search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Quando a exploração vitivinícola apenas começava no Chile, Don Melchor Concha y Toro importou em 1883 cepas da região de Bordeaux, dando início a um grande projeto vínico.

A Concha y Toro é atualmente a maior, mais famosa e valiosa vinícola do Chile. Para se ter uma ideia da grandiosidade dessa empresa, ela é responsável por mais de 30% das exportações chilenas, o que supera todo mercado de vinhos finos do Brasil.

Um dos seus vinhos mais famosos e caros é o Almaviva, produzido junto com a vinícola francesa Baron Philippe de Rothschild. A safra de 2012, por exemplo, é vendido na loja por R$800,00 aunidade. O Don Melchor, cerca de R$450, é seu vinho mais famoso e considerado por muitos como o melhor vinho produzido no Chile.

Mas existem os vinhos mais acessíveis, como o Casillero del Diablo que custa cerca de R$ 40 e a linha premium Marques de Casa Concha, com extrema relação qualidade x preço. Atualmente seu preço está posicionado na faixa de R$ 75 no mercado capixaba.

Recentemente estive no Wine Store Carone para uma degustação de alguns rótulos da linha Marques de Casa Concha, que foram harmonizados com pratos da Chef Arlete Nunes. Vamos a minha opinião sobre eles.


Lombo de peixe selado com banana, manteiga de ervas e crocante de alho, para o Chardonnay!

Marques de Casa Concha Chardonnay

Elaborado em um estilo fresco e limpo, o Chardonnay da linha é uma bela descoberta entre os brancos do Chile, com saborosas notas de frutas maduras. Combina bem com camarão, lagosta e peixes de textura firme.

Carré de cordeiro com arroz de agrião, para escoltar os tintos!

Marques de Casa Concha Merlot

Equilibrado, macio, com agradáveis aromas de frutas negras, como amoras e framboesas. Boa oportunidade para quem procura um bom rótulo desta uva. Ideal para o dia-a-dia, acompanhando refeições simples, carnes leves, massas e pizzas.

Marques de Casa Concha Syrah

Se destaca pelo equilíbrio, com acidez e taninos bem balanceados e aromas que remetem a cereja madura e especiarias. Fica ainda melhor com carnes vermelhas, como cordeiro ou T-bone steak. Também é recomendado com risotos condimentados.

Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon

O meu preferido, mostrou aromas agradáveis de cassis e amoras maduras, tabaco e uma refrescante nota de menta. Estruturado, com taninos firmes e maduros aliados a uma excelente acidez. Perfeito para acompanhar cordeiro assado ou grelhado, além de queijos tipo gruyère ou provolone.

 

O site Enoeventos publicou mais uma de suas análises sobre o trafego (acessos) de sites e blogs. A base de dados é o Alexa – The Web Information Company, um site americano especializado na análise do tráfego da Internet, onde classifica milhões de páginas em mais de 125 países. O resultado é um Ranking com os mais importantes, ou os mais acessados sites de vinhos do Brasil. Nesta edição 2015, o Blog Vivendo a Vida colocação.

Leia a matéria completa aqui > http://www.enoeventos.com.br/201503/rank/rank.htm.

 

Vocês já sabem que o vinho precisa respirar para realçar seus aromas e sabores. Nos últimos anos tem aparecido diversos acessórios para ajudar a acelerar o processo de aeração. A última novidade é o aerador TRIbella. Além de sua função principal, o utensilio é fácil de usar, de limpar e transportar. TRIbella vendido por cerca de US$ 40 e pode ser encontrado na Amazon.  

Incremento na comercialização foi de 4,3% nos vinhos finos, 22,7% nos espumantes, 24,8% nos sucos de uva. Vinho de mesa se manteve estável, com aumento de 3,2% no produto engarrafado

Após um período de estabilidade nas vendas dos produtos vitivinícolas, o setor comemora a retomada do crescimento na comercialização para o mercado interno. Os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) mostram que, apesar do momento econômico de retratação em diversos segmentos, os vinhos, sucos, espumantes e outros produtos derivados da uva registraram um crescimento de 4,6% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2014. Os vinhos de uvas viníferas (vinhos finos), por exemplo, apresentaram um crescimento de 4,3%, com a comercialização de 9,1 milhões de litros. Nos vinhos de mesa, os números se mantiveram estáveis, com a venda de 90,7 milhões ante os 90,8 milhões no ano anterior. Somando vinhos finos e espumantes, foram comercializados 14,1 milhões de litros, um crescimento de 10,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Em contrapartida, as importações caíram 1,9%. 

O presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin, Moacir Mazzarollo, avalia que a visibilidade dos produtos vitivinícolas brasileiros com a divulgação na mídia nacional impulsionaram a comercialização no primeiro semestre. “Tivemos a divulgação em nível nacional de diversas pesquisas científicas que comprovam os benefícios dos derivados da uva para a saúde e observamos um aumento nas vendas a partir disso”, acredita. Mazzarollo também cita a alta do dólar como um fator que limitou a entrada de produtos importados e, consequentemente, uma maior procura pelo vinho nacional.

Seguindo a tendência dos últimos anos, os espumantes e o suco de uva voltaram a apresentar crescimento de vendas. Nos espumantes em geral, um incremento de 22,7%, com a venda de 4,9 milhões de litros. Foram vendidos 3,8 milhões de litros de espumantes brut, demi-sec e prosecco, 23,3% a mais do que o registrado em 2014, e 1,1 milhão de litros de moscatéis, aumento de 20,9%. 

O presidente da Federação das Cooperativas Vinícolas do RS (Fecovinho), Oscar Ló, comemora a retomada do crescimento e credita o resultado, entre outros fatores, à qualidade cada vez maior dos produtos. “Apesar de uma certa retração na economia, o setor seguiu investindo em tecnologia,  equipamentos e na remuneração da matéria-prima e o consumidor está reconhecendo este salto de qualidade”, diz. Ló destaca o aumento significativo dos espumantes e do suco de uva como um reflexo da descoberta da vocação vitivinícola da Serra Gaúcha, maior região produtora do país em volume, para as uvas destinadas à elaboração destes dois produtos.

A opinião de Ló é amparada nos resultados da venda dos sucos 100% naturais prontos para o consumo, que apresentaram um crescimento de 24,8%. 49,4 milhões de litros foram comprados pelo público cada vez mais interessado em produtos saudáveis. Prova disso, é que o destaque é de procura pela bebida natural/integral, com aumento de 25% e 45,3 milhões de litros vendidos.

O presidente do Sindicato da Indústria do Vinho, do Mosto de Uva, dos Vinagres e Bebidas Derivados da Uva e do Vinho do Rio Grande do Sul (Sindivinho), Gilberto Pedrucci, enaltece a mudança de comportamento dos consumidores em relação aos produtos vitivinícolas nacionais, que resulta em números positivos mesmo num cenário econômico pouco favorável. “O consumidor tem se mostrado cada vez mais receptivo ao vinho brasileiro e está percebendo a relação custo-benefício dos nossos produtos”, acredita. “Tenho observado uma certa seleção natural e uma acomodação no mercado de vinhos, com alguns importadores que não estavam tão preparados deixando de atuar, e da consolidação de vinícolas brasileiras com produtos cada vez melhores e mais competitivos”, complementa.

Para o presidente da Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi), Evandro Lovatel, a queda das temperaturas, aliada à exposição dos benefícios da uva e seus derivados na mídia, contribuiu para o aumento no consumo. “É preciso despertar ainda mais o interesse do consumidor, reforçar o aspecto saudável do suco de uva e do vinho e trabalhar para que alguns gargalos como a Substituição Tributária sejam amenizados”, diz. O dirigente acredita que ainda existe espaço para aumentar o venda de sucos, devido às restrições do consumo de álcool, de tendências de mercado por produtos saudáveis e pela qualidade da bebida.

Desempenho de vendas dos produtos vitivinícolas gaúchos no primeiro semestre de 2015 em relação ao mesmo período de 2014 – (Correspondem a cerca de 90% da produção brasileira)

- No total, o crescimento nas vendas de produtos vitivinícolas no período foi de 4,6%, com a comercialização de 177,7 milhões de litros.

- Os vinhos tranquilos, incluindo os de mesa e os de variedades viníferas, apresentaram crescimento de 0,37% com a venda de 99,9 milhões de litros;

- Os espumantes, em geral, tiveram aumento de 22,7%, com a venda de 4,9 milhões de litros;

- Os espumantes moscatéis cresceram 20,9%, com a venda de 1,1 milhão de litros;

- Somando vinhos finos e espumantes, foram comercializados 14,1 milhões de litros, um crescimento de 10,2% na comparação com o mesmo período do ano passado.

- Foram vendidos 9,1 milhões de litros de vinhos de variedades viníferas (vinho fino), ou seja, crescimento de 4,3% na comparação com o primeiro semestre de 2014: Tintos: 7 milhões (3,9%); Brancos: 2 milhões (7%); Rosados: 66,9 mil litros (-18,3%);

- Na categoria sucos de uva prontos para o consumo, ocorreu aumento de 24,8% em relação aos primeiros seis meses de 2014, com a venda de 49,4 milhões de litros;

- Os sucos naturais/integrais cresceram 25%, com a venda de 45,3 milhões de litros;

- Os derivados de sucos de uva (néctar, bebida de uva e preparado líquido para refresco), registram queda de 24,1% com a venda de 1,8 milhão de litros;

- Foram vendidos 90,7 milhões de litros de vinho de mesa (- 0,01 % em relação ao primeiro semestre de  2014);

- Outros tipos de vinho, como frisante, base para espumante e licoroso, registraram crescimento de 9,9%.

- Somando-se todos os tipos de vinhos, foram vendidos 105,9 milhões de litros, aumento de 1,3%. 

* Dados provenientes do Cadastro Vinícola, mantido por meio de parceria entre Ibravin, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Secretaria de Agricultura e Pecuária  do RS, com Embrapa Uva e Vinho. Os dados são referentes às vinícolas do Rio Grande do Sul.

Você gostaria de ter uma horta orgânica na sua casa ou apartamento e colher verduras, ervas, legumes e hortaliças frescas e livres de agrotóxicos.

Depois de algumas viagens conhecendo a culinária européia e a praticidade com que cozinhavam, dois amigos resolveram projetar e produzir no Brasil as caixas de plantio como largamente utilizadas na Europa. Assim, depois de uma extensa pesquisa, sempre acompanhada de um bom vinho e um bom prato a idéia tomou corpo, surgindo a marca e o conceito LePotager. A idéia é muito simples, ter em casa ao alcance das mãos e perto das panelas e fogões, todos aqueles temperos e ervas que usamos em nossas receitas. As caixas ecológicas e artesanais, LePotager, são produzidas com a madeira Pinus Elliottii de reflorestamento, largamente utilizada na indústria moveleira e nos artesanatos brasileiros.

Através de um processo totalmente artesanal, a madeira é escolhida, selecionada e separada para as fases que antecedem a produção. Após a seleção das peças, estas são armazenadas de forma cuidadosa, empilhadas para um processo de secagem desenvolvido para manutenção das características da beleza natural da madeira. Dessa forma, se mantem a personalidade da madeira, realçando as pequenas diferenças de cores e texturas, garantindo autenticidade e exclusividade de cada peça.

Completando a proposta de praticidade, beleza e design, as caixas LePotager são também peças de decoração que podem ser utilizadas em qualquer ambiente, externo e interno, pois o tratamento da madeira com Stain impregnante especial, triplica a durabilidade da peça. São 7 opções de modelos, divididos em duas linhas: 04 modelos de caixas com pés e 03 modelos de caixas que permitem o plantio diretamente no solo. Conceitos como o de cozinhar em casa, da boa comida, e a busca por alimentos mais saudáveis se baseiam no desejo de ter uma caixa LePotager. Sempre ao lado da família e dos amigos, acompanhados de um bom vinho! O seu jardim de temperos LePotager!

www.lepotager.eco.br | www.facebook.com/lepotagerbrasil

A Wine Spot realiza na proxima terça-feira, dia 28 de julho, às 19:00, mais uma edição do projeto “Colhendo Sabores” que leva aos eno-apaixonados, vinhos e uma gastronomia com preço justo. Nesta edição será oferecido vinhos americanos que serão harmonizados com pratos típicos, por exemplo, mini hambúrgueres. Ainda tem algumas vagas. Fale com meu amigo Helio Massoni pleo telefone 3533.2173. Nos vemos lá!

Os apreciadores de um bom vinho já têm um programa certo para o período de 4 a 6 de agosto: II Festival de Vinhos, promovido pelo Shopping Pátio Higienópolis, que nesta segunda edição terá cerca de 70 rótulos, entre 14 importadoras e vinícolas participantes, que poderão ser apreciados em dois dias diferentes.  

A abertura do II Festival será no dia 4, às 19h30, com palestra da enólogo e sommelière  Anna Rita Zanier, que irá conduzir os participantes num tour pelas regiões vinícolas da Itália,  abordando a harmonização de vinhos com determinados pratos. Zanier, nascida na Itália, ministra palestras sobre o assunto há mais de 18 anos. A palestra é gratuita, sem reserva prévia de lugar. Sujeito à lotação.

Nos dias 5 e 6 de agosto, entre 17h e 22h, o público poderá degustar de mais de 70 rótulos de vinhos, de diferentes tipos de uvas, produzidos em diferentes regiões e com uma grande variedade de safras.  Os ingressos custam R$ 90 por pessoa, para um único dia – valor que pode ser utilizado como crédito para a compra do vinho escolhido favorito (ou vinhos) no Emporium Dinis após a degustação. Os ingressos estarão à venda a partir de 22 de julho, no Emporium Dinis, piso Veiga Filho.

SERVIÇO:

II Festival de Vinhos do Shopping Pátio Higienópolis

Endereço: Shopping Pátio Higienópolis (Piso Veiga Filho – Vão Central) – Avenida Higienópolis, 618 com entrada alternativa pelas ruas Dr. Veiga Filho 133 e Dr. Albuquerque Lins 1.345 (Piso Boulevard)

·         Palestra com Anna Rita Zanier, Piso Veiga Filho (Vão Central), dia 4 de agosto, às 19h30 horas (entrada gratuita; não há reserva prévia de lugar, nem inscrições; por ordem de chegada – sujeito à lotação)

·         Festival, com Degustação, dias 5 e 6 de agosto, das 17h às 22h  (piso Veiga Filho, Vão Central), Ingressos R$ 90 por dia/pessoa. Venda a partir de 22/07, no Emporium Dinis (não haverá venda de ingressos no local)

O restaurante Soeta contrata uma das sommeliers mais respeitadas do Brasil, Gabriela Monteleone, que tem no currículo trabalhos para o restaurante paulistano D.O.M., considerado o quarto melhor do mundo, além de passagens pelo Fasano, Pomodori e Gero.

Junto com os chefs do Soeta Bárbara Verzola e Pablo Pavón, Gabriela está promovendo harmonizações especiais de vinho para os novos menus da temporada. A consultoria inclui, ainda, reciclar e treinar a brigada e propor novidades para a carta de vinhos.

O cliente da casa já pode conferir as novidades nas harmonizações do menus degustação desta temporada: Menu Tradição, Menu Homenagem a Itália e Menu Degustação Soeta.

A equipe do BuzzFeed Brasil foi aos restaurantes dos chefs Paola Carosella, Erick Jacquin e Henrique Fogaça para ver se seus pratos são mesmo dignos de serem chamados de “MasterChef”.

O MasterChef Brasil é um reality show de sucesso no Brasil e um dos programas da TV aberta brasileira que mais recebe interações da internet em tempo real. Parte disso se deve às estrelas do programa, os chefs-jurados Henrique Fogaça, Paola Carosella e Erick Jacquin, que julgam os pratos com seus critérios rigorosos e sempre exigem dedicação e criatividade dos participantes.

Eles parecem entender muito de comida, mas às vezes você pode se perguntar: “será que eu curtiria a comida deles também?” Continue a leitura aqui.

Apreciar bons vinhos ao som de Jazz e Blues em um lugar paradisíaco. É esse cenário que será oferecido para quem for no Jurema Beach Bar no dia 12 de agosto. Para abrir a noite, Bossa Nova Lounge apresentado pelo DJ Josh Simmon, residente do Jurema Beach. Em seguida, Finest Hour com o melhor do Jazz’n'Blues. Serão oferecidos espumantes, brancos, tintos, Vinho do Porto e mesa de frios à vontade.

Local: Jurema Beach Bar – Avenida José miranda Machado, 345 – Enseada do Suá, Vitória.

Ingresso: R$ 150,00 – Contato: personalwinetulio@gmail.com – Tel: 992848287