Recentemente recebi o convite do amigo Roberto Rodrigues Jr para conhecer os vinhos e a história da jovem e pequena vinícola Casa Romero, localizada na região V do Chile, mais precisamente no vale de Casablanca ao longo da Rota 68, entre as cidades de Santiago e Valparaíso.

Uma região relativamente nova na produção vinícola, a apenas 18 km do litoral. Em virtude disso, o vale recebe uma forte influência marítima, com clima mais frio, com uma amplitude térmica que chega a até 19º de diferença entre o dia e a noite. O resultado é uma maturação mais lenta, produzindo vinhos com excelente acidez e bem aromáticos.

A vinícola, que está em fase de certificação orgânica, vinifica sob o comando dos enólogos Teddie Barahona e Erwin Sepúlveda, três tintos, os Viento Puelche Pinot Noir, Viento Puelche Syrah e o Viento Puelche Malbec.

Tive a oportunidade de provar dois, o Pinot Noir e o Syrah.

Viento Puelche Pinot Noir 2013 – 14,5% alc – passa por carvalho – Produção 15.000 garrafas

Em alguns casos, no Chile, a Pinot Noir oferece estrutura e corpo, mas esta não é a regra. Se você prefere vinhos mais robustos, aqui não vai encontrar. Esse PN me surpreendeu justamente pelo contrário. Seu excelente frescor e elegância, fruta limpa e delicada, remete claramente remete aos bons caldos da Borgonha. Aquele tipo de vinho que acaba rápido e deixa saudades.

Viento Puelche Syrah 2014 – 14,5% alc – passa por carvalho – Produção 6.000 garrafas

O syrah é produzido com uvas da região do Maipo (Puangue), o que imprime ao vinho mais estrutura e corpo, até pela própria característica da uva. Não sei se o álcool mais alto decorre do clima na safra, mas precisa de respirar uns 30 minutos, no mínimo, para equilibrar. O nariz foge do convencional, com toques vegetais em destaque. Um bom vinho, que fica ainda melhor acompanhando pratos à base de carnes. Um cordeirinho, por exemplo!

Os vinhos são vendidos no Brasil pela importadora F2R (27 – 98168-1718), e estarão disponíveis em breve ao preço médio de 140 reais na gondola.