A indústria vitivinícola chilena acaba de enviar um comunicado à imprensa no qual lamenta profundamente a tragédia que o país vive por causa dos incêndios na zona centro-sul do Chile e os danos causados ​​a vidas e vinhedos, especialmente para pequenos produtores nas regiões de O’Higgins e Maule.

Uma mesa-redonda convocada pela Wines of Chile analisou os hectares de vinhedos queimados pelos incêndios que assolam o país: foram contabilizados 94 hectares de vitis vinifera afetados (no total, são 141 mil em todo o Chile). A perda de hectares até agora está concentrada em vinícolas de pequenos produtores em áreas próximas a colinas e florestas, várias delas com vinhedos centenários. Todo o setor vitivinícola chileno está unido para apoiá-los. Estão sendo aplicadas as medidas necessárias para identificar os problemas e contribuir com a busca de soluções concretas. 

A partir de informações recolhidas com as Rotas do Vinho de diferentes vales, Associações de Produtores, MOVI, VIGNO e a colaboração de vinícolas e produtores de várias regiões do país, concluiu-se que a situação é a seguinte:

- Casablanca: ainda em alerta em relação ao incêndio em Curacaví, mas sem vinícolas afetadas;

- Maipo: 10 hectares de vinhedos foram queimados na área de Pirque, incêndios subsequentes não foram detectados;

- Cachapoal: nenhum incidente ou alerta até o momento;

- Colchagua: as áreas mais afetadas são as de Peralillo e Marchigue, onde há 7 hectares de vinhedos afetados;

- Curicó: nenhum problema ou alerta relatado

- Maule: a área da Costa do Maule é a mais afetada. Até agora, foram identificados 75 hectares queimados, incluindo antigos vinhedos de Pais e Carignan. Esta investigação segue em processo, já que a área ainda está na contingência total;

- Itata e Bío Bío: possibilidade de novos incêndios que podem afetar pequenos produtores, mas ainda não há informações oficiais.