Essa semana estive com Hamilton Reis, enólogo chefe da vinícola Cortes de Cima – Alentejo, em um almoço descontraído no restaurante Aleixo, Praia do Canto. A surpresa foi conhecer seu Cortes de Cima Alvarinho 2016, produzido exclusivamente com a casta Alvarinho, plantada na costa alentejana, a 3 km do oceano Atlântico.

Normalmente associada ao Vinho Verde, típico vinho branco do norte de Portugal, a casta Alvarinho está em todo o território nacional, ainda que possa ser nas condições nortenhas – quer pelas características do solo, quer pelo clima – que obteve seu reconhecimento. Atualmente vem alcançando bons resultados e características próprias na costa alentejana.

Hamilton me explicou que em virtude da exposição solar da região, maior que o Minho/Vinho Verde, a maturação das uvas é mais longa, originado vinhos mais densos, maduros, com acidez menos destacada.

Hamilton Reis na foto acima

As uvas são colhidas durante o período fresco do amanhecer e logo depois do processo de produção, com estágio em borras finas “sur lie”, envelhece durante 6 meses em barricas de carvalho francês.

O resultado na taça é um Alvarinho com aromas cítricos, algo de pêssegos e um delicado toque floral. No paladar é mais gordo dos demais que provei com esta casta, untuoso, bem mineral e boa acidez. Acompanhou muito bem um lombo de bacalhau. Preço médio no mercado R$ 140. Gostei muito! Importadora Adega Alentejana.