search engine optimizationsubmit websiteemail extractor

A revista norte americana Wine Spectator publicou o seu ranking dos 100 melhores vinhos de 2014. Seus editores provaram cerca de 18.000 rótulos durante o ano, 2.000 a menos que em 2013. Este ano, os vinhos portugueses se destacaram com três posições no top 10.

Argentina apareceu entre os melhores com 4 rótulos de Mendoza e 2 de Valle de Uco . Os destaques foram o Alfa Crux Malbec 2010 Valle de Uco, que ganhou a melhor pontuação, 94 em 100, e Luca Malbec Valle de Uco 2012, feito por Laura Catena, que ficou em primeiro lugar entre os vinhos argentinos no 19º lugar com 93 pontos. Também foram eleitos um Tikal Patriota Mendoza 2012 , e o Estates Patagônia Malbec Mendoza 2012 Zolo Reserve. Ambos receberam 91 pontos.

O Chile teve cinco rótulos na lista. Foram eles, Concha y Toro Cabernet Sauvignon Puente Alto Don Melchor 2010 com 95 pontos, Lapostolle Clos Apalta Limited Release Colchagua Valley 2010 com 94 pontos, Viña Cono Sur Cabernet Sauvignon-Carmenère Colchagua Valley 2011 com 91 pontos e o Veramonte Cabernet Sauvignon Colchagua Valley El Caballero 2011 e o Viña Bisquertt Syrah Colchagua Valley La Joya Gran Reserva 2012, ambos com 90 pontos.

No restante da lista apareceram vinhos de 15 países diferentes, mas como de costume, os franceses, italianos e californianos dominaram. Porém, sem muita presença nas primeiras posições como em anos anteriores.

A Wine Spectator informou que a pontuação média do ano foi de 93 pontos, o mesmo que o de 2013, e que o preço médio foi de 47 dólares.

Os três melhores vinhos do ano

Em primeiro lugar com 99 pontos ficou o português Porto Vintage da Dow 2011 da adega Dow, muitas vezes reconhecida pela alta qualidade dos seus vinhos. Feito a partir das castas Touriga Franca, Touriga Nacional, Sousão, e uma mistura de uvas de vinhas velhas. O vinho é envelhecido 18 meses em barricas de carvalho antes do engarrafamento. Segundo nota de degustação é muito poderoso, sofisticado e requintado, tempero sutil e destacada nota de groselha preta, de chocolates, e muito bom acabamento. Este é o vinho considerado pela Wine Spectator como o melhor vinho de 2014.

Na segunda posição com 95 pontos, está o australiano Carnival of Love 2012 de McLaren Vale, vinícola Mollydooker Winery. É um 100% de vinho Shiraz que foi fermentado em barricas novas de carvalho americano. Segundo degustação nota é um vinho doce com notas de frutas vermelhas, picante, intenso, com corpo e um longo final de boca.

Em terceiro lugar com 97 pontos ficou o vinho Português do Douro, Chryseia 2011, elaborado pela vinícola P + S (Prats & Symington). Foi desenvolvido com as castas e Touringa Nacional, Touringa Franca, envelhecido em barricas novas de carvalho Francês. A nota de degustação explica que sua cor é roxo, tons diferentes intensos de frutas vermelhas na boca, ameixa, chocolate e notas de especiarias como a pimenta branca, e é um vinho com taninos redondos e estrutura equilibrada.

Vinhos argentinos que se destacaram no Top 100 2014

19. Luca Malbec Uco Valley 2012
25.  Alfa Crux Malbec 2010 Bodegas y Viñedos O. Fournier 
45. Tikal Patriota Mendoza 2012
48. Fincas Patagónicas Malbec de Zolo Reserva Mendoza de 2012 

Vinhos espanhóis que se destacaram no Top 100 2014

34. La Rioja Alta Viña Ardanza Reserva 2005 (D.O.Ca. Rioja)
50. Abadía Retuerta Selección Especial 2010 (VT Castilla León)
62. Bodegas Montecillo Viña Cumbrero Crianza 2010 (D.O.Ca. Rioja)
64. Cune Monopole Blanco 2013 (D.O.Ca. Rioja)
68. Godelia Mencía 2010 (D.O. Bierzo)
79. Marqués de Griñón Cabernet Sauvignon Dominio de Valdepusa 2010
84. Bodegas Marqués de Murrieta Castillo Ygay Gran Reserva Especial 2005 (D.O.Ca Rioja)
95. Antonio Barbadillo Manzanilla Solear (D.O. Jerez-Manzanilla Sanlúcar de Barrameda)

Vinhos Chilenos que se destacaram no Top 100 2014

9. Concha y Toro Cabernet Sauvignon Puente Alto Don Melchor 2010

42. Lapostolle Clos Apalta Limited Release Colchagua Valley 2010

44. Viña Cono Sur Cabernet Sauvignon-Carmenère Colchagua Valley 2011

55. Veramonte Cabernet Sauvignon Colchagua Valley El Caballero 2011

57. Viña Bisquertt Syrah Colchagua Valley La Joya Gran Reserva 2012

Veja a lista completa com preços em dólar – http://2014.top100.winespectator.com/lists/

Há mais de 60 anos toda terceira quinta-feira do mês de novembro um evento anual único acontece. As garrafas do primeiro tinto da safra da região de Beaujolais, na França, desembarcam em dezenas de países.

O vinho ficou conhecido após uma grande campanha publicitária, conhecida mundialmente pelo slogan “Beaujolais Nouveau est arrivé!”, traduzindo – o “Beaujolau Nouveau chegou”. A campanha foi um sucesso, conseguindo aumentar substancialmente a venda de todos os rótulos da região.

O vinho elaborado com a uva Gamay é leve, frutado (notas de banana e de frutas vermelhas), refrescante, e combina diversos tipos de pratos, como embutidos, frutos do mar, peixes crus, e até com pizza.

Na França, é possível encontrar uma garrafa por cerca de 6 euros. No Brasil por volta de 100 reais. Saúde!

Recentemente a confraria se reuniu no bistrô Sonho da Pulga para uma degustação com vinhos especiais. Tivemos a oportunidade de colocar lado a lado cinco safras do vinho chileno Domus Aurea, da vinícola Quebrada de Macul. Foi interessante avaliar as diferenças de um vinho com tanta personalidade. Segundo enólogos chilenos, tem um esquema que permite dizer que as safras ímpares são marcadas por uma primavera seca e calorosa, sem chuva ou complicações climáticas. São colheitas com muita concentração e cor. Por outro lado, as colheitas pares que têm sido mais complicadas, mas não ruins. Alguns anos pares não têm a mesma concentração, mas apresentam uma qualidade de taninos macios, ideais para os vinhos que se consomem mais cedo. Será? Nessa degustação a safra 2002 foi a pior….

Domus Aurea 1997

Rolha infiltrada 80%, visual rubi claro com sedimento aparente. Aromas tímidos, mas com os traços típicos de goiaba, eucalipto e mentol. No paladar se mostrou evoluído, taninos macios e média acidez. Acredito que já passou de seu apogeu, esperava muito mais. Não emocionou. ST (89)

Domus Aurea 1999 

Rolha em perfeito estado, visual rubi brilhante, sem sedimento aparente. Nariz intenso de frutas vermelhas, eucalipto, cedro, mentol e especiarias. Paladar se mostrou equilibrado, com boa concentração, frescor e elegância. Um belo vinho, mas não acredito que vai evoluir. ST (91)

Domus Aurea 2001

Rolha 20% infiltrada, visual já mostrando leve evolução, aromas encantadores e complexos de goiaba, eucalipto, mentol e cedro. Na boca mostrou um bom corpo, amplo, taninos aveludados e fruta na medida. Equilibrado, elegante e longo. Um vinhaço, que me emociona a cada dia. ST (93)

Domus Aurea 2002

Rolha em perfeito estado, visual vermelho rubi intendo, aroma fechado, lembrando pouco os anteriores. Paladar na mesma linha, com pouca expressão. Bad botlle L ST (84)

Domus Aurea 2003

Rolha em perfeito estado, visual rubi intenso. Apesar de ter gostado dessa amostra, achei que não apresentou sua personalidade, como na safra 99 e 01. Aromas de especiarias, cassis e mentol com grande cremosidade e persistência. ST (90)

Bueno La Valletta Sangiovese 2011

Acabei de participar de mais uma degustação virtual no www.winebar.com.br, onde tive a oportunidade de avaliar os vinhos da Bueno Wines (www.buenowines.com.br), criada pelo famoso narrador Galvão Bueno. Recebi dois vinhos, o Bueno Paralelo 31 tinto (R$ 90), elaborado com as uvas cabernet sauvignon, merlot e petit verdot da Campanha Gaúcha/RS, que já tinha provado e gostado, e também o Bueno La Valletta Sangiovese 2011 (R$ 175), produzido na região da Toscana, em parceria com o winemaker Roberto Cipresso, que estava ao vivo. Esse foi uma novidade. Na Itália a uva Sangiovese é a mais plantada, onde é à base de vinhos famosos como o Chianti e Brunello di Montalcino. Na taça mostrou um lindo visual rubi brilhante, aroma com notas frutadas, florais e de especiarias. Paladar quente, com taninos secantes e elevada acidez pedindo uma boa refeição. Típica italiana, se possível. Gostei bastante. ST (90).

Para quem gosta de uma listinha de vinhos, segue uma especial. Os 10 melhores vinhos de 2014 segundo a revista Wine Spectator, uma das mais importantes e respeitadas publicações sobre o tema do mundo.

Dow’s Vintage Port 2011 | WS99 – US$82 – 5.000 caixas produzidas

2º colocado: Mollydooker Shiraz McLaren Vale Carnival of Love 2012 - WS95 – US$75 – 4.729 caixas produzidas

3º colocado: Prats & Symington Chryseia 2011 | WS97 – US$55 – 2.400 caixas produzidas

4º colocado: Quinta do Vale Meão 2011 | WS97 – US$76 – 2.300 caixas produzidas

5º colocado: Leeuwin Chardonnay Margaret River Art Series 2011 | WS96 – US$89 – 600 caixas produzidas

6º colocado: Chianti Classico San Lorenzo Gran Selezione 2010 | WS95 – US$52 – 8.000 caixas produzidas

7º colocado: Clos des Papes Châteauneuf-du-Pape 2012 | WS97 – US$135 – 6.000 caixas produzidas

8º colocado: Brewer-Clifton Pinot Noir Sta. Rita Hills 2012 | WS94 – US$40 –  1.226 caixas produzidas

9º colocado: Concha y Toro Don Melchor 2010 | WS95 – US$125 – 10.100 caixas produzidas

10º colocado: Château Léoville Las Cases 2011 | WS95 – US$165 – 8.330 caixas produzidas

Em comemoração aos 50 anos do “GUIA QUATRO RODAS”, foi elaborado um ranking gastronômico inédito no país. O Espirito Santo teve um representante, o restaurante Guaramare. Merecido! O resultado dessa disputa e os critérios utilizados – aqui: http://viajeaqui.abril.com.br/guia4rodas/especial/ranking-50-restaurantes-brasil-guia-quatro-rodas?home.

As amostras são avaliadas unicamente por mulheres

Um grupo de 44 degustadoras colocou, entre os dias 23 e 25 de outubro, todos os seus sentidos e conhecimentos em uma única tarefa: escolher entre 505 amostras os vinhos e espumantes de maior qualidade em suas avaliações. O concurso Internacional de Vinhos e Licores “La Mujer Elige”, que ocorre a cada dois anos na cidade de Mendonza, Argentina, chegou à sua 18ª edição premiando 42 amostras brasileiras.

Degustadoras brasileiras integraram o time do concurso La Mujer Elige.Da esquerda para a direita: Larissa Bettú, Giseli Scopel e Paula Schenatto.

Foram 10 medalhas de ouro duplo,  21 medalhas de ouro, oito medalhas de prata, um campeão internacional e  dois campeões de categoria concedidos aos vinhos e espumantes brasileiros, comprovando a excelência das bebidas. O Brasil esteve representado pelas enólogas Paula Guerra Schenatto, Larissa Bettú e Giseli Scopel. “Não conheço nenhum outro concurso que tenha avaliação exclusiva de mulheres. A ideia é sensacional. A mulher não é melhor ou pior degustadora que o homem, mas se sabe que, biologicamente, são sensibilidades distintas.”, pontua Paula.

A qualidade das bebidas brasileiras não ficou evidente somente no resultado do concurso, mas também nos comentários entre o time de 44 degustadoras. “Todas as juradas e a organização do evento elogiaram os vinhos brasileiros, especialmente os espumantes. A quantidade de prêmios e elogios recebidos fortalecem ainda mais o conceito de que os espumantes brasileiro são um espetáculo e isso já é reconhecido em outros países. Devemos ter muito orgulho dos nossos vinhos e dos nossos enólogos”, finaliza Paula.

Confira a relação de vencedores:

Campeão Internacional:  Cooperativa Vinícola Garibaldi

Campeão da categoria: Marcus James Espumante Brut  - Cooperativa Vinícola Aurora | Decima Espumante Prosecco Brut Charmat 2014 – Cia. Piagentini

Medalha de Ouro Duplo            

  • Casa Perini Espumante Champenoise Brut – Vinícola Perini
  • Decima Espumante Brut Charmat 2014 – Cia. Piagentini
  • Decima Espumante Prosecco Brut Charmat 2014 – Cia.Piagentini
  • Garibaldi Espumante Moscatel - Cooperativa Vinicola Garibaldi
  • Garibaldi Espumante Prosecco Brut – Cooperativa Vinicola Garibaldi
  • Gran Legado Espumante Charmat Brut Rosé 2014 – Natural Products
  • Guatambu Espumante Brut Rosé 2013 -  Guatambu Estância do Vinho
  • Marcus James Espumante Brut – Cooperativa Vinicola Aurora
  • Peterlongo Espumante Prosecco Brut 2014 – Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo
  • Pietro Felice Espumante Moscatel 2014   – Irmãos Molon

Medalha de Ouro                          

  • Amaze Chardonnay – Cooperativa Vinicola Garibaldi
  • Amaze Muscats   - Cooperativa Vinicola Garibaldi
  • Aurora Espumante Brut   – Cooperativa Vinicola Aurora
  • Aurora Espumante Moscatel Branco – Cooperativa Vinicola Aurora
  • Casa Perini Espumante Moscatel – Vinícola Perini
  • Casa Valduga Arte Tradicional Brut Rosé 2013 – Casa Valduga Vinhos Finos
  • Casa Valduga Leopoldina Merlot 2011 – Casa Valduga Vinhos Finos
  • Cave d’Castro Espumante Charmat Brut – Vinhos Finos Casa Garcia
  • Decima Espumante Brut Charmat Rosé 2014 – Cia.Piagentini
  • Garibaldi Espumante Brut – Cooperativa Vinicola Garibaldi
  • Garibaldi Espumante Chardonnay – Cooperativa Vinicola Garibaldi
  • Gran Legado Espumante Moscatel 2014 – Natural Products
  • Lunar Espumante Prosecco 2013 -Famiglia Zanlorenzi
  • Malbec Gran Reserva 2011 – Villagio Grando Boutique Winery
  • Peruzzo Cabernet Franc 2011    2011      Vinícola Peruzzo
  • Pietro Felice Veneza Moscato Giallo 2014 – Irmãos Molon
  • Rastros do Pampa Merlot 2012 – Guatambu Estância do Vinho
  • Salton Espumante Poética Rosé   – Vinícola Salton
  • Zanotto Espumante Brut – Vinícola Campestre
  • Zanotto Espumante Moscatel – Vinícola Campestre
  • Zanotto Merlot 2010 – Vinícola Campestre 

Medalha de Prata             

  • Aurora Espumante Moscatel Rosé  – Cooperativa Vinicola Aurora
  • Casa Valduga Leopoldina Chardonnay 2013 – Casa Valduga Vinhos Finos
  • Decima Gran Reserva Chardonnay Viognier Brut 2010 – Cia.Piagentini
  • Lunar Ouro Asti 2012 – Famiglia Zanlorenzi
  • Lunar Ouro Brut 2012 – Famiglia Zanlorenzi
  • Pietro Felice Veneza Merlot 2014 – rmãos Molon
  • Privillege Peterlongo Espumante Brut Rosé 2014 – Estabelecimento Vinícola Armando Peterlongo
  • Zanotto Cabernet Sauvignon 2013 – Vinícola Campestre

Projeto da Rede Dall’Onder de Hotéis leva cicloviajantes a conhecer roteiros culturais pelo interior de bicicleta. Novidade entra em operação dia 26 de novembro

A Serra Gaúcha ganha um projeto que vai levar cicloviajantes a conhecer roteiros da região da uva e do vinho de bicicleta. É o “Que tal de bike?”, realizado pela Rede de Hotéis Dall’Onder, que será lançado para o trade no dia 26 de novembro. São roteiros com formatos diferentes que contemplam pedaladas de 3h a 8h de duração, com níveis de dificuldade que vão do leve e moderado ao radical. Em todas as opções, os cicloviajantes são acompanhados em tempo integral por um veículo de apoio com toda estrutura necessária.

Com toda essa estrutura o Dall’Onder Grande Hotel será o primeiro hotel bike do Brasil. O projeto é resultado da parceria entre a rede e a empresa Caminhos do Sertão Cicloturismo, pioneira na operação de roteiros de bicicleta regulares na região. Condutores qualificados estão prontos para guiar todo tipo de turista interessado em descobrir o interior da Capital Brasileira do Vinho pedalando. Fiz o passeio e recomendo!

São oferecidas oito opções de passeios em quatro roteiros: Caminhos de Pedra, Vale dos Vinhedos, Estrada do Sabor e Vale do Rio das Antas. São passeios que vão de um leve pedal matutino nos Caminhos de Pedra até uma épica travessia pelo Vale do Rio das Antas durante um dia inteiro. Todos os roteiros terminam com visitação e degustação dos melhores rótulos dentre as melhores vinícolas da região. Após, os participantes são levados de volta ao hotel em traslados de carro, van ou micro-ônibus, dependendo da situação.

Idealizador dos Caminhos de Pedra e reconhecido empreendedor do turismo na região, Tarcísio Michelon, diretor da Rede de Hotéis Dall’Onder, acredita que é fundamental a criação de novos produtos turísticos para oxigenar o destino. “A inovação é essencial e este projeto veio para movimentar a região, atraindo um público interessado em novas experiências e fiel a opções saudáveis”, destaca.

A cada pedalada novas descobertas. São níveis de dificuldade leve, moderada e radical, todos com acompanhamento integral de veículo de apoio. Da excelência em vinhos finos do Vale dos Vinhedos à gastronomia tipicamente italiana na Estrada do Sabor, passando pela natureza exuberante do Vale do Rio das Antas e a tradicional arquitetura dos Caminhos de Pedra, obras-primas líquidas e paisagens alternam-se num desenrolar constante de atrativos, trazendo um colorido especial aos tons dos montes que se modificam a cada estação. Mais informações pelo telefone (54) 3455.3555 ou pelo site www.dallonder.com.br.

Convites de bike

E para que o trade e a imprensa estejam ligados na novidade, o Dall’Onder começou a pedalar há um mês. Os convites estão sendo entregues pelo condutor Vanderlei Dreyer, que percorreu a cidade de bicicleta com uma câmera acoplada em seu capacete, registrando, inclusive, a quilometragem. Somente em Bento Gonçalves foram mais de 90 quilômetros. A ação encerra esta semana com cidades da Serra Gaúcha. Com esta intervenção urbana a aposta é no inusitado, gerando expectativa e curiosidade em torno da ação que se estendeu por outras cidades e chega a Porto Alegre.

RESUMO DOS ROTEIROS

Caminhos de Pedra

  • FORMATO 1 - REDUZIDO 
  • Duração: 3 horas | dificuldade: 1 (fácil)
  • Distância: 10 km | subida: 150m + descida: 150m

FORMATO 2 - COMPLETO VINHOS DE MONTANHA 

  • Duração: 6 horas | dificuldade 3 (médio)
  • Distância: 20 km | subida: 500m  descida: 350m

FORMATO 3 - COMPLETO A PARTIR DO HOTEL

  • Duração: 8 horas | dificuldade 4 (médio)
  • Distância: 29 km | subida: 650m descida: 600m

 PRINCIPAIS ATRATIVOS: Casa do Tomate, Salumeria, Vinícola Strapazzon, Casa da Ovelha, Casa Vanni, Casa da Tecelagem, Casa da Erva Mate, Vinícola Cave Geisse e Vinícola Lovara.

Vale dos Vinhedos

FORMATO 1 – MONTE BELO DO SUL 

  • Duração: 8 horas | dificuldade: 4 (médio)
  • Distância: 27km | subida: 800m  + descida: 700m

FORMATO 2 – REDUZIDO

  • Duração: 4 horas | dificuldade 2 (fácil)
  • Distância: 12 km | subida: 300m   descida: 200m

PRINCIPAIS ATRATIVOS: Cogumelos da Serra, Vinícola Marco Luigi, Vinhos Larentis , Vivatto Parque, Barcarola, Vinícola Pizzato, Famiglia Tasca, Divino Café, Prefeitura Monte Belo do Sul e Vinícola Miolo.

Estrada do Sabor

FORMATO 1 - REDUZIDO 

  • Duração: 4 horas | dificuldade: 2 (fácil)
  • Distância: 17 km  | subida: 350m  + descida: 380m

FORMATO 2 – COMPLETO 

  • Dduração: 8 horas | dificuldade 3/4 (médio)
  • Distância: 31 km  | subida: 730m  descida: 680m 

PRINCIPAIS ATRATIVOS: Vinícola Don Laurindo, Familia Mariani, Família Vaccaro, Osteria Della Colombina e Vinhos Betu.

 Vale do Rio das Antas

FORMATO 1 – COMPLETO

  • Duração: 8 horas | dificuldade: 5 (difícil)
  • Distância: 28km  | subida: 780m   descida: 760m 

PRINCIPAIS ATRATIVOS: Nova Roma do Sul, Represa, Rio das Antas, Ponte de Ferro, Pinto Bandeira, Vínicola Valmarino e Vinícola Cave Geisse.

Amigos, confesso que sempre torci o nariz para os vinhos rosés. Um preconceito bobo, turbinado pela falta de litragem e conhecimento sobre esse estilo de vinho.

Na noite de ontem, para iniciar uma prova memorável de grandes champagnes (falarei em breve), na casa do amigo João Gomes Neto, provei um rosé inesquecível. Trata-se do Château Saint-Hilaire Cuvée ONE Coteaux d’Aix-en-Provence 2013, um verdadeiro divisor de águas na minha estrada vínica. E claro, tinha que ser da Provence, uma das mais belas regiões do mundo e reconhecida por elaborar os melhores rosados. Conheça mais sobre ela aqui.

Na taça mostrou uma admirável cor salmão clarinho, aroma sutil, com uma variada paleta de aromas, especiarias, flores e frutas, com destaque para as cítricas. Paladar é seco, com uma deliciosa fruta limpa. Muito vibrante, refrescante e equilibrado. Simplesmente o melhor rosé que já provei. Ah, sem falar no design da garrafa, lindo! ST (95) – Que venham outros! Esse custou R$ 120. Onde encontrar: Wine Vix – (27) 3019-5858 / 9265-5931.


Em entrevista à revista “Gol Linhas Aéreas Inteligentes” deste mês, o chef mais famoso do país, Alex Atala, revela seus sucessores na gastronomia brasileira. Dois representantes do Espírito Santo brilham na seleção de seis chefs: Bárbara Verzola e Pablo Pavón, do restaurante Soeta. Expert em cozinha moderna, a dupla tem como referências o chef do D.O.M, em São Paulo, e Ferran Adrià, que comandou o hoje extinto El Bulli, eleito repetidamente o melhor do mundo pela revista inglesa “Restaurant”. Veja mais a matéria completa: http://blog.voegol.com.br/index.php/gol/a-selecao-de-alex-atala/. Fonte: A Gazeta/Renata Rasseli