search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Archive for the ‘ Merlot ’ Category

Já dizia Nelson Rodrigues: “Por complexo de vira-lata entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo. O brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem….”

Com o vinho não é diferente, inclusive acho até pior. Em qualquer bate papo nossos caldos são colocados de lado. A discussão é longa, com o blá, blá, blá de sempre. Por isso, nas degustações coloco às cegas no meio de vinhos de outros países e sempre surpreende.

Na minha opinião os vinhos brasileiros estão melhorando muito. Nos últimos 20 anos aconteceu uma verdadeira revolução vitivinícola, o que nos colocou no mapa do mundo. Reconvertemos nossos vinhedos, investimos no conhecimento dos nossos enólogos, dos empresários, em maquinário, barricas, resultando em uma grande modernização de nossas vinícolas.

Feito exclusivamente com a uva Merlot, a principal do Vale dos Vinhedos (RS), o Pizzato DNA 99 Single Vineyard Merlot 2011 é um exemplo da grande qualidade que o vinho brasileiro pode alcançar. Um vinhaço que amadurece por cerca de um ano em barricas novas de carvalho francês e tem sua produção limitada a 5.400 garrafas, todas numeradas. Na taça apresenta um aroma encantador, com toques de chocolate, café, além de frutas e especiarias. Paladar tem grande concentração, mas mantendo a elegância com uma textura aveluda, acidez viva e longo. Por que tal discriminação? (ST 95/100 pontos). R$ 180 – Em Vitória é encontrado no Ok Hipermercado.

A importadora Portus, conhecida no mercado de vinhos pela comercialização de rótulos portugueses como a Quinta da Bacalhôa e da Romaneira, acaba de ampliar seu catálogo. A novidade são os vinhos da vinícola italiana Argiano, produtora do Brunello di Montalcino, um dos rótulos mais antigos da região e o primeiro a receber a certificação DOCG (Denominação de Origem Controlada e Garantida).

Fundada em 1580, a italiana Argiano, localizada na região da Toscana, foi comandada pela condessa Noemi Marone Cinzano de 1992 até recentemente – março de 2014 – após a compra pelo brasileiro André Esteves, do BTG Pactual. Com 100 hectares de vinhedos e oliveiras, é uma das mais tradicionais vinícolas em Montalcino, tendo participado da criação do Consórcio de Brunelllo.

Para apresentar seus rótulos, Roberto Rodrigues Jr (representante local – 98168-1718 / 99874-2727), reuniu no Carone Wine Store de Vila Velha, Espírito Santo, um grupo de formadores de opinião recentemente, tudo harmonizado com pratos da Chef Arlete, que está fazendo sucesso. Os vinhos impressionaram pela grande qualidade, sobretudo pela elegância, muito difícil de encontrar ultimamente.


L´o Rosato 2009 – R$ 115: Este vinho rosé de tonalidade rosa coral, traz aromas delicados de cereja, morango e amora vermelha. Na boca, confirma as impressões olfativas, com excelente acidez e frescor. Leve e agradável,  apropriado para beber com aperitivos ou como acompanhamento de saladas e outras entradas. Harmoniza de forma perfeita com frutos do mar, peixes e outras comidas leves. Produzido com a casta 100% Sangiovese. Apesar de 5 anos de vida se mostrou incrivelmente fresco. ST (88)

Abobrinha recheada com hortelã, rúcula e queijo!

NC 2008 – R$ 130: NC, que em latim significa único e inconfundível, é um vinho de grande personalidade, bom corpo, com taninos macios e um final longo. A mistura de Cabernet Sauvignon (40%), Merlot (20%), Syrah (20%) e Sangiovese (20%) mostra a força do Cabernet Sauvignon, a doçura do Merlot fazendo ponte entre a forte característica terrosa da uva Sangiovese, e as especiarias, frutas vermelhas e negras do Syrah. ST (90)

Medalhão de filé mignon acompanhado de musseline de Baroa e castanha de caju


Rosso Di Montalcino 2010 – R$ 130: Um vinho de corpo médio, boa concentração e coloração vermelha rubi intensa. Na boca, é elegante, equilibrado com sabores de frutas vermelhas, violetas, mentol e terrosos. Um vinho agradável, macio e aveludado, produzido com a casta Sangiovese. Pode ser harmonizado com carnes vermelhas, vitela, bruschettas, queijos e massas. ST (90)

Brunello Di Montalcino 2007 – R$ 290: De coloração rubi intenso, perfume de frutas vermelhas e floral, e um paladar mais que elegante, diria gentil. Um Brunello para se provar de joelhos. Castas: 100% Sangiovese. ST (94)

Solengo 2008 – R$ 460: Um vinho com nítido caráter moderno, bem equilibrado e com grande concentração. Sua cor é intensa com um buquê de frutas maduras, como groselha preta e amora, com traços de carvalho tostado. Encanta pela estrutura sedosa. Muito fino. Pede um gole atrás do outro. Castas: 45% Cabernet Sauvignon, 30% Merlot e 25% Syrah. ST (95+)

Em recente evento de degustação promovido pela vinícola Dunamis na Escola de Gastronomia da Universidade de Caxias do Sul provamos em primeira mão um vinho brasileiro muito curioso, o Dumamis Merlotbranco” 2012.

Ai você me pergunta: A Merlot não é uma uva tinta? Julio César Kunz, diretor executivo da Dunamis e Emílio Kunz, consultor em enologia que estavam presentes explicaram que o vinho é elaborado a partir de uvas tintas da variedade Merlot. Seguindo o método Blanc de Noir, o suco da uva é separado imediatamente, evitando assim a extração da cor e dos taninos da casca. O vinho vem complementar a linha Shall We Dance, que tem ainda o Pinot Grigio, Cabernet Franc e o Merlot tinto.

A apresentação foi às cegas com demais vinhos. Na taça apresentou os aromas diferentes, como o de mamão papaia. Paladar fresco, leve, com boa acidez e um final persistente. Média de preço, R$ 39,00.

Os vinhedos Dúnamis situam-se na Campanha Gaúcha do Rio Grande do Sul, no Município de Dom Pedrito, a 18 km de Bagé, e também em Cotiporã, na Serra Gaúcha, onde produzem os espumantes.

Curta a pagina do Blog Vivendo a Vida no Facebook

No dia 28 de setembro tive a oportunidade de conhecer vários rótulos brasileiros no CIC (Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves), evento intitulado “Volta ao Brasil Vitivinícola em sessenta minutos“. Por lá apesar do tempo curto pude provar com atenção cerca de 10 rótulos, no qual o Pizzato Fausto Verve Gran Reserva 2009 (13,5%) foi um dos destaques.

VERVE em latim significa imaginação que estimula o poeta, o orador, o artista; graça, vivacidade de espírito. O vinho é um blend de uvas Cabernet Sauvignon, Tannat e Merlot. Amadureceu por 12 meses em barris de carvalho francês novos e usados.

Fausto é uma referência à localidade, na Serra Gaúcha, onde são cultivadas as uvas. São 16 hectares, localizado em DOUTOR FAUSTO de Castro, Dois Lajeados (RS), ainda na Serra Gaúcha, a 50 km da sede da empresa no Vale dos Vinhedos.

A vinícola Pizzato fica localizada no Vale dos Vinhedos (RS), teve seu início em 1880, de Antonio Pizzato, originário da região italiana de Vicenza, no Vêneto. Depois, o negócio foi tocado pelo filho Giovanni, avô de Plínio Pizzato. Foi ele o responsável por instalar a empresa, desde o final da década de 1960, no Vale dos Vinhedos, e por produzir vinhos comercialmente. Em 1998, os filhos Flavio, Flávia, Jane e Ivo, começaram a criar os rótulos finos da Pizzato.

Avaliação Pessoal: ST (90) – Pizzato Fausto Verve Gran Reserva 2009 (13,5%) – R$ 50,00 na vinícola – – Enólogo Flavio Pizzato

Visual rubi denso, aromas intensos de frutas escuras, ameixas, alcaçuz, especiarias, nota de café e carvalho tostado. Paladar é seco, macio, boa acidez, equilibrada com o teor de álcool, bom corpo, frutado, com taninos presentes e uma boa persistência. Um belo tinto nacional, “equilibrado”, me agradou bastante.

Curta a pagina do Blog Vivendo a Vida no Facebook