search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

Cerca de 250 profissionais do mercado gastronômico foram responsáveis por eleger os 50 melhores restaurantes da América Latina 2016. A cada um deles também coube decidir o conceito de “melhor” – já que, segundo os próprios organizadores, “não existem critérios pré-determinados”.

O ranking, 50 Best, começou a ser divulgado nesta segunda-feira (26), na Cidade do México, as 22h30 (horário de Brasília). 

Aqui está a lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina: Brasil com nove na lista!!!

50. Buenos Aires, Argentina, “Pura Tierra”

49. Chia, Colombia, “Andrés Carne de Res”

48. Ciudad de México, México, “Dulce Patria”

47. Asunción, Paraguay, “Tierra Colorada Gastro”

46. Punta del Este, Uruguay, ”Labourgogne”

45. Sao Paulo, Brasil, “Tuju”

44. Belem, Brasil, “Remanso do Bosque”

43.  Santiago de Chile, Chile, “Osaka”

42. Mendoza, Argentina, “1884″

41. Lima, Perú, “Isolina”

40. Bogotá, Colombia “Hary Sasson”

39.  Valle de Guadalupe, México, “Corazón de tierra”

38. Lima, Perú, “Malabar”

37. Ciudad de México, México, “Nicos”

36.  Ciudad de Panamá, Panamá, “Maito”

35. Buenos Aires, Argentina, “Chile”

34. Lima, Perú, “Fiesta”

33. Buenos Aires, Argentina, “La Cabrera”

32. Caracas, Venezuela, “Alto”

31.  Buenos Aires, Argentina, “Elena”

30. Lima, Perú, “Rafael”

29. Bogotá, Colombia, “Criterión”

28. Sao Paulo, Brasil, “Mocotó”

27. Lima, Perú, “Osso carnicería y salumería”

26. Buenos Aires, Argentina, “Aramburu”

25. Rio de Janeiro, Brasil ” Roberta Sudbrack”

24. São Paulo, Brasil, “A Casa do Porco”

23. José Ignacio, Uruguay, “Parador La Huella”

22. Santiago de Chile, Chile, “99″

21. Buenos Aires, Argentina, “Don Julio”

20. Santiago de Chile, Chile, “Ambrosía”

19. Monterrey, México, “Pangea”

18. Río de Janeiro, Brasil, “Lasai”

17. Río de Janeiro, Brasil, “Olympe”

16. Bogotá, Colombia, “Leo”

15. Toluca, México, “Amaranta”

14. La Paz, Bolivia, “Gustu”

13. Buenos Aires, Argentina, “El Baqueano”

12. Lima, Perú, “La Mar”

11. Ciudad de México, México, “Sud 777″

10. Ciudad de México, México, “Biko”

9. Buenos, Aires Argentina, “Tegui”

8. São Paulo, Brasil, “Maní”

7. Lima, Perú, “Astrid y Gastón”

6. Ciudad de México, México, “Quintonil”

5. Ciudad de México, México, “Pujol”

4. Santiago de Chile, Chile, “Boragó”

3. São Paulo, Brasil, “D.O.M.”

2. Lima, Perú, “Maido”

1. Lima, Perú, “Central”

 

Já ouviu falar no vinho azul? O primeiro produzido no mundo foi o espanhol Gik, e agora chegou a vez de Portugal com o Casal Mendes Blue, nova aposta da Bacalhôa Vinhos de Portugal.

Segundo a empresa ele foi criado para “satisfazer o desejo e a procura por uma bebida mais saborosa, refrescante e envolvente, para partilhar com amigos”. Tem apenas 10% de teor alcoólico e é levemente frisante.


O vinho tem como base o Casal Mendes Branco, e chega a cor azul após adição de corantes, que o produtor afirma ser de origens naturais.

Pesquisando sobre o produto verifiquei que o IVV (Instituto da Vinha e do Vinho), órgão que regulamenta o vinho em Portugal classificou o Casal Mendes Blue como “bebida aromatizada à base de vinho”. Ou seja, não é considerado ‘vinho’ pelo IVV.

Polêmicas à parte, o sucesso é inegável. Ainda não está disponível para exportação. Cada garrafa custa €2,99 no mercado europeu.

Como falei aqui no blog, aconteceu ontem na cidade de Bento Gonçalves (RS), a 24ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2016, considerada a maior degustação do mundo! Às cegas, foram degustadas e comentadas 16 amostras selecionadas entre as 30% mais representativas das 241 inscritas por vinícolas de cinco estados brasileiros. O evento é promovido pela Associação Brasileira de Enologia (ABE).

Conheça os 16 vinhos mais representativos da safra 2016:

Categoria Vinho Base para Espumante:

1. Chardonnay – Casa Venturini Vinhos e Espumantes (Flores da Cunha – RS)

2. Chardonnay – Domno do Brasil (Garibaldi – RS)

3. Chardonnay/Pinot Noir – Vinícola Geisse Ltda. (Pinto Bandeira – RS)

Categoria Branco Fino Seco Não Aromático

4. Riesling Itálico – Vinícola Salton (Bento Gonçalves – RS)

5. Chardonnay – Cooperativa Agroindustrial Nova Aliança (Santana do Livramento – RS)

6. Chardonnay – Basso Vinhos e Espumantes (Farroupilha – RS)

Categoria Branco Fino Seco Aromático

7. Sauvignon Blanc – Rasip Agropastoril (Vacaria – RS)

8. Moscato Giallo – Vinícola Don Guerino (Alto Feliz – RS)

Categoria Tinto Fino Seco Jovem

9. Merlot – Vinícola Casa Motter (Caxias do Sul – RS)

Categoria Tinto Fino Seco

10. Tempranillo – Miolo Wine Group Vitivinicultura (Bento Gonçalves – RS)

11. Marselan – Casa Valduga Vinhos Finos (Bento Gonçalves – RS)

12. Cabernet Franc – Casa Perini (Farroupilha – RS)

13. Cabernet Sauvignon – Guatambu Estância do Vinho (Dom Pedrito – RS)

14. Cabernet Sauvignon – Vinícola Almaúnica (Bento Gonçalves – RS)

15. Tannat – Dunamis Vinhos e Vinhedos (Dom Pedrito – RS)

16. Alicante Bouschet – Dal Pizzol Vinhos Finos (Bento Gonçalves – RS)

Fonte: Blog Eu, Gourmet de Emerson Haas

Amigos, cerca de 850 pessoas, entre especialistas, enófilos e jornalistas do Brasil e do exterior, participam hoje em Bento Gonçalves (RS) da 24ª Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2016, considerada a maior degustação do mundo! Às cegas, serão degustadas e comentadas 16 amostras selecionadas entre as 30% mais representativas das 241 inscritas por vinícolas de cinco estados brasileiros. O evento, promovido pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), ocorrerá a partir das 9h deste sábado, 24 de setembro, no Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves, localizado na Rua Alameda Fenavinho, 481 – Fenavinho em Bento Gonçalves.


Além de conhecimento e experiência, tradicionalmente o dia da Avaliação Nacional de Vinhos cumpre o caráter lúdico do evento, permitindo que o público compare suas impressões sobre as amostras com as considerações dos comentaristas. Serão 15 convidados pela ABE, entre eles o Enólogo do Ano 2015, Christian Bernardi, e o ator Thiago Rodrigues, além de grandes nomes do exterior, e um sorteado no dia do evento. Os participantes também poderão validar suas avaliações por meio de um sistema totalmente digital. Desse modo, a mediana do público será conhecida durante as degustações, ampliando a participação dos apreciadores de vinho.


O presidente da ABE, enólogo Juliano Perin, lembra que desde a coleta até as degustações dos enólogos, a Avaliação passou por processos minuciosos de análise. “O dia 24 mostrará às centenas de apreciadores de vinhos que o empenho da ABE e a exemplar coordenação técnica da Embrapa Uva e Vinho reúnem profissionais renomados em busca da valorização e divulgação da viticultura nacional. E os participantes ainda poderão degustar parte das amostras mais representativas, que expressam terroirs tão diferentes”, destaca.

O caminho até o grande dia da Avaliação é intenso. Nesta edição, cerca de 15 profissionais estiveram envolvidos na coleta das amostras, realizada de 18 de julho a 3 de agosto sob a coordenação técnica da Embrapa Uva e Vinho. As equipes foram até 46 vinícolas localizadas na Bahia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo e recolheram nove garrafas de cada amostra inscrita na Avaliação, totalizando 2.169 exemplares sem rótulo ou marca que identificasse a empresa participante. Esse sigilo será mantido durante as degustações pelo público, que só conhecerá o nome e a origem dos vinhos ao final do evento.

Outro ponto alto do evento será a entrega do troféu Vitis, que desde 1993 homenageia figuras que dedicam tempo, conhecimento e talento para a promoção do vinho brasileiro. O Troféu Vitis é entregue em duas categorias: Destaque Enológico e Amigo do Vinho.

Com o objetivo de buscar o encantamento do consumidor por meio da gastronomia, o Restaurant Week chega a sua 13ª edição no Espírito Santo. A temática desta edição do festival gastronômico é a “Cozinha de Sedução”, que propõe aos estabelecimentos participantes que reinventem alguns de seus principais pratos, acrescentando a eles ingredientes que seduzam os diferentes sentidos dos clientes, como a visão, o olfato e o paladar. Novidade desta edição é que pela primeira vez o evento acontecerá durante três semanas para o público em geral: entre 26 de setembro a 16 de outubro (nas edições anteriores eram duas semanas).

Com a participação de 38 endereços, foram elaborados um total de 48 menus. A maioria dos restaurantes conta com pelo menos duas opções de entrada, prato principal e sobremesa. Alguns restaurantes optaram por oferecer três escolhas aos clientes, é o caso do Bendito Bistrô, em Vitória, que oferece um terceiro menu completo vegano. Os restaurantes By Rock, Cantina D’ Itália, Domus Itálica, Enseada Restaurante Mediterrâneo, Forneria Della Garfagnana e Spaghetti & Cia (Vila Velha e Vitória) também oferecem uma opção de prato principal a mais para seus clientes.

Os vegetarianos também podem aproveitar o festival. Algumas casas elaboraram entradas e pratos sem carnes, entre eles o Della Bistrô que oferece gratim de berinjela e ervas; e penne ao creme de abobora e couve frita, no horário de almoço. As casas italianas são outras opções para quem não come carne. O Spaghetti & Cia, com endereços em Vitória e Vila Velha, também oferece entradas e pratos vegetarianos. Em Vitória, no horário do almoço, há salada com folhas, rúcula, tomate, queijo parmesão ralado e redução de vinagre balsâmico na entrada; de prato principal um ravióli de ricota com tomate seco salteado em azeite de ervas finas, alho e manjericão. Já no horário de jantar, berinjela à milanesa com molho de tomate e queijo parmesão de entrada; e nhoque de batata ao molho de tomates frescos com fonduta de queijo e manjericão como opção de prato principal. Em Vila Velha, são dois pratos principais no jantar: conchiglione de queijo, damasco e nozes ao molho de tomate e manjericão; e ravioli de abóbora ao molho de queijo gorgonzola, creme de leite e nozes.

Entre as 23 casas de Vitória, 14 de Vila Velha e uma de São Mateus, os clientes poderão conferir as mais diversas especialidades gastronômicas, entre elas brasileira, argentina, portuguesa, japonesa, contemporânea, italiana, mediterrânea, americana e frutos do mar. No almoço, o valor do menu completo é de R$ 39,90 e no jantar é de R$ 51,90. A proposta para os pratos elaborados foi a criação de receitas que envolvam a aparência, o sabor e o aroma dos ingredientes.

Assim como em toda edição, o Restaurant Week mantém sua ação solidária, pedindo a doação de R$ 1 a cada menu vendido para ser direcionado a uma instituição de caridade. Neste evento, as doações serão entregues à Associação Beneficente Pró-Matre, uma das principais maternidades de Vitória voltada para atendimento ao SUS.

Conheça os pratos e restaurantes participantes – http://restaurantweek.com.br/evento/espirito-santo

Amigos, na noite de terça-feira, 13 de setembro, participei de um jantar organizado pelo grupo LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, no restaurante Aleixo, Praia do Canto, que teve como objetivo apresentar novidades da sua mais celebre marca de champagne, o Dom Pérignon.

Seu nome é uma homenagem ao monge beneditino Dom Pierre Pérignon, que descobriu, por acaso, a bebida.

Ele produzia vinho tranquilo, sem bolhas. Um dia, resolveu mudar a maneira de lacrar as garrafas – não existia rolha tradicional – ao invés de usar um pedaço de pano, colocou cera de abelha. O açúcar da cera fez o vinho fermentar novamente. E foi assim que nasceu o champagne e ele disse a famosa frase: “Venham rápido, irmãos, estou bebendo estrelas”.  

A degustação foi conduzida por Raphael Vidigal, responsável pelo marketing do grupo e Chesley Vivaldi (Executivo de vendas ES), que apresentaram três faces do champanhe: Dom Pérignon safra 2005, Dom Pérignon Rosé 2004, e a grande novidade – Dom Pérignon P2 1998. Para escoltar essas preciosidades o jovem e talentoso chef Jonathan Nery preparou um menu de três passos inesquecível, com vieira, foie-gras e cavaquinho.

Recentemente, Richard Geoffroy (enólogo chefe), decidiu classificar seus champagnes pelo tempo de contato com as leveduras. Plenitude 1, 2 e 3. A primeira plenitute é o DP Vintage normal, com 9 anos, a segunda plenitude, ou P2, 16 anos, com muita complexidade e a terceira plenitude, ou P3, que chega somente após 40 anos, com muita profundidade, para meditar.  

Após o lançamento da safra 1998, segunda plenitude, chamada de Oenotèque, foi batizada como o nome Dom Pérignon P2 ou P3, conforme sua “plenitude”.

Dom Pérignon P1 2005, 1ª Plenitude

  • Na taça mostrou um perlage finíssimo, notas florais e cítricas, com leve tostado (panificação), resultado do contato com as leveduras. Um vinho muito elegante, com paladar extremamente fresco, e mineral, com excepcional acidez. 

Dom Pérignon Rosé P1 2004, 1ª Plenitude

  • Considerado por Richard Geoffroy, chef-de-cave de Dom Pérignon, a joia da Maison. Sublime! Visual casca de cebola, untuosa espuma, finíssimo perlage, e uma riqueza aromática e gustativa fazem do Dom Pérignon Rosé um champanhe especial. Refrescante e sedoso. 

Dom Pérignon P2 1998, 2ª plenitude

  • O perlage é fino e delicado. Some com tempo, se transformando em um vinho tranquilo. Um Champagne diferenciado, que apesar dos seus 18 anos de vida não perdeu frescor, e nem intensidade aromática. Notas cítricas, e de frutas brancas, com mais estrutura que os demais, sem perder a finesse. Bem adegado vai evoluir muito ainda na garrafa.

A Revista Eno Estilo publicou em seu site uma análise sobre o trafego (acessos) de sites e blogs de vinho no Brasil em 2016. A base de dados é o Alexa – The Web Information Company, um site americano especializado na análise do tráfego da Internet, onde classifica milhões de páginas em mais de 125 países. O resultado é um Ranking com os mais importantes ou os mais acessados. Nesta edição 2016 o Blog Vivendo a Vida ficou na 4ª colocação. Valeu galera!

Veja a matéria completa http://www.enoestilo.com.br/quem-e-quem-2016-mundo-do-vinho-2016/

Dados coletados no Alexa em 04 de setembro de 2016

Os interessados no curso de Sommelier Profissional estão convidados para aula inaugural dia 05 de setembro 2016, às 19:00 horas na sede da Faculdade Novo Milênio em Coqueiral de Itaparica – Vila Velha – ES.

O curso coordenado pelo mestre Franklin Pinheiro, terá duas turmas, manhã e à tarde, sendo destinado aos profissional de bares, restaurantes, rede hoteleira e os enófilos (consumidores em geral) apaixonados por vinhos.

Serão 150 horas de curso, divididos em 7 modulos – 6 meses, duas vezes por semana.

  • Iniciação a enologia;
  • Etiqueta, convívio social e no trabalho;
  • Destilados e outros fermentados: história e seus processos de produção;
  • Estudos dos países do velho mundo;
  • Estudo dos países do novo mundo;
  • Serviço do vinho e seus ritual;
  • Enogastronomia, teoria e prática.
  • www.novomilenio.com.br
  • (27) 33995558 – 998020420
  • gastronomia@novomilenio.br

Investimento 6 x R$ 600,00. Achou caro? Negocie com seu patrão, acredito que ele terá interesse na sua capacitação.


Jurados – Evelize Calmon, André Andrès (revelei…rs), Marcia Lopes e Silvestre Tavares

Gostaria de aproveitar esse post para dar os parabéns a terceira turma que tive a honra de compor a banca de jurados da prova final, na companhia da Sommelier Marcia Lopes, de André Andrès (Bande|Metro) e Evelize Calmom (blog Comer e Contar e Rádio Bande News ES) na qual avaliamos o serviço e as harmonizações indicadas pelos alunos. Todos estão de parabéns. Os amigos Dulcino Tosi, Olicio e Vanderlei do Carone, Helcius Costa, Teresa Eulálio, Gilson e muitos outros. Sucesso galera!

Mendoza é uma das regiões vinícolas mais incríveis do mundo, principalmente pela perfeita combinação entre um cenário moldurado por vinhedos abençoados pela Cordilheira dos Andes, além de um clima agradável o ano todo. Não bastasse tanta beleza, a região possui uma série de roteiros, principalmente se estiver procurando por provas de vinho e uma gastronomia baseada na suculenta carne argentina.


Atualmente são 1.200 vinícolas, onde em cerca de 200 delas é possível degustar bons rótulos e até mesmo fazer uma visita guiada aos vinhedos, e dependendo da época, colher a uva e aprender sobre o processo de produção. Algumas delas vão além, oferecendo hospedagem e excelentes restaurantes.

As principais uvas: A Malbec é a mais plantada e apreciada, porém alerto para qualidade da Pinot Noir, Cabernet Franc e a Cabernet Sauvignon. Quanto as brancas, além da nativa Torrontés, provem os caldos elaborados com a Viognier.


Estive recentemente visitando a região e apresento aqui algumas vinícolas:

Norte de Mendoza – Lujan de Cuyo

Aos pés da cordilheira de Los Andes, em Mendoza, encontra-se a região de Luján de Cuyo – Agrelo, Maipú, Godoy Cruz e Guaymallén, onde se concentra a maior quantidade de vinícolas do país e um número muito importante de vinhedos antigos. As vinícolas argentinas mais tradicionais estão ali.

O solo da região é de origem aluvial com subsolo pedregoso e possui sedimentos de areia, limo e argila. A pobreza de matéria orgânica limita o crescimento excessivo das videiras dando como resultado excelente qualidade de uva para a produção de vinhos. Aqui, o Malbec possui características notáveis com cores vermelho violáceo e pronunciada intensidade.

Bodega Catena Zapata


A primeira que indico é a Catena Zapata, que alcançou status e admiração em todo o mundo. Foram os pioneiros em muitas iniciativas, como o uso de barricas francesas e da viticultura de precisão, que utiliza até satélites para descobrir a melhor adequação de cada variedade ao terroir.

A vinícola tem a forma de uma pirâmide maia, tornando-se uma das mais belas da cidade. No subsolo, os melhores vinhos repousam pacientemente até a hora de serem engarrafados. No segundo andar, salas de degustação, amostras dos perfis de solo dos vinhedos da vinícola, e a escala em metal que dá acesso ao terraço.

A degustação pode ser realizada em qualquer uma das várias salas da pirâmide. Os guias são preparados para atender os visitantes. Procure reservar com bastante antecedência.

O agendamento da visita pode ser feito pelo telefone (54) (261) 413-1100 ou pelo site www.catenawines.com/es/contact.html

End: J. Cobos s/n, Agrelo, Luján de Cuyo, Mendoza – Importadora no Brasil – www.mistral.com.br

Bodegas Lopez – Maipú

Na cidade de General Gutiérrez em Maipú está localizada a Bodega Lopez com mais de 117 anos de tradição. Seu fundador, Jose Lopez Rivas, veio da Espanha fugindo de uma praga devastadora. De 1898 até hoje a vinícola tem sido gerida pela família fundadora através de quatro gerações.

A visita começa com um vídeo institucional onde os visitantes podem aprender sobre sua história, diferentes formas de colheita etc. Em seguida, começa o passeio onde você vai ver as adegas da área e moagem, tanques de aço inoxidável para fermentação, pneumáticos e salas de envelhecimento em grandes prensas de barris. Você também pode visitar a produção de espumantes, e um museu para finalmente provar vinhos em uma adega subterrânea.

O grande diferencial que tornam os vinhos dessa vinícola com um estilo inconfundível, é o seu processo de amadurecimento x madeira, grandes barris de carvalho francês, de 5.000 a 35.000 litros de capacidade, onde o vinho evolui ganhando uma notável complexidade de sabores e aromas antes de ir para o mercado.

A vinícola também oferece uma gastronomia excelente, com a instalação do restaurante Rincón de Lopez, premiado com o “Best of Wine Tourism Mendoza”. Imperdível! 

Telefone: 0261-4972406 – Endereço: 375 North Ozamis General Gutiérrez, Maipú – Mendoza, Argentina. http://www.bodegaslopez.com.ar

Bodega Renacer


Localizada em Perdriel, Luján de Cuyo, em uma área privilegiada para o Malbec. A vinícola começou a construção em 2001, o ano em que um vinhedo de 20 hectares foi comprado.

Atualmente possui 30 hectares e trabalha com os produtores locais, que obtém as melhores uvas das melhores terroirs de Mendoza. A adega é pioneira no desenvolvimento de viticultura de precisão, plantas de alta densidade e baixa produção por planta, originando excelentes vinhos.

Os vinhos estão presentes em mais de 30 países. Três de seus quatro vinhos foram incluídos no Top 100 por publicações reconhecidas. 

A vinícola também oferece atividades como: Winemaker Experience, onde você pode fazer seu próprio corte, desenhar e rotular sua própria garrafa. Você tem a possibilidade de frequentar um curso de degustação, desfrutar de um churrasco argentino típico ou um piquenique na pérgula.

Em breve estará pronto seu centro de visitantes e um restaurante. O projeto, com um custo de 1 milhão de dólares terá uma área total de 300 metros quadrados cobertos e 250 ao ar livre.

Brandsen 1863 – Lujan de Cuyo, Mendoza, 5507, Argentina – Telefone: 54-261-5244416 – Email: info@bodegarenacer.com.ar

Bodega Casarena

Apenas 20 minutos da cidade de Mendoza, este projeto aberto em 2007, após a restauração completa de uma vinícola centenária, que ainda mantém a sua fachada, agora é exclusivamente para a produção de vinhos premium.

Esse desafio começou a ser traduzido em dezenas de prêmios recebidos até agora por parte dos críticos mais prestigiados.

A vinícola também é reconhecida pela qualidade de visitas guiadas e degustações. Está sempre listada entre os primeiros recomendado pelos sites de viagens em todo o mundo. 

Outro ponto alto é o restaurante Casarena, escolhido e recomendado por centenas de passageiros de todas as localidades. O edifício, construído em terreno alto feito especialmente se funde com a vinha e os Andes como pano de fundo. A cozinha gourmet combina perfeitamente com vinhos Casarena escolhidos para cada degustação. As quatro estações marcam a mudança de menu, preparados com produtos regionais frescos que convidam constante descoberta de sabores.

Brandsen 505 – Lujan de cuyo, Mendoza , 5509 , Argentina – Telefone: 54-261-696-7848 – Email: turismo@casarena.com

Bodega Lagarde


A história da Bodega Lagarde se confunde com o início da indústria vitivinícola em Mendoza. Estabelecida em 1897 e dirigida pela família Pescarmona desde 1970, é uma das bodegas com mais antigas de Mendoza, com vinhedos históricos e centenários de 1906 e 1930.

Foram os pioneiros na implantação de cepas Viognier e o Moscato Bianco.

Seus vinhos são elaborados exclusivamente com uvas dos próprios vinhedos, com mais de 300 hectáres em diferentes terroirs em Perdriel, Luján de Cuyo, Agrelo e o Vale de Uco, os mesmos encontram-se cuidadosamente situados sob as condições especiais que cada variedade necessita para aumentar a sua máxima expressão.

A vinícola conta com uma gastronomia excepcional, elaborada pelo restaurante Fogón, eleito número 1 em Mendoza pelo TripAdvisor. Imperdível!

San Martín 1745 – Lujan de cuyo , Mendoza , 5507 , Argentina – Telefone: 54-261-4980011 – Email: info@lagarde.com.ar

Bodega Benegas

A vinícola foi construída em 1901 pelo ex-governador de Mendoza, Agustin Alvarez. Em 1999 foi comprada por Federico Benegas Lynch, e passou por uma restauração que durou 5 anos, mantendo sua arquitetura original.

A visita começa com um passeio pelas vinhas, passando pela área de vinificação, seguida pela adega subterrânea, com as tradicionais barricas de carvalho francesas e, finalmente, com a degustação de seus vinhos fantásticos, principalmente seu Cabernet Franc.

Araoz 1600 – Mayor drummond, Mendoza, 5507, Argentina – Telefone: 54-261-4963078 – Email: exportmanager@bodegabenegas.com

Finca Decero

A finca “Decero” que significa “a partir do zero” é localizada na região de Agrelo, a 1.050 metros acima do nível do mar, o mais elevado da região, aos pés da Cordilheira dos Andes. O nome “Remolinos” Vineyards vem de redemoinhos, rajadas de vento em forma de espiral que passeiam entre as videiras. O investimento foi patrocinado por um dos 140 homens mais ricos do mundo e apaixonado pelo vinho, o Suiço Thomas Schmidheiny, que também tem vinícolas na Austrália, Califórnia e Suíça. 

O tour vinícola pode ser realizada através de duas propostas: a primeira “Wine Lovers” voltado para aqueles que querem descobrir a beleza por trás dos vinhos da adega, um passeio e degustação de três vinhos. A outra proposta “Wine aficionados tour” é para aqueles que têm um pouco mais de conhecimento do mundo do vinho, com visita a adega e prova de vinhos combinados com três pratos.

A vinícola conta com um belo restaurante.

Bajo las Cumbres 9003 – Agrelo , Mendoza , 5509 , Argentina – Telefone: 54-261-5244747 – Email: decero@decero.com

Vale de Uco

O Valle de Uco está situado a uns 100 km a sudoeste da cidade de Mendoza e, nestes últimos anos, tem se transformado em um destino privilegiado para turistas e experts do vinho. Abrange territórios cultivados dos departamentos de Tunuyán, Tupungato e San Carlos, no contraforte da Cordilheira de Los Andes, irrigados pelos rios Tunuyán e Tupungato. Sua área total supera os 17.370 km2. 

O clima é temperado, com invernos rigorosos e verões quentes com noites frescas. A temperatura média anual é de 14,2°C e possui mais de 25 mil hectares de vinhedos situados aos pés da Cordilheira de Los Andes. O vale é um lugar privilegiado para a produção de uvas e vinhos de altíssima qualidade. A amplitude térmica diária é de aproximadamente 15° C, gerando uma excelente produção de cor e tanino nas uvas. Ali são criados vinhos destinados a um longo estágio. 

A bacia do rio Tunuyán atravessa a província de Mendoza de oeste a leste seguindo pelo paralelo 34º sul. O clima e a água são fatores determinantes na região da bacia. A altitude e a distância do Oceano Atlântico, somados à presença da Cordilheira de Los Andes que age como uma barreira aos ventos úmidos do Pacífico, modelam o clima da bacia. O clima de tipo continental que existe na bacia traz como consequência grandes variações das condições atmosféricas gerando um efeito de considerável estacionalidade. 

Vinhedos e vinhos de Valle de Uco

Em 2012 a área plantada no Valle de Uco superava os 25.500 hectares, quase o dobro que em 2001. É evidente a grande expansão de uma das zonas de maior reputação da vitivinicultura argentina. Desse total, três quartas partes correspondem a variedades tintas, uma vez que estas uvas tem tido uma excelente adaptação a esta zona de altura de Mendoza. A Malbec transformou-se na estrela do lugar com mais de 44% da área plantada, com um crescimento que triplica os hectares plantados há apenas uma década atrás. 

Os vinhos tintos do Valle de Uco são de cor intensa e matiz violeta. Os aromas revelam fruta madura, especialmente frutas vermelhas. Na boca, costumam ter taninos marcados, com bom teor alcoólico e de acidez média. Por outro lado, os brancos da região apresentam em geral baixa intensidade de cor com matizes esverdeados. Os aromas predominantes são cítricos, frutados e florais. O nível de acidez é moderado-alto. 

A altitude da região, ao agir como moderadora das temperaturas máximas em um ambiente de baixa umidade relativa e grande exposição solar, permite produzir uvas de grande intensidade e concentração de polifenóis. O solo é um fator determinante na elaboração de vinhos de qualidade. No caso do Valle de Uco ele é aluvial, arenoso ou pedregoso, o que se traduz numa excelente permeabilidade e drenagem.

Domaine Bousquet

Localizado no Vale do Uco, ao sul da província de Mendoza , tem como filosofia se concentrar em preservar a alta qualidade das uvas. Em sua visita, você pode descobrir as vinhas e a filosofia orgânica, certificada desde 2005. Você poderá descobrir a rota das uvas da colheita à vinificação e participar em diferentes tipos de provas, além ter aulas de cozinha com a chefe e muitas outras atividades. O restaurante com visual para a Cordilheira é a mais bonito e um dos mais saborosos de Mendoza.

Ruta 89 s / n – Tupungato, Mendoza, 5561, Argentina – Telefone: 54-0261-5274048 – Email: info@domainebousquet.com

Finca Sophenia

Fundada em 1997 por Roberto Luka, antigo diretor de operações de uma das maiores companhias exportadoras de vinhos da Argentina e ex-presidente da Wines of Argentina, e Gustavo Benvenuto, a Finca Sophenia está localizada aos pés da Cordilheira dos Andes, mais precisamente a 1.200 metros de altitude na excelente área de Tupungato, na conhecida região de Mendoza. O nome “Sophenia” é uma combinação dos nomes das filhas dos fundadores: Sophia e Eugenia. Atualmente são 130 hectares plantados com as cepas francesas Malbec, Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay e Sauvignon Blanc.

A visita começa na vinha com uma narrativa sobre as castas que compõem os vinhos da Finca Sophenia e cuidado que a adega realiza para obter uvas de qualidade ao pé da Cordilheira dos Andes.

Uma vez no interior da adega, o perfil arquitetônico e equipada com a mais recente tecnologia, os turistas conhecem os diferentes passos do processo de produção. O passeio termina na sala de barricas com a esperada degustação, com vinhos de vários estilos e preços.

O bar onde os vinhos são provados faz parte de uma escultura artística feita a partir de aduelas utilizados Sophenia Synthesis (ícones adega), criando uma peça única e um clima inesquecível.

Ruta 89. Camino Los Árboles Km 12,5 – 16 de julio , Mendoza , 5561 , Argentina – Telefone: 54-0261-155042788

Bodega Atamisque

Localizada na famosa rota turística do vinho, “ruta 86″, a Bodega Atamisque foi inaugurada em 2007, no Valle do Uco, distrito de San José em Tupungato. A Bodega nasceu da paixão pela viticultura dos irmãos franceses John e Chantal du Monceau, herdeiros de uma família de produtores na Borgonha, França. Hoje, Atamisque conta com uma estrutura de altíssima qualidade, com equipamentos de ponta e uma capacidade de produção total em 500 mil litros de vinhos por ano.

Em sua visita, você pode admirar a bela natureza circundante a vinícola ao lado do imponente vulcão Tupungato, também pode ver as suas instalações e sua majestosa telhado de pedra tornou-se uma novidade mundial.

A adega oferece aos turistas e visitantes a oportunidade de passeios a cavalo ou passeios de bicicleta, diferentes tipos de degustações e desfrutar da original cozinha de seu restaurante servido pelo seu próprio viveiro de trutas.

http://www.bodegaatamisque.com/ – 0261 15 518 1786, Calle La Gloria 2054, Tupungato,

Lojas de vinho em Mendoza

Wine O’clock – Espejo 533, Mendoza, Capital - https://www.facebook.com/wineoclockshop/

Winery – Chile 898, 5500 Mendoza, Argentina – http://www.winery.com.ar

Sol & Vino – Sarmiento 664, Mendoza, Capital - (0261) 425-6005

Onde comer:

1884 (carnes/gourmet) – Vinícola Escorihuela Gascón. Belgrano, 1188 – Mendoza – http://1884restaurante.com.ar/

Azafrán (argentino/gourmet) – Sarmiento, 765 – Mendoza – azafranresto.com

Maria Antonieta – Belgrano 1069 – Ciudad de Mendoza. mariaantonietaresto.com

Onde se hospedar:

Intercontinental - Blvd Perez Cuesta Esq., Acceso Este, M5521AAR, Phone+54 261 521-8800https://www.intercontinental.com

Park Hyatt - Chile 1124, 5500 – Phone+54 261 441-1234https://mendoza.park.hyatt.com

Diplomatic – Av. Belgrano 1041, 5500 – Phone+54 261 405-1900http://www.diplomatichotel.com.ar/

O blog Vivendo a Vida sob o comando da Wines of Argentina está em Mendoza, aonde vai permanecer até o dia 22.

Durante a semana de programação estarei conhecendo a produção de uva na região por meio de visitas técnicas a vinícolas, com o intuito de aprofundar o meu conhecimento sobre o setor vitivinícola do país.

Acompanhe a viagem no meu instagram > @silvestretg