Criado em Napa Valley por duas grandes lendas do mundo do vinho, Rothschild e Mondavi, o Opus One só pode ser trazido ao Brasil pela Mistral a partir deste ano

Em uma parceria inédita no mundo do vinho, o Brasil é o primeiro país a ter um importador direto e exclusivo para os vinhos Opus One, maior nome da Califórnia. A Mistral foi escolhida pelo produtor e, a partir deste ano, se torna a única importadora a trazer para o país seus icônicos vinhos, começando com a premiadíssima safra 2016. “Esta é a realização de um velho sonho, tanto como amante de vinhos como importador”, afirma Ciro Lilla, presidente da Mistral”.

Os vinhos são importados diretamente da vinícola, nos Estados Unidos – sem passar por Bordeaux ou outros locais –, sempre em containers climatizados e sob os rigorosos cuidados da Opus One, garantindo que poderão mostrar toda sua qualidade quando servidos.

Premier Grand Cru Classé de Bordeaux e uma das grandes lendas do vinho, o Château Mouton Rothschild descobriu o potencial da região de Napa Valley, ainda nos anos 1970, sendo o primeiro grande nome da França a investir nos Estados Unidos. No final da mesma década, o produtor se alinhou a Robert Mondavi para formar o que seria a mais famosa e cultuada joint venture do mundo do vinho: a vinícola Opus One.

O “ícone criado por dois visionários”, nas palavras de Robert Parker, teve as safras inaugurais, de 1979 e 1981, lançadas simultaneamente. Elas deram origem a um novo patamar de preço para o vinho californiano. Alguns anos mais tarde, após inaugurar a mais moderna vinícola construída até então, o Opus One se tornou o primeiro vinho estrangeiro distribuído pelos negociantes de Bordeaux.

Elaborado em um corte típico de Bordeaux, com uma grande proporção de Cabernet Sauvignon e pequenas parcelas de Merlot, Petit Verdot, Cabernet Franc e Malbec que variam conforme a safra, é um vinho produzido absolutamente sem concessões. Para a Wine Spectator, “a Opus One foi na contramão do estilo agressivo dos Cabernets da Califórnia (daquela época), procurando classe e finesse”.

O vinhedo – de cultivo biodinâmico desde 2004 – foi plantado em alta densidade e acompanhado por cientistas por anos para ser gradualmente convertido para um cultivo sem irrigação. Todos os funcionários da vinícola, até os das funções mais burocráticas, precisam cuidar de um pedacinho do vinhedo e participar da produção do vinho, para perceberem porque a qualidade do vinho é o mais importante.

Para evitar vinhos bouchonnés, todas as rolhas repousam em uma solução de álcool por 8 horas, são secas e hidratadas novamente e testadas. O perfeccionismo é tamanho que alguns dos cuidados só são possíveis em um vinho tão excepcional quanto o Opus One. Com a potência e a opulência do terroir de Napa aliada à elegância dos melhores crus classé de Pauillac, é um vinho grandioso, com “gosto de luxo” para Jancis Robinson.

Já está disponível na Mistral o Opus One 2016 (R$ 6.799,90), um dos mais famosos e cobiçados rótulos do mundo, com 99 pontos de James Suckling e 98 pontos de Robert Parker. O tinto apresenta aromas de frutas negras, especiarias e toques florais e tem taninos potentes e sedosos, mostrando que o vinho pode ser guardado por décadas. Mais informações em www.mistral.com.br/p/vinho/opus-one-2016-opus-one.

Comments

comments