Resultado do recente tour na Argentina do crítico de vinhos e editor do Blog Vivendo a Vida, Silvestre Tavares, e o empresário Leonardo Freitas da importadora Vitória Foods, em parceria com Wines of Argentina, é a volta ao mercado brasileiro da bodegas López Montchenot. Também chamada no passado de Château Montchenot, está localizada na Cruz de Piedra (Alto Valle del Río Mendoza), Maipú, Mendoza, onde teve sua primeira colheita em 1960. A região tem um microclima privilegiado, verões quentes e secos, com dias ensolarados e noites frias. Essa notável amplitude térmica favorece o desenvolvimento das uvas, atingindo uma alta qualidade.

O grande “pulo do gato”, que tornam os vinhos dessa vinícola com um estilo inconfundível e uma enorme quantidade de fãs, é o seu processo de amadurecimento x madeira. O Montchenot 10 anos (180,00), composto de um corte de Cabernet Sauvignon, Merlot e Malbec, e a linha Chateau Vieux (R$ 125,00) com Cabernet, Pinot Noir e Merlot, envelhecem em barris de carvalho francês, de 5.000 a 20.000 litros de capacidade, onde o vinho evolui por 10 anos ganhando uma notável complexidade de sabores e aromas antes de ir para o mercado. Já os Montchenot nomeados de 15 e 20 años (ainda não disponível no Brasil) envelhecem mais 5 e 10 anos em garrafa.

O tamanho do barril influencia na qualidade do vinho? Quanto maior o recipiente, menor será o contato da madeira com o vinho e, consequentemente, menor e mais lento será seu efeito no sabor da bebida, aportando bastante elegância. Grandes tonéis de dez mil litros influem bem menos no vinho que pequenas barricas bordalesas de 225 litros (o padrão mais usado hoje no mundo).

Além da linha de alta gama a importadora trouxe para o mercado a linha Vasco Viejo Tinto (uvas – Tempranillo e Malbec) e Vasco Viejo Branco (uvas – Pedro Gimenez e Torrontes), ambos devem chegar às prateleiras com preços de R$ 35,00 a R$ 50,00 e a linha Traful branco e tinto. (Mais informações sobre os vinhos http://www.vitoriafoods.com/bodegaslopez).