Recentemente esteve em Vitória/ES meu amigo e enólogo português, Carlos Lucas. Referência na região do Dão, se dedicou a projetos internacionais, no Piemonte (Itália), no Priorat (Espanha) e também na implantação da produção de vinhos no Vale de São Francisco (Brasil).

Atualmente lidera quatro projetos em Portugal, dentre eles um na região no Alentejo – “Maria Mora” – uma homenagem à mulher da região refletida em uma ilustração de Manuel Ribeiro de Pavia, pintor neo-realista do início do século XX.

O Distrito de Mora é um local de grande tradição de vinhos da região, onde a civilização romana produzia vinhos em Talhas – grandes ânforas de barro, que são usadas até hoje. Maria Mora representa as camponesas do Alentejo, jovens e trigueiras, que trabalham em seus campos quentes e calmos. Ali, são produzidos vinhos que combinam os ensinamentos de antigamente com a técnicas modernas.

Maria Mora Tinto 2015

O enólogo elabora este tinto com as castas Trincadeira, Syrah, Touriga Nacional, sem passagem em madeira. Na taça apresenta um visual rubi com aromas com frutas vermelhas em destaque. No paladar, corpo de média intensidade, com taninos macios, fresco, pedindo o próximo gole. Tem 13,5% de álcool. Custa em torno de R$ 60.

Maria Mora Reserva Tinto 2014

Elaborado com 40% Touriga Nacional, 40% Syrah e 20% Alicante Bouschet, rápida passagem em barricas de carvalho (seis meses).  Visual  rubi, aromas maduros, com fruta mais contida. Agradável no paladar, com taninos bem mesclados com seu corpo de média intensidade, e um toque mineral. Tem 14% de álcool. Custa em torno de R$ 85.

Os vinhos Maria Mora são importados pela Uaine Group.