 2009 Spertino Luigi
  • Monferrato Rosso Sul Bric 2010 Martinetti
  • Moscato d’Asti Tenuta del Fant 2011 Tenuta Il Falchetto
  • Moscato d’Asti Vigna Vecchia 2011 Ca’ d’Gal
  • Nebbiolo d’Alba Cumot 2009 Bricco Maiolica
  • Piemonte Chardonnay Monteriolo 2008 Coppo
  • Roero Braja Riserva 2009 Deltetto
  • Roero Giovanni Almondo Riserva 2009 Almondo
  • Roero Sudisfà Riserva 2009 Negro

O Gambero Rosso publicou recentemente o resultado do denominado “Anteprima dei Tre Bicchieri 2014” que aponta os melhores vinhos degustados no ano de 2013. Conheça agora os melhores vinhos do Veneto, terra dos Amarones:

Amarone della Valpolicella  Cl. Calcarole’09 Guerrieri Rizzardi
Amarone della Valpolicella Campo dei Gigli    ’08 Tenuta Sant’Antonio
Amarone della Valpolicella Cl. ’09    Allegrini
Amarone della Valpolicella Cl. ’06    Cav. G. B. Bertani
Amarone della Valpolicella Cl. ’06    Zymè
Amarone della Valpolicella Cl. Campolongo di Torbe    ’07    Masi
Amarone della Valpolicella Cl. Pegrandi    ’09    Odino Vaona
Amarone della Valpolicella Cl. Vign. Monte Ca’ Bianca    ’08    Lorenzo Begali
Amarone della Valpolicella Cl. Vign. Monte Sant’Urbano    ’09    Viticoltori Speri
Amarone della Valpolicella Ris.    ’07    Brigaldara
Bardolino Cl. Brol Grande ’11 Le Fraghe
Cartizze V. La Rivetta Villa Sandi
Colli Berici Carmenere Oratorio di San Lorenzo Ris.’09    Inama
Colli Euganei Rosso Gemola ’09    Vignalta
Colli Euganei Rosso Serro ’10    Il Mottolo
Custoza Sup. Amedeo ’11    Cavalchina
Custoza Sup. Ca’ del Magro ‘11    Monte del Frà
Lugana Sup. Molceo  ’11 Ottella
Montello e Colli Asolani Il Rosso dell’Abazia    ’10    Serafini & Vidotto
Recioto della Valpolicella Cl. ’01  Giuseppe Quintarelli
Soave Cl. Campo Vulcano ’12  I Campi
Soave Cl. La Rocca ’11 Leonildo Pieropan
Soave Cl. Le Bine de Costiola ’11  Tamellini
Soave Cl. Monte Alto ’11  Ca’ Rugate
Soave Cl. Monte Carbonare ’11    Suavia
Soave Cl. Monte de Toni ’12    I Stefanini
Soave Cl. Staforte ’11 Graziano Prà
Soave Sup. Il Casale ’12    Agostino Vicentini
Valdobbiadene Brut Rive di Col San Martino Cuvée del Fondatore Graziano Merotto ’12 Merotto
Valdobbiadene Extra Dry Giustino B.    ’12    Ruggeri & C.
Valdobbiadene Rive di Farra di Soligo Brut Col Credas    ’12    Adami
Valpolicella Cl. Sup. Campo Casal Vegri ’11  Ca’ La Bionda
Valpolicella Cl. Sup. Camporenzo ’10 Monte dall’Ora
Valpolicella Cl. Sup. Maternigo  ’11  F.lli Tedeschi
Valpolicella Cl. Sup. Sanperetto ’11 Roberto Mazzi
Valpolicella Sup  ’09 Marion


Amigos, começo hoje a falar sobre a “Press Trip” que participei a convite Associação dos Produtores de Vinhos Finos da Região dos Altos Montes (Apromontes) e Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale) com apoio da Associação Brasileira de Enologia (ABE).

Confesso ao saber que ia visitar a Terragnolo Vinhos Finos não levei fé. Mas, já deveria ter aprendido que a qualidade de um vinho se reconhece na taça. E foi o que aconteceu.

A história da vinícola Terragnolo iniciou com a vinda da família de Luigi Valduga ao Brasil em 1875, vindos de Terragnolo, província de Trento, ao norte da Itália, trazendo para o Vale dos Vinhedos, distrito de Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, as primeiras mudas de videiras, para produzir vinhos artesanais.


Vinícola de garagem


A arte de elaborar e apreciar um bom vinho passou de geração para geração. E foi assim que o bisneto Sandro Valduga (foto acima), que faz parte da quarta geração da família aliou o conhecimento herdado de seus antepassados às mais modernas técnicas de vinificação.


Por ser uma empresa familiar, tem como meta principal a elaboração de vinhos em pequenas quantidades, (cerca de 10.000 garrafas ano – com as uvas, Marselan, Merlot e Cabernet Sauvignon), além de sucos e geleias, possibilitando um maior cuidado, resultando em um produto final realmente diferenciado.

Seus produtos são vendidos principalmente para o consumidor final, nas melhores lojas, restaurantes e hotéis.


Além da vinícola, existe também uma pousada para atender os turistas.


A vinícola passa 100% dos seus vinhos por carvalho de primeiro uso francês.


Essa qualidade foi comprovada às cegas em uma degustação no Spa do Vinho, que botou lado a lado, Merlot do Novo Mundo x Velho Mundo, no qual o seu Merlot Top (R$120,00) com Denominação de Origem Vale dos Vinhedos, com 24 meses em barricas francesas, participou.

Foi uma enorme surpresa. O vinho na taça apresentou características muito parecidas com os bons vinhos de Bordeaux da Margem Direita. Muito macio, rico em texturas e boa complexidade no nariz, quanto em boca, notas de violetas, frutas vermelhas e negras, madeira e especiarias. Bom frescor. Equilibrado. Apresentou uma relação harmoniosa entre a fruta, taninos, acidez e álcool. Tudo na medida. Um baita vinho como diz os gaúchos.

Endereço: Linha Leopoldina, km 6, Vale dos Vinhedos, 95700-000 Bento Gonçalves (Rio Grande do Sul)

Tel: 054 3453-1103


A partir de agora, além dos já conhecidos rótulos de diversos países, a loja Enótria, na Praia do Canto, conta também com uma Forneria, na qual são elaboradas pizzas especiais, calzones, bruschettas e focaccias. Em um espaço anexo, foi desenvolvido em parceria com a Forneria Giácomo para elaboração das mesmas.


Os clientes poderão aproveitar o ambiente aconchegante da adega para degustar os vinhos e harmonizá-los com suas escolhas no menu, poderão ainda degustar vinhos em taça, já que Enótria possui uma Enomatic, com quatro opções diferentes de rótulos todos os dias.

O blog Vivendo a Vida conferiu e aprovou!

Endereço – Avenida Rio Branco, 1383, Vitória – ES, 29055-643

Telefone: 27 3345-8696 / 27 3345-8696

www.enotria-es.com.br