Tanto a Indicação de Procedência quanto a Denominação de Origem são classificações que pertencem a uma Indicação Geográfica.

A Indicação de Procedência se relaciona com o nome geográfico de país, cidade, região ou localidade de sua área, conhecido por ter um determinado produto, já patrimônio cultural, famoso por ser deste local. Já a Denominação de Origem vai além: quando é reconhecida passa a ser o “nome” deste produto, onde todos os detalhes como qualidade, estilo, sabor, se relacionam à terra, às pessoas e à história da região. Na transição para Denominação de Origem (D.O.), as normas e controles ficam muito mais específicos, como não só o tipo de uvas, mas as quantidades máximas que podem ser colhidas (quanto menos um vinhedo produzir, melhor será a qualidade da uva), assim como aspectos do processo de elaboração do vinho.

Nem todos os vinhos com o selo da Indicação de Procedência seguirão para a D.O. Entretanto, é bom ressaltar que todas as garrafas elaboradas dentro do território da IG Vale dos Vinhedos, independente de terem ou não a D.O., trazem em si, o sabor e autenticidade do terroir do Vale dos Vinhedos, abrigados pela Indicação Geográfica.

Via> Vale dos Vinhedos

Siga o Blog Vivendo a Vida no Twitter