O “Guia Descorchados 2017“, mais completo e respeitado anuário sobre vinhos da América do Sul foi lançado no dia 11 de abril, em São Paulo. Nesta 19ª edição estão produtores chilenos, argentinos, uruguaios e brasileiros.

Foram avaliados pelo menos 2.500 vinhos, trabalho que resultou em mais de 1.000 páginas sobre as principais vinícolas da região e seus vinhos. Além de apresentações de vinícolas e regiões produtoras, o livro tem referência de notas de degustações e harmonizações sobre diversos vinhos.

Estive rodando a taça pelo evento e dentro dos países participantes o que mais me surpreendeu foi o Uruguai, sempre lembrado pelo seu Tannat duro, tânico e sem frescor, apresentou vinhos com destaque para a fruta fresca e acidez nunca vista. A fórmula encontrada foi a utilização, em muito casos, da maceração carbônica, uma técnica de vinificação onde a fermentação ocorre com os cachos das uvas inteiras, muito utilizada na região de Beaujolais, França. Outro bom resultado vem com a casta branca Albariño cultivadas na região costeira, que já mostra excelente qualidade, porém com pouca oferta.

Os melhores tintos uruguaios

95 pontos: Bodegas Carrau Amat Tannat 2011 (R$ 233 na Zahil)

94: Bodega Alto de la Ballena Cetus Syrah 2013 (R$ 523,66 na Vinhos Mundi)

94: Bodega Bouza B6 parcela Única Tannat 2015 (R$ 334,40 na Decanter)

94: Familia Deicas Domaine Castelar Tannat 2015

94: Familia Deicas Cru D’Exception Malbec 2013

94: Familia Deicas Tannat 2015

94: Familia Deicas Massimo Deicas Tannat 2013

94: Pizzorno Family Estates Exclusive Tannat 2015

94: Pizzorno Family Estates Primo

94: Pizzorno Family Estates Primo Tannat Malbec Merlot Petit Verdot 2013

94: Viñedo de los Vientos Eolo Tannat Ruby Cabernet 2012

92: Viñedo de los Vientos Anarkia Tannat 2016 – Top